Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

A EUROPA QUE É

 

 

É tão fácil dizer mal da Europa!

 

As críticas são muitas, contraditórias, mas sempre concordes na severa censura: a Europa corre mal. Todos vivemos na Europa e da Europa, e muito do que somos e temos dela recebemos. Apesar disso, a gratidão é pouca e é grave o que lhe reprovamos.

 

Os socialistas consideram-na capitalista e os liberais, dirigista.

 

Cada oposto vê-a do lado oposto.

 

Os membros do Sul acusam-na de injustiça e opressão e os do Norte de esbanjadora e parasita.

 

Os americanos desprezam-na como decadente e preguiçosa, os africanos acham-na colonialista e pedante.

 

No concerto das nações surge como caduca, enfatuada, sempre em discussão consigo e perdida em ideais.

 

Todas as críticas são verdadeiras e justas.

 

A consequência é que, dentro ou fora, a Europa não tem defensores ou partidários, quanto mais amigos. Pior, os próprios cidadãos realmente ignoram-na.

 

Nas eleições de Domingo, manifestação suprema do espírito europeu, a esmagadora maioria dos eleitores vai simplesmente abster-se por puro desinteresse. Os poucos que a tomam a sério irão votar, não com a cabeça, nem sequer com o coração, mas com as tripas. Por isso o Parlamento Europeu, órgão já com poderes consideráveis que realmente afectam fortemente a nossa vida, tem, face aos parlamentos nacionais, uma percentagem elevadíssima de extremistas, idealistas ou patetas. Essa é uma das razões para as críticas referidas que os comentadores nunca atribuem ao próprio descuido mas assacam aos governantes sem notar que a escolha deles é nossa.

 

O mais surpreendente é que a generalidade dos observadores não considere a extraordinária realidade da União Europeia, projecto único nos anais da humanidade que há mais de 60 anos tenta e avança num desígnio histórico incomparável.

 

Que países vizinhos, inimigos seculares, chacinando-se em permanentes conflitos se unam num magno esforço de partilha de soberania, é uma ideia que desafia toda a lógica social e política. Que esse projecto tão ambicioso tenha gerado uma prosperidade, liberdade e progresso dos mais elevados de sempre, recuperando rapidamente do maior dos desastres bélicos, ainda mais o distingue. A maior coroa de glória é que, além disso, os seus membros não tenham medo de abrir a experiência a outros, passando, dos seis iniciais, para os actuais 28. E que o façam confiando plenos direitos aos recém-chegados, sem privilégios para os fundadores. Poucas organizações humanas alguma vez tentaram reger-se por princípios tão dignos e magníficos. Tudo isto está simplesmente omisso na maior parte das discussões sobre a União.

 

A única hipótese de compreender a grandeza do projecto europeu, além das liturgias oficiais comunitárias a que ninguém dá atenção fora dos círculos diplomáticos, está na involuntária homenagem que os países externos lhe prestam.

 

A verdade é que a grande maioria dos vizinhos gostaria de aderir e os países longínquos pretendem copiar.

 

O mundo está cheio de multilateralismos, cooperações internacionais, comunidades de Estados e organizações intergovernamentais. A tentativa de imitação é, em si mesma, um tributo inconsciente. Mas as enormes dificuldades que essas outras experiências têm sofrido revelam em contraluz o espantoso sucesso europeu. A União é, apesar dos seus inúmeros defeitos, o único verdadeiro sucesso de cedência e partilha de soberania e colaboração profunda entre Estados independentes. A Europa das últimas décadas, qualquer que seja o ponto de vista, constitui realmente um enorme êxito político, económico e social. Claro que tem todos os defeitos das suas virtudes e, como todas as realizações humanas, incontáveis falhas, zangas, enganos e misérias.

 

O projecto tem estado, desde o seu início, sempre à beira do colapso e as crises definitivas foram bastantes mais do que as décadas que já conseguiu acumular.

 

Mas é precisamente no número inesperado dessas décadas que surge o seu principal título de honra. A Europa é, e não era suposto ser. E é apenas por ser que se pode dizer mal dela.

 

19 de Maio de 2014

 

  João César das Neves

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D