Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

«A EUROPA TEM OS DIAS CONTADOS»

 

Europa.png

 

É uma frase que escutei esta noite a José Pacheco Pereira, que me deu no goto. Estava-se na «Quadratura do Círculo», que hoje começou com a exposição de Pacheco Pereira a respeito de uma tal carta de gente grada portuguesa a um tal Passos Coelho, que também Jorge Coelho sumamente despreza, como “não tendo credibilidade”, sem “posições próprias”, e tendo que “engolir muita coisa que anda a dizer”, além de ter constatado tragicamente que “Portugal desapareceu do mapa”. Como Pacheco Pereira também já tinha largado aquela sobre “a Europa dos dias contados”, não estranhei tanto o negativismo pátrio de Coelho (Jorge), decididos ambos a liquidar Coelho (Passos) com todos os excessos das suas raivas impotentes contra a firmeza do PM nos seus comentários sobre as obrigações da Grécia para com quem lhe emprestou o dinheiro, os mesmos que o fizeram a Portugal. Dinheiro amaldiçoado pelos 32 subscritores da “nova carta portuguesa”, dirigida a Passos Coelho, por essa sua política de ressarcimento de dívida ter conduzido Portugal (tal como outros países irmãos em crise vivendo, como nós, do empréstimo – e do imposto, pecha antiga - ao desemprego e à miséria, como fez Passos ao pretender cumprir os seus compromissos e desejar que a Grécia cumpra os seus.

 

Encontro na Internet a tal carta a Passos Coelho dos 32 grados subscritores da sua banha de cobra para iludir pacóvios, fingindo bondade para com a Grécia que não é mais do que artimanha para condenar quem cumpriu acordos assumidos.

 

«Apesar de concordarem que "a Europa vive uma situação difícil, pelas tensões militares na sua periferia e pelos efeitos devastadores de políticas recessivas que geraram desemprego massivo", os signatários apontam como problema "o aumento do peso das dívidas soberanas e a deflação", que abalam assim "os alicerces de muitas democracias"."Este momento exige por isso uma atitude construtiva, que conduza a uma cooperação europeia de que Portugal não se deve isolar", defendem. Os 32 subscritores da carta consideram que, "para evitar uma longa depressão, a União tem de combater a incerteza na zona euro e, para tanto, precisa de uma abordagem robusta que promova soluções realistas e de efeito imediato"."O momento actual oferece uma oportunidade que não pode ser desperdiçada para um debate europeu sobre a recuperação das economias e das políticas sociais dos países mais sacrificados ao longo dos últimos seis anos", sustentam. Os signatários consideram ser também do interesse de Portugal "contribuir activamente para uma solução multilateral do problema das dívidas europeias reduzindo o peso do serviço da dívida em todos os países afectados, que tem sufocado o crescimento económico, agravando a crise da zona euro". Defendem também a necessidade de Portugal favorecer "uma Europa que não seja identificável com um discurso punitivo mas com responsabilidade e solidariedade, que não humilhe Estados-membros mas promova a convergência, que não destrua o emprego e as economias mas contribua para uma democracia inclusiva". "Estamos certos, senhor primeiro-ministro, de que agora é o tempo para este apelo à responsabilidade numa Europa em que tanto tem faltado o esforço comum para encontrar soluções para uma crise tão ameaçadora", concluem os 32 subscritores da "Carta ao primeiro-ministro de Portugal".»

 

Foi, pois, sobre esta carta que se debruçaram os participantes da Quadratura do Círculo: Pacheco Pereira, também subscritor da carta, com as habituais banalidades do seu discurso doutoral, Jorge Coelho, com as banalidades toscas do seu discurso matreiro mascado de bom senso pacóvio, António Lobo Xavier defendendo uma posição mais rigorosa, sem o parti-pris dos outros contra o Governo.

 

E a vida continua, à espera dos dias da Europa dos 28 em contagem decrescente. Diremos, então, como Camões, para morrermos em beleza:

 

No mar tanta tormenta e tanto dano,

Tantas vezes a morte apercebida!

Na terra tanta guerra, tanto engano,

Tanta necessidade avorrecida!

 

Onde pode acolher-se um fraco humano,

Onde terá segura a curta vida,

Que não se arme e se indigne o Céu sereno

Contra um bicho da terra tão pequeno?

(Lus. I, 106)

 

Mas tenhamos fé em Lavoisier (ou mesmo em Jesus Cristo, «que não percebia nada de finanças»): «Na Natureza nada se perde…»

 

Berta Brás 2.jpg Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D