Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

CURTINHAS CXV

DO PAPEL AO EXCEL

 

 

v      “Se não era assim, então como deveria ser?” A pergunta, de inconfudivel sabor ulanoviano, foi-me disparada de todo o lado.

 

v      Que algo haveria a fazer era, de há muito, evidente. Fechar os olhos à realidade, nada fazer - e seria, não a crise, não o colapso, mas o caos:

(i) já internamente (com o Governo a suspender pagamentos, desde logo as transferências sociais);

(ii) já no plano externo (com os fornecedores de matérias primas alimentares, produtos energéticos e tutti quanti a exigirem pagamento antecipado, ou não haveria nada para ninguém).

 

v      Dispusessemos nós ainda de independência monetária (isto é, capacidade de emitir liquidez primária a bel’ prazer) e o caos interno poderia ser ligeiramente mitigado. O problema principal seria, então, a nossa total dependência do exterior quanto a alimentos, energia e produtos intermédios. O desemprego iria por aí a cima - e a liquidez que fosse emitida encontraria muito menos para comprar (pelo efeito conjugado da escassez e da inflação).

 

v      Mas o certo é que, se tivessemos mantido a independência monetária, nunca teriamos chegado a este triste estado de coisas – porque a capacidade para Governo e Bancos de cá se financiarem junto do “resto do mundo” seria incomparavelmente menor, e ter-se-ia esgotado muito mais cedo.

 

v      Ao confundirem Euros de cá com Euros de lá, primeiro, os Bancos de cá, depois, o Governo, endividaram-se no exterior como se nada daquilo fosse para pagar - um roll over perpétuo e gratuito. E o exterior emprestava-nos, fingindo acreditar que poderiamos pagar algum dia.

 

v      Para responder à questão “Como fazer?” nada melhor do que ter ideias claras sobre a situação de onde se parte e saber exactamente para onde se quer ir.

 

v      Em finais de 2010 (antecipo o ponto de partida uns meses, para não misturar a troika), a situação da economia revelava-se complicada – muito complicada mesmo:

-          Eramos cada vez mais periferia - em termos de PIB per capita e de rendimento disponível, a distância para as médias na UE aumentava de dia para dia (mas a realidade poderia ser um pouco mais lisonjeira se se entrasse em linha de conta com a economia subterrânea);

-          Não fosse a imigração, e o grau de dependência social seria maior – e, com ele, os deficits orçamentais;

-          O Sector de Bens não Transaccionáveis (actividades I e D+G), que uma “bolha de crédito bancário” levara ao rubro, absorvia quase 2/3 do emprego – mas as actividades S continuavam com uma expressão pouco menos que residual no PIB e no emprego;

-          A BTC registava desde os anos ’90 deficits que deixavam qualquer um (excepto, como se viu, os sucessivos Governos, os avisados políticos e o BdP) com os nervos em franja;

-          A Dívida Externa (tanto a Pública, como a Monetária) tinha atingido dimensões tais que pagar os juros começava a ser muito problemático – e pensar em reconduzi-la a níveis sensatos ainda nesta geração, uma utopia;

-          Os Bancos de cá, perdido o acesso aos mercados interbancários internacionais, só continuavam a funcionar porque:

(i) o BCE lhes ia cedendo liquidez; e

(ii) as operações sobre a Dívida Pública lhes proporcionavam uma aparência de rentabilidade;

-          Rebentada a “bolha de dívida”, as receitas fiscais estavam à beira de levar um tombo dos grandes - e os Bancos de cá, esses:

(i) dificilmente teriam proveitos e margens que dessem para sustentar os respectivos custos operacionais;

(ii) iriam começar a registar, certamente, perdas avultadas para as quais não dispunham, nem de provisões, nem de Capitais Próprios suficientes;

-          O caos estaria definitivamente instalado quando o sistema de pagamentos, arrastado pelos Bancos de cá em crise aguda de liquidez, colapsasse (corrida aos Bancos).

