Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

ABERRAÇÕES É CONNOSCO

 

É de Vasco Pulido Valente, o artigo «Uma aberração» saído no Público de 22 de Junho. Trata da formação “política” das juventudes partidárias, ao que parece, apenas instigadas a uma autopromoção futura que as catapulte ao poder, para isso enredadas na teia de ligações próprias de cada partido, venerando os chefes e limitando a sua visão do universo cultural à doutrinação fanática do seu partido:

Um grupo de oito deputados, todos presumivelmente produto da JSD, resolveram perguntar ao ministro da Educação quanto custavam os sindicatos de professores, supondo que para demonstrar que o Estado não conseguia suportar essa tremenda despesa. O que tem feito este governo e esta maioria quase não merece comentário. Mas não deve haver um único Parlamento no mundo civilizado em que esta cena espontaneamente se passasse. Gente como os meninos da JSD não está na Assembleia da República, está num jardim infantil muito bem guardado à espera de chegar à idade adulta. Era possível escrever tratados sobre a ignorância, a inanidade e o ridículo dessas criancinhas, se o esforço aproveitasse alguma coisa aos pobres portugueses que as vão aturando e, já agora, a elas próprias.

De qualquer maneira, vale a pena investigar quem as preparou para as responsabilidades que hoje são as delas. A JSD (de resto como a JS e a JP) admite militantes desde os 14 aos 30 anos. Por outras palavras, pega num adolescente, ou num pré-adolescente, e daí em diante não o larga até ele se tornar num homem ou numa mulher. Isto lembra regimes de má memória que faziam o mesmo: a ditadura de Salazar, a de Mussolini e a de Hitler para já não falar dos “Pioneiros” da URSS e da Europa de Leste. “Juventudes” deste género sobrepõem à educação da família uma educação política forçosamente facciosa e com certeza não lhes custa formar segundo as suas conveniências criaturas que não chegaram ainda à maturidade fisiológica, intelectual, moral ou profissional. ´´E um exercício de abuso de menores, que a lei não condena.

Imersos na intriga perpétua da instituição pelo favor do “chefe” ou de alguma facção transitoriamente dissidente, adquirem depressa uma cultura muito próxima da cultura dos bas-fonds e um saudável desprezo pela realidade. Seria sem dúvida um serviço ao país proibir as “juventudes” dos partidos de receber membros de menos de 18 anos e de os conservar para além dos 25: como quem reprime uma tendência antidemocrática e deletéria numa sociedade equilibrada ou, pelo menos, que se esforça e gostava de ser melhor do que parece.

Creio que tem razão na essência, Vasco Pulido Valente. Uma essência que nos define no oportunismo, na mediania intelectual, no empenho como meio ascensional, na tagarelice mexeriqueira tantas vezes malévola. Mas exagera na referência a uma “sociedade equilibrada ou, pelo menos, que se esforça e gostava de ser melhor do que parece». Nem sei mesmo a quem, com essa frase, Pulido Valente pretende lisonjear, numa banal e irrisória - por inesperada, vista a sua férula afiada - demonstração de democratismo piedoso. E apiedado , de sensibilidade ao "coitadinho".

E quando Pulido Valente coloca no mesmo plano juvenil Passos Coelho, relembro outras figuras da nossa realidade política sénior que, quer se tenham formado nas universidades do país ou de outras formas menos escrupulosas de formação superior, se pautaram pela irrelevância ou inanidade de actuações, pela pura arrogância menosprezadora que nos apouca, ou pelo descaro de comportamentos de vigaristas condecorados.

Passos Coelho, diz-se, reduziu o povo à miséria, sendo culpado de todos os males do país. Eu vejo no seu trabalho, que conheço através das mensagens positivas dos seus discursos, a figura de um homem que se rodeou de gente com um objectivo comum – o de libertar o país da dívida monstruosa, impondo ao país oneração estridente, com aumento de desemprego, abaixamento de vencimentos, crescimento de impostos…

E é nisso que se fala, e nas promessas de uma melhoria sempre adiada, pois, ao contrário do que dizem os principais do governo que vai suceder, o que sucede mesmo é o aumento do défice, o que provoca manifestações, greves arregimentadas pela esquerda histérica e histriónica, e o PS - que também é esquerda quando convém, embora com mais gravidade na compostura - esquecido daquela época do Copcom, de ressaibos stalinistas, ou maoistas, ou de outros chefes mais próximos.

Tem razão, na apreciação que faz, Vasco Pulido Valente sobre a formação de Passos Coelho. Mas eu gosto de o ouvir, assim como a alguns parceiros seus tão alarvemente caricaturados. Acredito neles, nas suas boas intenções, nos seus parcos êxitos, que todos os outros se apressam açuladamente a denegrir, desculpo a sua pouca prática política, por amor à seriedade de um objectivo honesto e corajoso que a todos devia mover. E não naquilo que fazemos – contribuir para a destruição, com a deseducação que fomentamos num povo já deseducado, contribuir para dificultar a acção económica governativa, travando o país. Mas acusando sempre, em raiva crescente, responsabilizando exclusivamente este governo, esquecidos dos precedentes.

