Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

AS PRIMAVERAS

 

 

Começou na Tunísia, correu a Líbia e o Egipto, está na Turquia e, quem havia de dizer, chegou ao Brasil.

 

Povo pacato, cordato, há anos de cabeça baixa, aceitando todas as patifarias que os “do andar de cima” têm feito, vendo o “bolsa-família” transformado em “bolsa-voto”, a corrupção a aumentar de forma exponencial, a inflação imparável, treze milhões ainda abaixo da linha de pobreza, etc. e etc., de repente acorda!

 

Esquece o samba e a caipirinha e parte a pedir contas aos ladrões, aos políticos.

 

E as gentes vibram. Nas passeatas vêem-se famílias com crianças, são aos milhões os manifestantes em TODO o país, o governo acuado, os políticos escondidos, os vândalos baderneiros aproveitando para pilhar, assaltar, destruir (tal como acontece em TODOS os países, incluindo Suiça, Alemanha, França, Suécia, etc.).

 

Mas o Brasil desperta, e como não há revolução sem desastre, pomos fé em que o desastre por aqui seja pequeno.

 

Mas nasceu a esperança, difícil de antever até há poucos dias. Todos drogados com o palavreado vazio e demagógico de lulas, dilmas, juízes, dirceus.

 

O povo, finalmente, finalmente, percebeu que tem força, e vai ter que a aplicar.

 

Como é possível que os gangsteres do “Mensalão”, há meio ano condenados pela suprema corte continuem vagabundeando, ocupando inclusive lugares no congresso, e não tenham ido para a cadeia?

 

Como é possível que qualquer obra pública custe SEMPRE o dobro do que foi orçado e adjudicado?

 

Como é possível que um presidente (o ex-actual) jogue da boca para fora barbaridades como o pronunciamento sobre a ferrovia Norte-Sul, afirmando que ainda no seu (des)governo a obra terminaria, e passados dez anos avançou um mísero quilómetro?

 

Como é possível assistir à demência colectiva das universidades que lhe têm dado o título de honoris causa?

 

O Mundo está louco. Mas a esperança, a última que morre com o homem, vez por outra acende uma pequena vela nos corações e nas cabeças do povo que desperta de letargias mortais.

 

Ninguém sabe o que vai acontecer no Brasil. Não há líderes e os sindicatos são os donos do pedaço! Até a UNE – união nacional dos estudantes – esta comandada por elementos do PC lá postos com o dinheiro que o sapo-barbudo lhes ofereceu.

 

Os partidos extremistas, nos quais se inclui o PT e outros, estão sem saber – ainda – como aproveitar, ainda mais, esta convulsão, ou revolução.

 

Os de centro assistem mudos e quedos.

 

Só temos que esperar para ver.

 

Talvez ver ainda a Bolsa de Valores cair mais. Só este ano já baixou mais de 20%.

 

E ainda há quem aplauda o triste desgoverno que por aqui se instalou há mais de dez anos, e não quer sair! A mamata tem sido magnífica.

 

NÃO PERCAMOS A ESPERANÇA.

 

Rio de Janeiro, 21/06/2013

 

 Francisco Gomes de Amorim

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D