 

v      O objectivo final nem seria difícil de apontar:

-     Equilíbrio externo – o que é dizer:

(i) não mais acréscimos da Dívida Pública Externa fosse por que razão fosse (muito menos para refinanciar juros e encargos) – com uma única excepção;

(ii) a BTC superavitária quanto bastasse para permitir servir (isto é, pagar juros, encargos e um ou outro reembolso parcial) a Dívida Externa sem diminuir a liquidez em circulação;

(iii) o próprio serviço da Dívida Externa escalonado de maneira a não provocar rupturas na restrição externa;

-     Uma Banca eficiente e financeiramente robusta, para estabilizar a liquidez em circulação e inspirar confiança no sistema de pagamentos (só assim a economia poderia funcionar com um mínimo de normalidade);

-     Uma distribuição sectorial do emprego incomparavelmente mais equilibrada – com a consequente transferência de parte substancial do emprego das actividades I e D+G para as actividades X e S;

-     Ajustamentos estruturais (aqui só referidos ao de leve) na organização económica para reduzir drasticamente os custos de contextos (de entre os quais avulta uma concorrência mal amanhada).

 

v      O primeiro troço da caminhada seria em terreno assaz escorregadio: a ressaca de uma “bolha de dívida” é sempre um processo muito complicado de gerir. Além disso, o elementar bom-senso alertaria para três coisas:

(i) que a transferência de emprego entre actividades não iria acontecer de um dia para o outro - e teria custos enormes, no plano individual e no plano “macro”;

(ii) que só a execução orçamental estaria em condições de tornar estes dois processos (o da “bolha de dívida” a dissipar-se e o do emprego a redesenhar-se) minimamente suportáveis;

(iii) que estender aos fornecedores a pontualidade reservada aos mercados financeiros seria uma maneira eficaz de amortecer as consequências de uma “bolha de crédito bancário” que acabava de rebentar.

 

v      O primeiro passo penso ser óbvio: escorar a Banca para proteger o sistema de pagamentos. Haveria, pois, que reforçar em muito os Capitais Próprios dos Bancos de cá, mesmo contra a vontade dos seus accionistas. E sem demora porque a mais que previsível explosão do crédito malparado (consequência inevitável de uma “bolha de dívida” que chegara ao fim) e as exigências do Comité de Basileia (Basileia 2.5 e Basileia 3) não deixavam alternativa. Esta seria, aliás, a única excepção admitida à proibição de aumentar a Dívida Pública Externa: sendo para capitalizar os Bancos de cá.

 

v      Paralelamente, haveria que alterar radicalmente o IRC, não para baixar taxas (80% das empresas portuguesas não paga IRC - ou seja, gozam já de taxa 0%), mas para pôr termo à não neutralidade fiscal que premeia o endividamento das empresas (e, simultaneamente, representa um favor injustificável a quem delas seja credor – por exemplo, Bancos). Juros e lucros distribuídos têm de ter idêntico regime fiscal: se os custos financeiros são fiscalmente dedutíveis, os lucros distribuídos também devem ser. É que não há Banca sólida com empresas sobre-endividadas - e em mais de metade das empresas portuguesas os Passivos representam 2x ou mais dos Capitais Próprios.

 

v      E haveria também que pôr fim à ficção jurídica dos contratos de trabalho sem prazo determinado – o maior obstáculo à mobilidade do trabalho, à liquidação de actividades sem futuro e à criação de novas actividades e novos empregos. Como em qualquer outro contrato, também nestes o prazo reflectiria, apenas, a vontade das partes – e, ou era cumprido, ou a parte faltosa teria de indemnizar.

 

v      Ao nível do exercício orçamental, haveria que eliminar desperdícios, redundâncias e gastos injustificados para se poder sustentar:

(i) quer o previsível acréscimo das transferências sociais;

(ii) quer a igualmente previsível quebra nas receitas fiscais;

(iii) quer ainda o pagamento pontual das despesas públicas. Apenas boa gestão - que nada tem a ver com austeridade e ainda menos com cortes a eito.

