Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

A CONTITUIÇÃO HÚNGARA DE 2011

 Parlamento de Budapeste

 

O Parlamento de Budapeste aprovou em 18 de Abril de 2011 a nova Constituição da Hungria.

 

O texto apresenta uma série de traços de máximo interesse, embora insólitos na Europa actual.

 

A nova Constituição é tão politicamente incorrecta que parece um milagre (não é de se estranhar que a imprensa "progressista" ande rasgando as roupas por causa disso).

 

A Constituição reconhece explicitamente a importância do passado cristão na forja da identidade húngara. Quer dizer, adopta uma postura diametralmente oposta à que caracterizou a abortada Constituição Europeia (que omitiu qualquer menção ao Cristianismo, embora citasse a Grécia, Roma e o Iluminismo). A Hungria não participa, pois, da patológica atitude de auto-negação histórico-cultural que caracteriza muitos países ocidentais. Reconhecer as raízes cristãs não é mais do que um acto de justiça histórica: é uma profissão de fé (de facto, a Hungria é hoje em dia um dos países mais descristianizados).

 

A grande badalada, entretanto, vem com os artigos que proclamam que o Estado protegerá "a instituição do matrimónio como uma comunidade de vida entre um homem e uma mulher" e que "a vida do feto deverá ser protegida desde o momento da concepção". A Hungria blinda o carácter heterossexual do casamento (adiantando-sea possíveis pressões da União Europeia em favor de sua ampliação aos casais do mesmo sexo) e incorpora-se ao pequeno grupo de Estados europeus que reconhecem o direito à vida dos seres humanos não nascidos.

 

O primeiro artigo é uma mostra de senso comum (todas as culturas, em todos os tempos, sabiam que as leis deviam promover a convivência estável entre homem e mulher... porque só daí surgem filhos. A protecção especial dispensada à associação de homem e mulher - a única fértil - não implica que outras formas de associação sejam proibidas). O segundo, uma injecção de esperança para a causa pró-vida: a cultura da morte não é irreversível; em menos de 20 anos, dois importantes países europeus (o primeiro foi a Polónia em 1993) passaram do aborto livre a uma regulação restritiva. Os "progressistas", na falta de melhores argumentos, terminam amiúde dizendo que o casamento gay e o aborto livre são inevitáveis porque "a sociedade mudou" e "os tempos exigem".

 

Não, os tempos não exigem nada. Os tempos correrão na direcção que decidamos imprimir-lhes.

 

Nenhuma lei histórica condena as sociedades a "progredir" indefinidamente para a anomia e a dissolução de vínculos.

 

A Hungria que desenha a nova Constituição não é um Estado neo-fascista. As liberdades democráticas e a separação Igreja-Estado ficam claramente consagradas. A Hungria é, simplesmente, um país que quer sobreviver e portanto promove a vida, penalizando sua destruição na fase pré-natal e promovendo o "eco sistema" natural da vida incipiente (a convivência estável entre homem e mulher).

 

Quem lê "a Hungria quer sobreviver" pensará: que exagero! Não, em absoluto não é. Quase toda a Europa tem umas perspectivas demográficas sombrias, porém nos países eslavos estas são especialmente aterradoras. Com taxas de fertilidade que oscilam entre 1.2 e 1.5 filhos/mulher (o índice de substituição geracional é 2.1) e privados da imigração que, na Europa ocidental, atenua (embora insuficiente e transitoriamente) os efeitos da greve de ventres, os países da Leste Europeu parecem expostos ao desastre em poucas décadas: colapso sócio económico por insustentabilidade do sistema de bem-estar (quem pagará as pensões e a saúde quando haja quase tantos aposentados quanto activos?). É o mesmo futuro que aguarda a Espanha (1.3 filhos/mulher).

 

A imigração não solucionará (as taxas de natalidade estão a cair também na América hispânica e no Magreb: logo, já não terão excedentes de população que exportar e ambos crescem economicamente mais rápido do que Espanha: à medida que se encurte a diferença de rendimentos, diminuirá o incentivo para emigrar).

 

Nesse contexto, resulta do máximo interesse a possibilidade – necessita de desenvolvimento legislativo – aberta pelo art. XXI.2 da Constituição Húngara: um sistema de sufrágio ponderado que atribua às mães tantos votos quantos filhos tenham a seu cargo.

 

A medida seria revolucionária (rompe com o princípio "umhomem, um voto"), porém a Europa pós-familiar e pós-natal necessita de tratamento de choque. E, além daaparente desigualdade que introduz, ela não deixa de ser justa: atribui maior capacidade de incidência nadeterminação do futuro do país àqueles que, tendo filhos, tornam possível que esse futuro exista.

 

Por que se afundou a natalidade na Europa recente (a sociedade mais próspera da História)? Creio que a causa principal é a generalização de uma mentalidade hedonista que considera os filhos uma carga (se o sentido da vida reside em passá-lo bem, para que encher-se de filhos?) e de uma ética amorosa que exclui o compromisso definitivo e garante a perpétua renovabilidade do casal (quase ninguém decide ter filhos com parceiro provisório).

 

A sociedade deveria reverenciar e proteger o máximo possível aos "últimos pais": a fracção minguante de população que ainda faz a "antiquada" aposta de se casar e ter filhos. Um homem e uma mulher que deixam poupanças e juventude para cuidar de seus filhos, prestam ao país um serviço insubstituível (que não presta, em troca, o solteiro de ouro que prefere passar as férias no Caribe). Esse serviço deve ser reconhecido fiscal, simbólica e até politicamente.

 

A Europa leva, literalmente, a vida nisso.

 

2 Maio 2011

 

 Francisco José Contreras 

(Catedrático de Filosofía do Direito na Universidade de Sevilha)

 

In: Mídia sem máscara (tradução de Graça Salgueiro)

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D