Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

ANGOLA – 1625

 

 

 

 

Na Quiçama, quase que exclusivamente ocupada por jagas, continuava a predominar o célebre Cafuxe, com quem o governador Fernão de Sousa quis evitar os transtornos e inconvenientes de uma guerra, para o que tinha fundadas razões, pelos escravos, fugidos de Cambambe, que ele acolhia negando-os aos reclamantes. Preferiu entender-se comos jagas Zenga e Quinda e autorizá-los a fazerem guerra ao Cafuxe, com a condição de restituírem os escravos dos portugueses que aprisionassem e de não molestarem os sobas nossos vassalos que continuassem fiéis, como o antigo Songa, próximo da Muxima.

 

As minas de Sal da Ndemba pertenciam ao soba Caculo-Kia-Kimone e havia toda a vantagem em as ocupar com um presídio, o que lhe era recomendado pelos ministros, mas Fernão de Sousa preferiu encarregar o capitão-mór do presídio da Muxima de, por intermédio dos sobas do Songe e da Muxima, chamar o Caculo às nossas boas relações, o que seconseguiu, não deixando êsse facto de provocar ciumes e a inimizade de outrossobas que se socorriam dos jagas e em especial do Cafuxe, para fazerem asguerras aos que eram nossos amigos ou se mostravam inclinados à política depaz.

 

Por êsse motivo o Caculo-Kia-Kimonefoi atacado, tendo sido mortos alguns dos seus principais, e foi então queresolveu vir entregar-se completamente a nossa protecção, pedindo para se vir undar(i) a Luanda, e tomando nós conta da exploração da mina de sal.

  

Ainda no sul, mas para alémdo Libolo, no Haco, nós mantinhamos as melhores relações com o sobaNgunza-a-Nbemba (Quizambembe?) onde em 1627 Fernão de Sousa depois de mandar aocapitão-mór de Massangano que o avassalasse e undasse, abriu umafeira da maior importancia, porque ali afluia não só o negócio do Dongo,interdito pelas questões da Ginga, mas ainda o do sul, da região do Bié, que jáentão era conhecida dos nossos comerciantes.

 

Ao norte, não falando noCongo, na região entre o Bengo e o Dande e ainda ultrapassando êste rio, o quedava lugar a reclamações do rei do Congo, tinhamos estabelecido a feira deSambanzombe, que depois mudámos para o Bengo, e mantinhamos as melhoresrelações com os sobas Quiluange, Cancango, Campangola, Quitexe, Cauanga, etc.,e ainda com o Ambuila, todos Dembos, estando ocupadas por portugueses eexploradas pela agricultura as margens dos dois rios, havendo uma povoação comduas igrejas, e um capitão-mór em Matemo.

 

(i)  Undar era a confirmação ou reconhecimento do sobapelo governador geral, e era feita com determinado cerimonial em Luanda.

 

Carta do Governador Fernão de Sousa de 25 de Dezembro de 1625

 

DECLARAÇÃO DOS TRIBUTOS QUE SE PEDEM AOS SOUAS

 

(ortografia da época; atenção à letra “u” que pode ser “b ou v”)

 

Futa

 

1°. Futa responde em Portuguez, a prezente que o ynferiordá a seu superior em demõstração que o reconhece por superior a modo de hucazeyro ao senhorio. A este respeito não se atreue soua nenhu yr a prezenya decappitão de prezidio sê lhe leuar futa, e os cappitaes a tê já tanto por suaque se o soua a não leua, ou se descuyda pede lhe a sua ynfuta, e pera esteeffeito sê cauza os chamão muytas vezes aos prezidios, e os detê neles huzandode modos injustos, e parece já tributo pondolhe nome de proês, e precalços. Omesmo huzão quando vão fazer alguã deligencia por mandado dos Gouernadores polaterra dentro, e a todo o soua pedê infuta obrigandoos a dala por força eviolencia; o mesmo fazê os brancos quando os mandão seus cappitães adeligencias, ou vão a negocio de que os souas recebem grande opressão.

  

Loanda

 

2°. Loanda he tributo em reconhecimto devassalagê, de vassalo pera sõr, que os Souas pagauão a ElRey de Angola. OsGouernadores, e cappitães mores, e cappitães dos prezidios o forão yntroduzindoem sy a exemplo d'El Rey de Angola, e a este tributo responde os baculamentosque pagão a El Rey nosso sõr pelo que se não pode pedir Loanda aos Souas porquepagão baculamento, e somente a S. Mag.e pertence este tributo.

 

Vestir

 

3°. Vestir he hu modo que seintroduzio pera pedir peças aos Souas pela maneira seguinte, mandauão osGouernadores hum Macunze que responde a Embaixador cõ cantidade de panos deseda cõ suas empondas, e cõ feregoulos que he o vestido dos negros, e a cada Souadezia que hera Macunze do Gouernador, e q hia buscar a Loanda, e como herãosempre pessoas doutas nesta negoceação despião o melhor que podião a cada Souaobrigandoos com praticas e que chamão milongos a darê pera o Gouernador, e oMacunze, lingoa, e companheiros as peças que não podião dar. Outras vezes seofferecião pessoas aos gouernadores a fazer estas missões; por certa cantidadede peças per contracto, e algus herão tão deuotos que se offerecião fazelo àsua custa, o que fazia a viagë por qualquer destes modos se apercebia de cedas,e doutras cousas, hia polas Prouincias, e em cada soua a q chegaua se assentauaem hua cadeira d'espaldas e se reprezentaua Gouernador, e intimidando o soua oobrigaua se hera poderoso a lhe dar polo menos dez peças, e sendo menor acinco, a fora as que daua pera a companhia e mantimentos, e agazalhado necessoem que às vezes entraua molhéres, e filhos dos Souas, cõ grande dezacato seu,que elles muito sentião, isto mesmo fazião, e fazë os cappitaes dos prezidiosmandando Macunzes polos Souas à imitação dos Gouernadores.