 

v      Mesmo assim, o mais certo seria o deficit orçamental aumentar significativamente (e, com ele, as necessidades de financiamento público), até porque conviria desagravar os impostos indirectos sobre actividades D+G que satisfizessem as seguintes duas condições:

(i) peso significativo no emprego;

(ii) contribuição nula para o desequilíbrio externo.

 

v      A execução orçamental seria então financiada por:

(i) empréstimos internos (provavelmente haveria que recorrer também a empréstimos forçados, ou “patrióticos”);

(ii) soluções do tipo KfW (a colecta de alguns impostos directos, se aplicada em determinados programas de investimento público, seria titulada, livremente transmissível e restituída ao fim de 25/30 anos);

(iii) um agravamento dos impostos indirectos incidentes sobre actividades, ou com fraca expressão no emprego, ou com impacte negativo na BTC (desvalorização por via fiscal).

 

v      O resto, consistiria em ajustamentos estruturais, um dos quais consistiria certamente em criar um esquema de negociação para os títulos da Dívida Pública aberto e eficiente. Sem ignorar, porém, que um tal esquema concorreria directamente com os depósitos a prazo – o que não deixaria de ter efeitos profundos no modelo de negócio dos Bancos de cá.

 

v      Por tudo isto se vê que o BdP teria de estar na primeira linha desta caminhada - e não, como até agora, a pairar lá longe, por nada respondendo. Tanto mais que, sem independência monetária, a recondução da Dívida Pública Externa a níveis sensatos e suportáveis implicará sempre uma drenagem da Base Monetária dos Bancos de cá – e, consequentemente, da liquidez em circulação.

 

v      E os Custos Unitários do Trabalho (CUT), de que a troika faz tão grande questão? Ora aqui está mais uma abstracção da dismal science, que dá elegância a uns quantos modelos teóricos – mas que pouco ou nada tem a ver com a nossa realidade nua e crua. Explico porquê.

 

v      De há muito se sabe que não somos férteis a produzir bens e prestar serviços que apeteçam à procura externa, que esta se disponha a pagar bem. Em grande parte do que produzimos e prestamos o nosso poder negocial é fraco – ou seja, temos de aceitar os preços praticados nos mercados de destino como uma fatalidade. Em suma, a economia portuguesa é uma economia tomadora de preços.

 

 

v      Por isso, a estrutura dos custos de produção é, para nós, essencial - como é essencial a amplitude dos ciclos de tesouraria das actividades X (e, já agora, das actividades S). A julgar pela fixação da troika dir-se-ia que os CUT são, de longe, a parcela maior dos custos de produção, já em termos absolutos (efeito nas restrições nominais que constrangem as actividades X e, em última análise, na restrição externa), já em termos comparativos com o “resto do mundo”. E que basta tratar-lhes da saúde para tudo se transformar num mar de rosas.

 

v      Até ver (e salvo uma ou outra situação pontual), não são. Em Empresas descapitalizadas, o endividamento (quer o de raiz, quer aquele provocado por ciclos de tesouraria muito dilatados) gera facilmente custos financeiros da ordem da massa salarial – e, não poucas vezes, superiores. Se a isto somarmos as rendas implícitas nos custos das Utilidades (água, energia, comunicações, saneamento, etc.) a importância dos CUT vai-se esfumando. Para não falar já nos custos de contexto, nomeadamente, aqueles impostos pelo cumprimento dos deveres (fiscais e outros) que oneram as actividades económicas, ou pelo emperramento da Justiça Cível (a que mais afecta a economia).

 

v      Como qualquer empresário tem obrigação de saber, os CUT são a expressão de uma dada organização, que ele pode e deve gerir – logo, diminuir um pouco mais que seja. O que não acontece com nenhuma das outras parcelas dos custos de produção. Estranho que a troika não veja o óbvio: que o que começa por faltar à economia portuguesa é um ambiente de sã concorrência (traduzo para que a troika perceba: a level playing field).

 A. Palhinha Machado

Julho de 2013

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D