Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

A ILUSÃO

 

 

 

Digo eu que o velhote vai ali ver a vista sobre o vale com o Tejo lá ao fundo; digo eu que o velhote deixou cair a bengala e não vai ser capaz de a apanhar; digo eu que isto havia de acontecer agora que o Sol se põe e não tarda muito a ser noite; digo eu que vou lá meter conversa e disfarçadamente pôr-lhe a bengala à mão em vez de continuar aqui no carro a ler e a ouvir a Suite nº 1 para violoncelo solo de Bach.

 

E fui...

 

EuBoa tarde!

EleBoa tarde!

EuEntão veio aqui ver o pôr-do-Sol ou cuidar da horta?

EleVim aqui espantar os macacos que tenho na cabeça. Lá dentro só se vêem desgraças. Isto aqui é tudo uma ilusão. A vida que se leva aqui é quase o caixão. Nós só ainda não percebemos que isto é tudo uma ilusão. Faz de conta que isto é a vida... Dizem que deviam ser os filhos a tomar conta dos pais mas eles não têm casas para poderem cuidar dos pais. E têm que trabalhar... Eu não tenho filhos e os meus três irmãos e sete sobrinhos não querem saber de mim para nada. E olhe que fiz por um sobrinho o que mais ninguém podia fazer quando ele foi lá para a terra fraco dos pulmões e eu lhe dei tudo para ele se curar. E curou-se.

EuE o Senhor donde é?albergaria dos doze.jpg

EleSou de Pombal, Freguesia de Albergaria dos 12.

EuE porquê 12 e não 13 ou 14?

EleOlhe! Já me fizeram essa pergunta dezenas de vezes. Talvez mesmo centenas. É do tempo em que inventaram os Correios e lá se fez uma casa para os homens dos cavalos e das galeras passarem a noite. E essa casa era um albergue onde podiam dormir 12. Também se lhe chama albergaria a essas casas. Os Correios ainda hoje têm o boneco do homem a cavalo.

EuPois claro, bastava eu ter pensado um pouco e havia de ter descoberto. Mas é mais agradável conversar do que ficar a pensar nas coisas sozinho.

EleMas às vezes havia mais gente a precisar de dormir e então as casas das aldeias à volta punham uma candeia de azeite por dentro da janela a dizer que ali havia quarto para quem quisesse passar a noite.

 

Disfarçadamente, apanhei a bengala e encostei-a ao tronco da árvore em que ele tinha a mão direita encostada.

 

EleE os que passavam diziam «ali tem» (quarto para dormir). E assim ficou a chamar-se àquelas terras Santiago de Litém e S. Simão de Litém.

 

A minha mulher já estava junto do carro a fazer-me sinais porque a visita de Natal à antiga costureira chegara ao fim.

 

EuIsso é mesmo muito interessante. Gostei muito desta nossa conversa mas agora tenho que ir, a minha mulher já me chama.

EleObrigado pela visita e quando cá voltar olhe para aqui a ver se eu ainda cá estou e venha cá conversar mais um bocado. Agora vou para dentro, para a ilusão e para aquelas desgraças todas. Vou ajudar a dar a sopa a umas que já não conseguem comer por elas. O pessoal é muito bom mas eu gosto de ajudar. Enquanto posso. Mas o Senhor volte cá para a gente continuar a conversar. Boa noite e obrigado pela visita.

 

Acenei-lhe de longe e ele respondeu-me com a bengala no ar a agradecer-me ter-lha posto junto da mão. Dei a volta ao carro e lá vinha ele pelo meio do relvado, a caminho da ilusão, dar a sopa às que já não conseguem comer por elas. Mais vale isso do que suportar a solidão. As que já não conseguem comer por elas não percebem que estão sós; ele sabe que o está e isso é tremendo.

 

Terei feito bem tirando-o por momentos daquela ilusão?

 

Henrique Salles da Fonseca-Viena-2JAN14-2.jpg

Henrique Salles da Fonseca

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D