 

Ocambas

 

4°. Ocamba he mandar o capitão do Prezidio aos Souas do seu destricto ou qualquer outro brcoao soua com q corre hua peruleira de vinho, ou pano, ou outra fazenda cõ tençãode lha pagar o soua cõ fingimento de amizade, e boa correspondencia, e nãoquerendo alguas vezes aceitala o soua o obrigão a tomala por boas palauras, elha deixao em caza, e se o soua se descuyda em a pagar a mandão arrecadar deleem peças de indias por tres, ou quatro preços mais do q valia o q lhe mandarão.Conuê que os capitães dos prezidios, e Portuguezes nao huzë de ocambas quecomprê, e vendão a preço certo, e que os souas nao sejão obrigados a pagalas.

 

Imfuca

 

5°. Infuca he vender aossouas de fiado per modos, e palauras q lhes parece que ou não pagarão, ou ofarão tarde dandolhes as fazendas per rogos, ou por força, e passado certotempo mandão os capitães, e Portuguezes pedir aos souas que lhe paguê o quederão a infuca, e não pagando prendenlhe molheres, e filhos, e vassalos a quechamão filhos de Morinda q são forros, e amarardos së ordë de justiça osmandão a esta Cidade a vender por peças, e embarcar de mar em fora, polo que sedeue euitar este modo de venda, e que somte se faça nas feiras, epumbos, por Pombeiros.

 

Outros modos

 

6°. Costumão os capitães dosPrezidios pôr Tendalas, e manilumbos, escrauos forros, e catiuos pelos quaesexercitão todos os modos de tirar peças chamando os Souas aos Prezidios, ouseja pera guerra, ou pera fazer baluartes, e obras nos Prezidios em têpo desuas sementeyras, ou de nojos, ou de outras necessidades em que nao podë yr, enão yndo os meação por leuãtados, e por remirë sua vexação se concertão portantas peças, e aos que vão ao Presidio não lhe dão audiencia tënos ao sol noterreyro descontentaose das obras que fizerão, e por peças libertão suaspessoas, e se liurão destas vexações, e a tudo isto chamão proës, eprecalços de seus cargos.

 

Vndar

 

7°. Vndar he ceremonia de qhuzao os Souas quando succedê nas Terras por morte do vltimo sõr da terra, ouquando por cauzas justas conforme a suas leis, e costumes lanção o sõr fora daterra, e ellegê os macotas que são os do Conslo outro sõr, o qualcostuma ser o sobrinho do morto, filho de sua Jrma porq este të por legitimosõr, e não o f° que dizë pode ser adulterino, este tanto que he electo, e antesde o ellegerem o fazê saber ao Gouernador pedindolhe que o aja por bem, e que oqueira vndar, q he o mesmo que confirmalo na terra, e vndar he estando o souadiante do Gor peito por terra em sinal de Vassalamto asua Mage se lhe lança hua pouca de farinha por cima dele, e elle atoma cõ suas mãos, e se enfarinha polos peitos, e braços, e antão se tê porsenhor da terra, o Gouernador o manda yestir em acabando de se vndar conforme acalidade, e poder do soua, e o soua lhe prezenta o que quer, e da a quê lhelança a farinha, e a quë o veste, capitão da gda, secretario, eTendala, o que lhe parece, isto se pode leuar se o soua volutariamteo da, e se lhe não faz força porq responde ao dereito da confirmação,chancellaria, e mais dereitos que o Donatario paga pola confirmação, e tambê se poderá tomar o que o soua de sua propia vontade dá porq të por grande desprezonão lhe tomar o que por este modo dá porq cujdão que o tê por jnimigoleuantado, e porque quando lho aceita o Gouernador por outro modo lho satisfaz.

 

(Biblioteca da Ajuda, cod.5I-VIII-30 e 3l. Governo de Fernão de Sousa).

 

In “APONTAMENTOS SOBRE A OCUPAÇÃO E INÍCIO DOESTABELECIMENTO DOS PORTUGUESES NO CONGO, ANGOLA E BENGUELA” por Alfredode Albuquerque Felner

 

Nota: bem bramava o governador para Portugal, mas... sem qualquer controle pelo interior do país!

 

Mas não há como condenar esses homens entregues à selva, a si mesmos, numa selva inóspita, desconhecida e selvagem, daqueles tempos. É ver o que fizeram, em ambientes muito mais “humanos”, os espanhóis perante uma civilazação avançada, os imigrantes americanos face aos índios, os boers na África do Sul, os racistas brancos na Índia e África inglesa, etc.

 

Sem mais comentários!

 

6/DEZ/11

 

 Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D