Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Coronel Rowan

Quando em 1898 rebentou a guerra entre Espanha e os Estados Unidos, foi necessário entrar rapidamente em contacto com o chefe dos insurrectos cubanos, o General Garcia (1), que se encontrava algures nas montanhas agrestes da ilha sem que alguém fizesse a mínima ideia de onde o encontrar. Não havia correio nem telégrafo e o Presidente americano, Mac-Kinley (2), tinha que o contactar com a maior urgência. Alguém disse ao Presidente que a única pessoa que talvez conseguisse encontrar o General seria um homem chamado Rowan (3). Mandado chamar, apresentou-se na Casa Branca, recebeu do Presidente uma carta para entregar a Garcia, guardou-a, fez-se ao mar, desembarcou de noite numa pequena enseada cubana e internou-se no mato. Passadas três semanas, depois de atravessar a pé um país hostil e de ter entregue a carta ao General, saiu pelo outro lado da ilha onde alguém o recolheu e levou de volta aos Estados Unidos. Não interessa saber o que ele fez para entregar a carta; o importante é notar que Mac-Kinley confiou a Rowan uma carta para entregar a um destinatário em parte incerta e o Coronel não fez perguntas sobre o paradeiro do General. Quem já liderou outras pessoas sabe o que é a falta de vontade para concentrar esforços e cumprir uma missão; quem já liderou sabe o que é a cooperação deficiente, a falta de atenção, a indiferença, o entusiasmo medíocre. Eis a regra por cuja causa não há triunfo sem algum tipo de ameaça ou suborno. Experimente-se pedir a um funcionário administrativo que consulte um processo e que redija um resumo. Começará logo por perguntar para que queremos o resumo, que aspectos consideramos importantes e não nos abandonará sem perguntar qual o grau de urgência. Não quereremos que traga o processo para vermos directamente o que possa interessar-nos? De seguida irá junto de colegas procurar ajuda e tentará mesmo que outra pessoa faça o trabalho. Depois de mais algumas perguntas intercalares que por certo colocará, havemos de concluir que será mais prático sermos nós próprios a fazer o trabalho que havíamos pedido. Se incumbirmos de um recado àquele outro funcionário, quantos “cafés” tomará pelo caminho? Lembrar-se-á do que tinha para fazer quando chegar ao destino? Há quem traga consigo a vã suspeita de que é sistematicamente oprimido pelos chefes e esse sentimento assume tais dimensões que facilmente se transforma em mania da perseguição; a esse, ninguém que o conheça dará emprego porque sabe que ele é um facho aceso de descontentamento. A lamentação da sorte dos oprimidos nas fábricas e dos sem abrigo que procuram emprego honesto é habitualmente acompanhada de duras palavras em relação aos que estão no poder mas ninguém lamenta o envelhecimento precoce daquele a quem compete dirigir empregados que fazem o mínimo possível ou que esperam que ele volte costas para deixarem de fazer seja o que for. Se as empresas pudessem depurar constantemente os maus elementos, a competitividade económica nacional seria bem mais elevada pois não haveria qualquer possibilidade de confundir empresa com asilo. Com este tipo de voluntarismo, só um capataz armado de garrote e o medo do despedimento induzem os abúlicos ao cumprimento dos mínimos. Se os homens não agem por si próprios, que fariam quando o benefício dos seus esforços individuais se destinasse à colectividade? A incapacidade para a acção independente, a fraqueza da vontade e a falta de disposição para pôr mãos à obra, conduzem o socialismo puro para o campo da utopia. Quando a maioria mostra piedade pelos incompetentes, é chegado o momento de aparecer alguém que dedique uma palavra de simpatia àquele que triunfou, que venceu os maiores obstáculos e que, chegado ao fim da missão, verificou que apenas ganhou alimentos e roupa. Não há excelência na pobreza; os andrajos não servem de recomendação. Nem todos os chefes são rapaces e arbitrários assim como nem todos os pobres são virtuosos. Ergo a minha taça em louvor daquele que, quando se lhe entrega uma carta para Garcia, obedientemente lhe pega sem fazer perguntas desnecessárias e sem a intenção oculta de a deitar na valeta mais próxima – a esse nunca falta trabalho nem precisa declarar greve para obter salário mais elevado. É desses de que necessitamos em larga escala; tudo quanto peçam, deve ser-lhes concedido. Eis, pois, um exemplo para todos nós e em especial para a juventude. O importante não é sabermos muitas coisas mas sim que adquiramos serenidade perante os problemas, que sejamos leais e actuemos com rapidez. NOTA: Texto adaptado de “Uma carta para Garcia” escrito em 22 de Fevereiro do último ano do século XIX pelo americano Elbert Hubbard (1856 - 1915) por me parecer perfeitamente actual neste Portugal dos primeiros anos do século XXI. (1) Major-General Calixto Ramón Garcia Iñiguez (1836 – 1898) (2) William Mac-Kinley (1843 – 1901) (3) Coronel Andrew Summers Rowan (1857 – 1943) Lisboa, Março de 2004 Publicado em 19 de Março de 2004 no Suplemento de Economia de "O Independente"

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D