Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

AS ENTRANHAS DO MEDO NESTE ENREDO

 

 

 

Cada um bota o seu discurso, cada um sabe do seu, cada um depois de deitadas as mãos à cabeça, menos os da esquerda, que apontam mais o ventre e têm o mesmo medo que os outros, embora o não confessem, na sua exclusiva função de botar abaixo os governos, como botam os discursos, pois é seu privilégio, em nome dos bons costumes e por amor do ódio ferrenho aos eleitos para governar, cada um, digo, continua na mesma postura de botar faladura, geralmente de má catadura, mas sem grande amargura, pois felizmente não lhes falta ainda o pãozinho dos seus privilégios propícios à sua silhueta de exclusiva orientação destrutiva.

 

Por isso os da esquerda estão mesmo encarrapitados no seu bota-abaixo, na ânsia do penacho, a estender sofregamente o gancho para os actuais donos do tacho e do penacho, que por pouco tempo o serão, na feroz investida contra uma acção governativa de seriedade, embora de dureza imposta por conta da situação de dependência ao estrangeiro, como todos sabem e fingem ignorar, só condenando, sem querer saber das consequências. Pelo menos da boca para fora, que nas entranhas são outras as manhas.

 

E os Soares e companhia deliram, porque ordenaram ao Seguro que não atendesse à proposta da coligação e ele, mansinho, não atendeu, e todos lá fora uivaram de gosto que se fartaram, porque venceram e se danaram, inteligentes que foram, mau grado as entranhas de iguais manhas.

 

E Cavaco vai uma vez mais botar a sua faladura, segundo a sua postura de habitual envergadura, indiferente, sem ler jornais, nem querer enxergar as consequências nacionais, que o que é preciso é que o seu pãozinho continue quente nas torradinhas matinais para as suas entranhas habituais.

 

 Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D