Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

As maçadas causadas pelas gentes mal armadas

 

            Vasco Pulido Valente dá o título de “Protectorado” ao seu artigo no Público de Domingo, 11 de Agosto, designativo do estatuto que Portugal representa, provavelmente na companhia de outros países igualmente pouco cordatos na manipulação de dinheiros alheios, distribuídos segundo um convénio aparentemente generoso de unificação para melhor enfrentamento de borrascas futuras, provindas de leste ou do oeste. Na realidade tais dinheiros, utilizados entre nós numa via de construção/destruição, ou seja, num desenvolvimento em vária escala segundo uma ditadura de imposição de regras que destruíram campos e pescas e que proporcionou avalanche de negociatas, sem controle das regras de economia saudável, proporcionaram igual descontrole em toda uma população que sofregamente se espolinhou nas louras areias das suas praias soalheiras ou noutros meios de aparente enriquecimento cultural ou recreativo, sem preocupação pela hora da prestação de contas.

            Mas Vasco Pulido Valente contesta a preocupação que tal estatuto de protectorado provoca no espírito de alguns, como Paulo Portas, atribuindo as culpas do desastre nacional não ao nosso feitio folgazão, mais ligado ao improviso do desenrascanço do que à ponderação racional, mas a um tal Mitterrand e a um Sr. Kohl responsável pela actual Europa, além do nosso hábito ancestral de dobrar a cerviz – primeiro ao rei, nobreza e clero e seguidamente, empobrecidos pelas estroinices régias e desacatos civis ruinosos, além de naturais pretensões a uma modernização restauradora, trazida pela transformação tecnológica ocidental, obrigados a sobreviver - como alegremente clamava o João da Ega para os amigos no “Jantar no Hotel Central” - do imposto e do empréstimo. E foi aqui que a velha aliada dos tempos de D. Fernando e de D. João I, nos ajudou nas crises, protegendo-nos mas governando-se também, à conta da protecção.

Tudo isso findou, com Salazar pagando a dívida e desenvolvendo o país com férrea mão, perante a revolta dos seguidores das ideologias marxistas, e a sua aparência de infinita virtude na defesa de um povo sacrificado, apesar dos muitos que foram sobressaindo nesse povo, pelo seu próprio esforço e inteligência, o que nenhum desses – tal como hoje – parecia reconhecer, imoderadamente alimentados de ódio e de revolta lidas nas cartilhas e ignorando os reais crimes praticados pelos reais estalines das forças, essas sim, barbaramente transformadoras.

Até que, por cá, chegou a Revolução das Flores, e com ela a reabertura de uma situação de protecionismo exterior, velho aliado da nossa idiossincrasia perdulária.

O proteccionismo mudou de protector, por seu turno aquele apoia-se mais na indiferença e desprezo pelas tragédias em que fez mergulhar os países seus protegidos, a quem oferece trocos a troco do sacrifício dos povos, a Srª Merckel essencialmente preocupada com a França, cujas exigências poderão levar a Europa a uma hecatombe inflaccionária. É o que conta Vasco Pulido Valente na sua Página de História, concluindo que “Neste protectorado, o protector gostava principalmente que não o maçassem.”

 A Crónica de Vasco Pulido Valente: «O Protectorado»

Muita gente sofre, como Paulo Portas, com a situação de protectorado a que a dívida e o défice nos fizeram descer. Não têm razão para se afligir. Em primeiro lugar, porque a responsabilidade do euro não é nossa, é, principalmente do sr. Mitterrand, esse génio por quem tanto se chora, e do sr. Kohl, um dos “pais” da Europa em que vivemos. E, em segundo lugar, porque este protectorado continua, numa forma branda, uma velha tradição portuguesa. Desde o fim do século XVIII à ditadura de Salazar, a Inglaterra mandou em nós sem qualquer restrição: armou exércitos, punha e dispunha dos governos, proibiu partidos (como, por exemplo, o de Costa Cabral em 1847), sustentou (ou não sustentou) as nossas finanças como lhe convinha e até exigiu receber directamente uma parte das receitas do Estado, sem perturbar o indigenato por aí além.

A hegemonia, no sentido próprio da palavra, da Alemanha, sob capa da troika, não nos deve hoje indignar como caso único. A Alemanha, de resto, não se interessa particularmente por nós, de quem não quer ou espera nada. A espécie de ditadura que nos resolveu impor não passa de uma medida profilática. O euro, como se sabe, exige uma união política para as coisas correrem bem e essa união política é pura e simplesmente utópica. Entretanto, a Alemanha vai vendo com horror a aproximação do momento em que se tornará o último recurso da irresponsabilidade interna de umas dezenas de países. Se decidiu ser de uma particular severidade connosco e com a Grécia foi para não abrir um precedente. O que a preocupa é a França, que se recusa a qualquer reforma substancial e que não tardará a cair no buraco em que nós caímos.

Ora, se o nosso problema e o problema da Grécia se resolvem com trocos, uma eventual ajuda à França, e com ela à Itália, provocaria provavelmente uma inflação descontrolada. E não existe na Alemanha um medo maior: a memória activa da grande inflação, que as duas desastrosas guerras do século XX provocaram, continua a dirigir o cidadão comum. E segundo uma sondagem séria, o dito cidadão comum prefere o cancro a uma terceira catástrofe financeira. Neste aperto, a sra. Merkel tenta tranquilizar a populaça com a sua intransigência e rigidez, enquanto um pouco à socapa ajuda Portugal e a Grécia a não irem ao fundo. Mas como não autoriza ou determina directamente o nosso orçamento, a nossa dívida e a nossa política, não parece que chegue muito longe. Neste protectorado, o protector gostava principalmente que não o maçassem.

 
 Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D