Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

A ALEGRIA DE DAR

 

A tradição é de que somos um povo acolhedor, que senta à sua mesa quem lhe bate à porta e lhe dá pão e vinho, ou a bucha para o caminho. Foi, pelo menos, o que escreveu Reinaldo Ferreira, e que Artur Fonseca musicou, em Moçambique e alguém cantou no Rádio Clube, julgo que eu estava lá, era no meu tempo do liceu. Mas foi Amália Rodrigues que, com a sua voz intraduzível, a tornou passaporte da nossa projecção no mundo, nessa época de Salazar, de frugalidade e modéstia, que hoje todos consideram bafienta, porque repressiva de certas liberdades e redutora de bem-estar - embora não generalizada esta última faceta, como é natural, contida, embora, apologeticamente na canção. Vejamos a letra tão simpática e escutemo-la com unção na voz divina:

 

 

Amália-UMA CASA PORTUGUESA.jpg

 https://www.youtube.com/watch?v=RU-Z0SiQKgU

 

Casa Portuguesa

 

Numa casa portuguesa fica bem,

pão e vinho sobre a mesa.

e se à porta humildemente bate alguém,

senta-se à mesa co'a gente.

Fica bem esta franqueza, fica bem,

que o povo nunca desmente.

A alegria da pobreza

está nesta grande riqueza

de dar, e ficar contente.

Quatro paredes caiadas,

um cheirinho a alecrim,

um cacho de uvas doiradas,

duas rosas num jardim,

um São José de azulejos,

mais o sol da primavera,

uma promessa de beijos,

dois braços à minha espera.

É uma casa portuguesa, com certeza!

É, com certeza, uma casa portuguesa!

No conforto pobrezinho do meu lar,

há fartura de carinho.

e a cortina da janela é o luar,

mais o sol que bate nela...

Basta pouco, poucochinho p'ra alegrar

uma existência singela...

É só amor, pão e vinho

e um caldo verde, verdinho

a fumegar na tigela.

Quatro paredes caiadas, (bis)

É uma casa portuguesa, com certeza!

É, com certeza, uma casa portuguesa!

 

Foi por isso que Jardim mandou semear várias casas na Madeira e em Porto Santo, mesmo sem registo de propriedade, para mostrar ao mundo o quão acolhedores somos. Em princípio, parece que as casas serviam para acolher caminhantes e pastores, mas afinal foi Jardim e os seus membros do Governo, que se aproveitaram delas, todas com lindas vistas, como mostram as fotos, do Público de 30/8 e alguns dizeres de ocupação dos tempos: “Jardim costumava passear pela praia no Porto Santo, acompanhado por jornalistas e amigos, comentando a actualidade”, além de outros registos de fotografias de casas com campos de ténis e jardins para as férias de membros do governo, etc, etc, que o novo chefe do Governo Regional se propõe cancelar: «Albuquerque acaba com “absurdo” das casas de férias de Jardim» lê-se em título.

 

Mas o facto de serem casas de férias, em nada isso as incompatibiliza com o sentido da canção, que nos define como povo generoso, antes pelo contrário, excluído o “humildemente”, que esse é que é profundamente incompatível com os traços caracterológicos de Jardim. Também julgo que as suas recepções ultrapassavam, em vitualhas, o pão e vinho da generosidade pelintra das quatro paredes caiadas. Afinal Jardim era contra a austeridade que Passos implantou no país e saiu-se bem, nos seus passeios discutindo altissonantemente, como é seu hábito, essas políticas, que não quadravam à sua generosidade, por conta alheia que fosse.

 

Berta Brás 2.jpg Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D