Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

O CHECK UP

 

 

À tardinha, como era hábito, dona Julieta sentava no alpendre e acompanhava  com complacência  o movimento dos transeuntes  que passavam em frente à sua casa. Já passara bem pra lá dos  setenta, mas ainda tinha o olhar curioso e a palavra  fácil.  Na juventude seu pai, fazendeiro rico, mas ignorante, que achava que mulher não devia estudar, pra não transviar , levara-a ao Rio de Janeiro ser operada. Temia deixar a fortuna  conquistada a duras penas a qualquer possível genro interesseiro, e por isso tratou com algum profissional não muito ético, ou enganado por uma falsa história, a esterilização da filha.  Garantia assim que o dinheiro ficasse na família. Deixaria a herança ao neto, filho do seu filho mais velho.

 

Sem conhecer a verdade, pensando que havia sido operada por alguma doença que não conhecia,  casou e enviuvou três vezes sem deixar que a falta de filhos lhe trouxesse algum tipo de frustração ou revolta.  Criada na roça, tinha a resignação e a espontaneidade da gente simples do  campo.  Mais velha, foi morar na cidade. Ficou diabética e hipertensa, mas não perdeu a alegria,  característica da sua espirituosa personalidade.

 

Naquele dia foi à casa da vizinha pra comentar as novidades, “bater um  papo“ ou “jogar conversa fora” . Após o lauto lanche, sortido com aromático café,  coado na hora,  bolo de fubá e pão  de queijo, itens obrigatórios na mesa dos mineiros, sentiu-se indisposta. E pensou: "Acho que estou com gastura...aquele biscoitinho de polvilho me fez mal..." E marcou consulta para o dia seguinte com o Dr. Faissal, seu velho conhecido, médico daquela pequena comunidade.

 

Como sempre fazia, coletou a urina num vidro limpo, e se dirigiu para o consultório. Porém ao passar pela Igreja da praça, resolveu entrar e orar pelas almas dos falecidos maridos e pelo seu doutor que a tratava há tantos anos, sempre com muita atenção e acerto. Ao sair, num descuido,  deixa o frasco cair.  Num misto de contrariedade e vergonha, após se lamentar segue o caminho.

 

Na sala de espera, enquanto aguardava a chamada, pensava: "E agora como vou explicar ao doutô? Não posso ter vergonha, a médico a gente tem que contar tudo,  não pode esconder nada e despois médico não tem mau pensamento, não tem malícia nas vistas, só quer ajudar, é mais que pai, é como mãe, não é home! "

 

Dr. Faissal mandou a velhinha entrar. Gostava de consultá-la, de lhe ouvir as estórias,  as “tiradas” sempre engraçadas.  Enquanto aferia a pressão arterial, ouvia-lhe as queixas.  

 

"Pois é doutô, desta vez não truxe a urina. Pode me acreditá...foi  um vexame, não sei como o vidro caiu das minhas mão e despois...todo mundo olhando aquele mijo fedido na porta da igreja...as  furmiga envorta, bebendo aquela porquera.. ."   

 

O médico riu ao imaginar a cena e diz-lhe:

 

- Não se apoquente dona Julieta, vá ao banheiro e colha um pouco de urina outra vez. Lá tem um penico limpo...

 

Mas doutô assim por obrigação, no seu banheiro, não sei se vou dá conta...

 

- A senhora faça um esforço, e logo teremos o resultado que deseja.

 

Ainda indecisa, entra no banheiro e fazendo a auto persuasão resmunga pra si mesma: “Pra que ter vergonha... médico não é home...”

 

Afinal com o material nas mãos o profissional enquanto faz o teste de glicose na urina, para atiçar a velhinha pergunta:

 

- Então D. Julieta, andam comentando que a senhora vai casar outra vez. É verdade?

- Quar nada seu doutô, já casei treis vez e pra mim já  chega...

- Por que não? A senhora está sacudida,  nem chegou aos oitenta...

- Pois é doutô, bem que o Gumercindo tá me acercando...mas ele é branquelo, tá muito enrugado e de miolo  mole...e mesmo mais novo que eu,  que tenho sucra no sangue e pressão arta,  tá acabadim, acabadim... E despois eu tô ficando véia... Acredita que outro dia quando fui ao cemitério de tanto andá de lá pra cá, pra mode de pô fror nas sepultura dos falecido, fiquei tonta e acabei por acende vela na tumba de um desconhecido...foi uma vergonha  quando a muié do defunto chegô... o que ela não vai pensá...E despois quem agarante  que esse branquelo vai ser melhor que  o meu urtimo marido...O danado  do mulato era bunito, pozudo e fazia tudo pra me agradá...Todas  tinham inveja de mim...Mas morreu ainda novo,  de congestão ...lá pelas banda da zona...No velório fiquei com tanta raiva quando vi toda aquela  muiézada chegá...que  nem mandei rezá missa por sua arma...

 

E desviando o assunto, pergunta :

 

- Então doutô como tá a minha saúdi? 

 

- Bem...  D. Julieta a senhora precisa fazer dieta e tomar os remédios direito. A pressão continua alta e tem muito açúcar na urina. Vou-lhe dar a medicação e quero vê-la daqui a duas semanas...Não falte!

 

A velhinha agradeceu e saiu resmungando pra si mesma: “Imagina, eu casar de novo! E ficar colocando frô pra quatro tumbas ...e quem sabe até pra sepultura de rico e doutô...Vou ficar acanhada..."

 

Ao ouvir o comentário, preocupado, o médico encerrou o consultório e no dia seguinte saiu de viagem. Perguntada, a  secretária disse que o doutor foi à capital fazer um check up..

 

 Maria Eduarda Fagundes

 

Uberaba, 06/07/13

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D