Não me parece justo mas antes puro sofisma de mistura com muito cinismo.

 Berta Brás

 

3 comentários

  • Imagem de perfil

    Henrique Salles da Fonseca 30.06.2013 09:07

    RECEBIDO POR E-MAIL:

    O que me pareceu sempre é que é necessário pagar as dívidas e que este governo parece esforçar-se por saldá-las. Aliás, outra coisa não poderá fazer, embora, caso consiga, eu julgue que outros governantes que virão depois continuarão a soterrar-nos sob o peso de outras novas, numa de tudo ao molho e fé em Deus. Não nos falta fé, pelo menos, pois temos Fátima a ajudar a mantê-la. Mas o que é positivo é que o Dr. Luís Santiago ultrapassou os seus problemas de saúde com a mesma força com que escreve. Um abraço.
    Berta Brás
  • Sem imagem de perfil

    Luís Santiago 30.06.2013 12:30

    Sra. Professora,
    Não questiono o seu texto nessa parte de termos de honrar os nossos compromissos. Não tenho dúvidas de que o Governo é constituído por Homens honestos e bem intencionados, muito embora tenha errado nas opções que tomou para honrar os compromissos. O factor financeiro interage com a Economia, sobretudo com as Leis do mercado. Não havendo interacção dos fluxos financeiros com a Economia, não há procura e suspende-se a oferta. Isto qualquer sabe, por instinto, mesmo que não tenha cultura económica ou qualquer outra. Quando, por exemplo, um qualquer gestor escolhe só uma parte da empresa para a estimular e lhe tira o dinheiro para reinvestir está a fazer asneira porque a empresa tem de ser tratada como um todo homogéneo. Optando por esta gestão a empresa "morre". O mesmo se passa com as opções do Governo. Não está em causa que tenha encontrado uma situação mais caótica que devemos ao filósofo parisiense. Está em causa, o erro político de o livrarem das responsabilidades dele com a rejeição do PEC 4, que já tinha dado para perceber a salganhada em que nos encontrávamos e virem dizer-me como eleitor que iam tomar as opções certas. E considero opções certas terem acabado com as gorduras que o actual Presidente da República apelidou "monstro" e que todos os partidos andam a alimentar desde o 25 da Abril. Também, não estou contra a existência de partidos, como é evidente. A Democracia precisa deles, mas, extirpando-lhe os actuais vícios. Que houvesse desemprego dentro do aceitável são danos colaterais que se compreendem. Que todos fossem chamados a contribuir com uma parte dos seus rendimentos de trabalho ou pensões tudo bem, mas, quando se constatou o erro de políticas não saudáveis deveria ter tido a coragem de mudar de rumo: Mas. não! reconheceram-se os erros tarde e a más horas. E, além disso, mais recentemente optou-se pela prática pouco saudável da prepotência e dou-lhe como exemplo os subsídios de férias. Há dinheiro, mas eu é que mando e por isso é só em Novembro que pago. Os portugueses não mereciam um ligeiro desaperto do cinto face ao seu comportamento revestido de paciência, compreensão e civismo, (?) . E continua a manter a situação dos privilegiados em que não se toca. Bancos vendidos por tuta e meia a outros bancos. Bancos a que se protegem com reforços financeiros quando, na minha opinião deveriam, pura e simplesmente, ter-se deixado falir. Ai o sistema financeiro internacional! dizem-me. O sistema financeiro internacional tem automatismos próprios para se defender. Veja-se, por exemplo, da catástrofe internacional causada pelas práticas americanas do subprime. Ainda há alguns efeitos mas estão praticamente absorvidos. Porque é que temos nós de pagar as asneiras e usos impróprios que os bancos fazem do dinheiro que está à sua guarda? Alguém que faça um mau negócio e vá à falência terá de ser suportado por aqueles que não têm nada a ver com o assunto? Senhora Professora, as minhas desculpas por estar a abusar da sua paciência. Não pretendi ousar a arrogância de lhe estar a dar lições. Nunca o faria. Mas, aproveito, apenas, este fórum para alargar um pouco mais o meu pensamento sobre o que se passa. Agradeço-lhe a sua manifestação a respeito da minha saúde, mas, com calma chego lá. Os meus respeitosos cumprimentos,
    Luís Santiago
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Mais sobre mim

    foto do autor

    Sigam-me

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2005
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D
    209. 2004
    210. J
    211. F
    212. M
    213. A
    214. M
    215. J
    216. J
    217. A
    218. S
    219. O
    220. N
    221. D