Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

CHEGOU O OUTONO ESPERADO!

 

 

O Brasil vive uma nova estação, o Outono de 2013.

 

Outono, estação que faz a transição entre o calor e o Inverno, vem dar o tom em novos tempos, quando a natureza se refaz a seu modo. Quando folhas velhas caem, para que nasçam novas, na sequência elementar da vida.

 

Nós todos desta Nação vemos e sentimos agora, com delicioso sabor, as mudanças que chegam e se aconchegam no seio do nacionalismo, para ficar.

 

Estes novos tempos possuem nomes, endereços, formas e características próprias.

 

Esperança ainda que tardia, brademos bem alto e bom som.

 

Fomos ao longo de anos e anos, o país do futuro.

 

Um futuro que se perdia e ainda se perde a cada amanhecer, nas filas intermináveis dos hospitais, sob a dor de irmãos desafortunados. E se vendo impotentes, passar a chance de cura e salvação, onde se morre sem nenhuma assistência, onde cidadãos do bem são tratados como animais.

 

Um futuro que se perdia e ainda se perde nas salas de aulas, sucateadas, poucas, diante da real necessidade, com mestres que deveriam ser respeitados por sua abnegação, serem vilipendiados por salários medíocres e de forma brutal e desumana, serem aterrorizados por alunos inescrupulosos.

 

Mas são de menores, à margem das leis e protegidos por defensores do nada. Há de se pensar na redução da maioridade imediatamente. O povo clama e exigirá.

 

Um futuro que se perdia e ainda se perde, na insegurança instalada de norte a sul, onde bandidos e facínoras possuem benesses inexplicáveis, amparados por leis imbecis, fazendo a todos, seus reféns.

 

Futuro também no abandono das forças militares do glorioso Exército Nacional, que sempre honraram a Nação e de policiais federais, militares e civis, ardorosos defensores da população, que sempre estão à disposição da sociedade, na defesa de um bem divino chamado “vida”, objecto tão descartável neste momento nacional.

 

O que se falar do futuro que se perde na covardia de se locomover para o dia a dia do trabalho e casa, na busca da sustentação ao lar, em transportes colectivos miseráveis, qual carregamento de porcos, passagens caras e que merece toda nossa repulsa?

 

E este volume de dor e sofrimento, se alastra mais ainda, quando vemos mistos de políticos e bandidos, ditos mensaleiros, não serem punidos com a força da lei, da ordem e da moral. A nação clama e exige prisão já.

 

Futuro que se perdia e ainda se perde e continua a ver o amanhecer cinzento dos aposentados, ilustres e dignos construtores de uma verdadeira e honrada Nação, serem esquecidos e vilipendiados pelo Governo Federal. Que país é este, que despreza quem o criou e o fez crescer?

 

Que futuro é este que protege, por bolsas duvidosas, pessoas que se aproveitam do statu quo oficial, para criar bolsões constantes de miséria, comércio de drogas e prostituição? Trabalhar para quê, pois temos o paternalismo covarde e crescente nos trópicos?

 

E nossa indignação cresce mai, ao vermos que tanto dinheiro público se faz jogado nos bueiros oficiais, da covardia nacional, do desrespeito, da malversação, do roubo às claras e engendrados na calada da noite, em gabinetes pomposos ou salas de hotéis cinco estrelas.

 

Um país que se vangloria de três eventos bilionários seguidos, subserviente a determinações estranhas, que exigem mudanças nas pessoas e ordens internas à custa da dor, do abandono, da desordem, da indigência de enorme fatia da população, agora aturdida e vendo onde se meteu. Tudo à custa de imagens políticas duvidosas.

 

As manifestações que se alastram pelos quatro cantos do país são nada mais que o reflexo e resultado da sequencia desastrada de actos perniciosos que agora se aproximam do fim.

 

Foi preciso que um ministro das leis, mineiro, negro, homem de brio e bem ganhasse notoriedade por sua correcção de postura, para que algo começasse a acontecer na terra de ninguém.

 

As passagens dos transportes colectivos foram a gota d'água.

 

Um fanático e membro do governo perguntou, “segundo a mídia diz”: mas o que está havendo, o que eles querem?”

 

Perguntas que não devem ser respondidas diante de tamanha mediocridade.

 

Ao contrário do que se disse em Brasília, não são somente estudantes, como se a expressão "só estudantes" fosse pejorativa ou questionável.

 

Não, Senhores, vocês estão cegos, junto aos estudantes que desfilam as suas reacções, estão aposentados, professores, profissionais liberais de toda a ordem, empresários, servidores públicos numa grita nacional uníssona.

 

Não há como voltarmos atrás.

 

Agora, faltam manifestações para a saúde, a educação, segurança, ordem geral, gasto público honesto, respeito às instituições e muita cidadania e punição aos bandidos, doa a quem doer.

 

A luta deve continuar com foco também no fim do voto obrigatório, que faz a cada eleição, a alegria e a riqueza dos currais eleitorais, antro de corruptos e inimigos da Nação decente.

 

Mas antes de tudo, manifestações gerais com civilidade, disciplina, organização sem desordem, sem vandalismo, mostrando a todos que os tempos são outros.

 

Excluam os anarquistas, entregue-os sim aos policiais e marchem com estes defensores, que também sofrem como todos nós.

 

O mundo assiste perplexo ao Brasil a sair da inércia e saltar para o futuro. A Nação cansada e explorada, dá hoje o seu grito de "acordei".

 

Muitos Verões, Invernos e Primaveras se passaram, tecendo teias e cultuando poeira de tempo, nos limites dos Outonos, que chegariam, tínhamos certeza.

 

Chegou finalmente o Outono verde e amarelo de 2013.

 

Agora, é prosseguir na caminhada, pois o povo possui a força que muda a Nação, constrói novos rumos e desenha horizontes esperados.

 

Estamos começando a ter de novo orgulho de dizer "sou brasileiro".

 

Outono: tempo de transformação, de preparo para novas vidas.

 

 Geraldo «Gêgê» Angelino

Bacharel em Direito

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D