Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

PRIMEIRA FORMA !

O conceito estratégico de defesa tem naturalmente variado ao longo da nossa História desde a fundação da nacionalidade e sequente conquista territorial – fase encerrada por D. Afonso III no Algarve – até ao momento actual em que formalmente não temos inimigos e gozamos de paz integral. Desde o terreiro da batalha de S. Mamede até ao recebimento de Macau como prémio dado pelo Imperador da China pelo nosso policiamento daquelas costas contra os piratas, o conceito de defesa baseou-se na conquista militar seguida de convivência pacífica com os locais e sequente miscigenação, período longo de cinco séculos; desde o encerramento do chamado “ciclo do Império”, as nossas preocupações militares são bem diferentes e passou a caber-lhe o epíteto da defesa em substituição do de conquista. Mas o presente período de paz é muito recente e ainda perduram estruturas da fase de grande empenhamento militar por que passámos até 1974. É disso exemplo uma certa macrocefalia dos três ramos das Forças Armadas em que faltam soldados para o comando de tanto General. Era natural que isto sucedesse pois as pessoas felizmente continuam vivas e a hemorragia financeira só podia ser sustida no recrutamento de milicianos. Dispomos, portanto, de cabeças pensantes e dispensámos a “carne para canhão”. Devemos agora dispor de um Exército capaz de corresponder aos compromissos internacionais no âmbito da NATO, da OSCE (Organização de Segurança e Cooperação Europeia), da ONU e da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) mas temos que ter uma Armada e uma Força Aérea capazes de exercerem a nossa soberania sobre a ZEE (que é a maior da Europa). Neste conceito, todos os militares portugueses passam a ser profissionais, incluindo já a GNR que é uma força militar encarregue de acções de policiamento (1); creio mesmo que a PSP deveria ser extinta por incorporação na GNR sendo dispensados do vínculo todos os cívicos que não se integrassem no regime militar. O perfil integralmente profissional das Forças Armadas é certamente oneroso e é por esta razão que o tema tem cabimento económico para além, claro está, de toda a matéria relativa ao reequipamento militar que hoje aqui não abordo. A minha tese é a de que não podemos (nem queremos, espero) deixar de ter Forças Armadas, que estas devem ser eficazes e que devem ter o menor custo possível para o erário público. Como não é possível alcançar o máximo à custa apenas da mobilização do mínimo, a gestão das estruturas herdadas é um tema que me parece muito importante para as nossas finanças públicas. A solução não passa minimamente pela alienação do património imobiliário em época dita de crise, de praças públicas vazias e de desvalorizações potencialmente concertadas; essa gestão pode fazer-se por formas muito mais simples e não demolidoras. Refiro-me ao reconhecimento civil da formação profissional de nível médio ministrada nos estabelecimentos militares entretanto abertos à frequência de civis contra o pagamento de propinas (electromecânica, etc.) e à abertura aos civis dos cursos superiores ministrados nas três Academias Militares existentes (incluindo o de Medicina que ainda não existe e que tanta procura parece ter). Creio que a existência em Lisboa de três hospitais militares principais (fora as delegações e anexos) é um desperdício hoje inaceitável e que deveria passar a haver uma única instituição denominada Hospital das Forças Armadas em que se integrariam também os homólogos da GNR e da PSP. Mais: creio que os hospitais militares deveriam – em tempo de paz – ter convénios com a Segurança Social e com as companhias de seguros de modo a que se pudesse gerir melhor a despesa pública na saúde no seu conjunto militar e civil e se evitasse que numa pequena cidade como Évora o Estado gastasse um provável excesso de dinheiro com três hospitais (um que podia ser privado e foi nacionalizado após o 25 de Abril – o “do Espírito Santo”), dois civis e um militar, nem todos devidamente coordenados e certamente cheios de potenciais sinergias, nomeadamente nas tão faladas cirurgias em listas de espera. Creio, assim, que os temas que podem reduzir a despesa pública no âmbito da política de defesa são muito mais comezinhos do que habitualmente se diz, creio que o efeito multiplicador das Forças Armadas sobre o desenvolvimento social e económico de Portugal está longe de se esgotar e creio também que os mega- -raciocínios estratégicos podem não ter nada a ver com as reais necessidades dos portugueses. É que a “intifada” já evidenciou com amplidão como é possível mobilizar um dos Exércitos melhor equipados recorrendo à tecnologia da Idade da Pedra; quando nos dizem que a OSCE representa o eixo Vancouver-Vladivostok, eu questiono-me se o percurso não se limita às Ilhas Aleútas e pouco mais; quando nos falam de mísseis intercontinentais, eu pergunto-me se não valerá mais investirmos na construção de uma preponderante e confortável classe média no Magreb e no Machrech que estão logo aqui a seguir a Faro e Olhão; quando os estrategas me chegam com grandes raciocínios de escala planetária, eu pergunto-me se não estarão enganados e se não terá chegado a hora de em Portugal bradarmos “PRIMEIRA FORMA” e regressarmos às preocupações tácticas de D. João I que se centravam no Al-Gahrb de além-mar, ou seja, de Marrocos ao Egipto. Disso são magnífico exemplo as nossas empresas cimenteiras. (1) - Acção militar é contra inimigos em cenário de guerra; acção policial é contra ilegais em cenário de paz. Publicado no Suplemento de Economia de O Independente em 6 de Fevereiro de 2004

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D