Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

A HISTORIA DO DESIGNIO NACIONAL


 Portugal começou a ter a "noção de império" com o nosso monarca D. João II, quando adoptou a "Doutrina do Mare Clausum", isto é, ninguém podia navegar nos mares descobertos pelos portugueses, sem autorização do rei de Portugal, e a "Politica de Sigilo",em que ninguém podia divulgar os mares onde Portugal navegava nem dar a conhecer a cartografia portuguesa.

O próprio Tratado de Tordesilhas só foi possível alargar o espaço a nosso favor, contrariamente ao que pretendiam os Reis Católicos de Espanha, pelo conhecimento que possuímos das regiões onde as nossas naus sulcavam os mares.

Esta noção ou a "questão colonial" nunca esteve ausente das nossas revoluções e o titulo atribuído a D. Manuel I apenas consolida essa noção, alargando o titulo simples de D. Afonso III, Rei de Portugal e dos Algarves, até ao de Senhor do Comércio e da Navegação, da Guiné, da Arábia, da Pérsia e da Índia.

Vejamos as nossas revoluções principais e acontecimentos históricos sempre ligados ao problema colonial.

Comecemos por 1640 que levou à expulsão de Filipe III de Portugal e IV de Espanha. A governação filipina tinha abandonado a defesa das nossas colónias e uma parte do Brasil, de Angola e de S. Tomé já se encontravam na posse dos holandeses. Assim, fez-se a revolução não só para expulsar o Filipe, mas também para recuperar esses territórios. Os próprios " colonos brasileiros" libertam o Brasil e pagam as despesas da armada de Salvador Correia de Sá e Benevides que vai libertar Angola. Os holandeses abandonam S. Tomé, quando têm conhecimento da queda de Angola. Voltava, deste modo, à posse portuguesa o "Triângulo da Escravatura".

Vejamos a Revolução de 1820 dirigida pelo Juiz Desembargador do Tribunal da Relação do Porto, Manuel Fernandes Tomás, com o apoio da Loja Maçónica Sinédrio. A intenção da revolução não era apenas expulsar o inglês William Beresford, substituir a Monarquia Absoluta pela Monarquia Constitucional, mas havia igualmente subjacente uma "questão colonial".Estamos convencidos que já em 1817,com a tentativa do General Gomes Freire de Andrade, enforcado nos Campos Mártires da Pátria, havia as mesmas intenções. A Família Real abandonara Portugal, quando das Invasões Napoleónicas, a caminho do Brasil. A longa permanência neste território levou à elevação do Brasil à categoria de Reino. As transacções comerciais já se faziam directamente com a Europa sem passar por Portugal, o que prejudicou claramente os interesses burgueses do nosso país. A Família Real foi obrigada a regressar a Portugal e o Brasil voltou a ser colónia, sendo restabelecido o anterior circuito comercial. É verdade que foi de curta duração, pois o Grito do Ipiranga levou à Independência do Brasil em 1822 e ao seu reconhecimento em 1825.

Analisemos a implantação da República em 5 de Outubro de 1910.Ela resultou das dificuldades de governação da Monarquia Constitucional, mas igualmente derivou dum "problema colonial", relacionado com o Ultimatum Inglês de 1890 ou com a "Questão do Mapa Cor de Rosa".O território entre Angola e Moçambique era pertença de Portugal, onde tínhamos uma pequena presença militar. O território era conhecido pelo Chire, nome do rio, e que dava acesso ao Chinde. A Inglaterra pretendeu construir uma linha de caminho de ferro, desde o Cabo até ao Cairo, a qual atravessaria a região citada. Deu 48 horas ao nosso Rei D. Carlos para abandonarmos aquela região, pois ser-nos-ia declarada guerra, se o não fizéssemos. O monarca cedeu, mandando retirar a força militar. Os partidários da República aproveitaram a fraqueza do monarca e armaram a mão do Buiça, que assassinou o Rei e o filho mais velho Luis Filipe, ferindo também D. Manuel, no Terreiro do Paço, quando o monarca regressava duma caçada em Vila Viçosa. O novo Rei não resistiu à Revolta de 5 de Outubro de 1910,onde a Loja Maçónica Carbonária teve real influência.

Aproveitemos também o caso da Primeira Guerra Mundial relacionada com as colónias portuguesas. A Primeira República, durante o conflito, sempre defendeu os nossos territórios de África duma possível investida alemã. Por esse motivo, Afonso Costa foi à Conferência de Versailles, depois do final da guerra, exigir o pagamento de indemnizações de guerra à Alemanha, citando a nossa presença em La Lys e a defesa das colónias portuguesas. Na primeira República apenas um deputado fez uma proposta da venda de Angola, que foi rejeitada.

Passemos à Segunda Guerra Mundial. Salazar adoptou a "neutralidade colaborante" no conflito, que os portugueses aplaudiram e agradeceram.

Procurou, desta forma, em caso de vitória ou dos Aliados ou do Eixo poder preservar o "império colonial".Vislumbrando a vitória aliada, cedo influenciou favoravelmente os Aliados para a questão da preservação do império e a concessão da base dos Açores aos americanos insere-se na ideia da defesa e da preservação do império português.

As promessas dos aliados aos povos que ajudaram no conflito foram as independências das colónias. Chamaram a esse facto os "Ventos da História". O termo "colonização", de forte conotação cultural e civilizacional, foi substituído por "colonialismo",com implicações "imperialistas" de domínio e exploração. A colonização é posta em causa precisamente pelos países, de grande potência militar, nomeadamente a ex-URSS, os USA, a China e vários países europeus. Duma forma geral, todos possuíam colónias, a que chamavam zonas de influência estratégica. Sobressaíam a URSS com os países satélites sob o seu domínio e os USA também com "la main mise" sobre países tutelados politica e economicamente.

Fazem-se descolonizações apressadas, a chamada segunda vaga de descolonizações, depois de alguns conflitos com os descolonizados e a normalidade nunca mais voltou aos novos independentes, onde predominaram ditaduras cada vez mais sanguinárias.

Portugal recusou a independência das suas colónias ou das suas Províncias Ultramarinas ou Estados, dentro do princípio do seu "DESIGNIO NACIONAL" que já vinha desde D. João II.

O Estado da Índia é invadido pelas tropas do Pandit Nehru e Goa, Damão, Diu, Dadrá e Nagar Aveli são ocupados pela força, apesar da heroicidade dum Aniceto do Rosário ou de termos ganho a questão da Índia no Tribunal da Haia. O direito da força sobrepôs-se à força do direito.

Em 4 de Fevereiro de 1961 e 15 de Março do mesmo ano, Angola sofre o ataque à esquadra da policia da Estrada de Catete por elementos afectos ao MPLA e ao ataque terrorista da UPA, mais tarde FNLA, no norte de Angola, onde foram chacinados barbaramente cerca de cinco mil portugueses, desde brancos, mulatos e negros, o que levou ao primeiro êxodo de Angola para Portugal. Seguiu-se depois Moçambique e Guiné-Bissau. Tudo isto aliado à "pirataria" do navio Santa Maria, com Henrique Galvão.

Salazar, dentro do princípio do "DESIGNIO NACIONAL" recusou ceder às pretensões do General Botelho Moniz, em 1961, para o demitir e entrar em negociações com os terroristas. Dá-se o ataque ao Quartel de Beja por elementos da oposição em nome da luta contra o fascismo. Juguladas as intentonas, Salazar assume o "rapidamente e em força para Angola".

Começa a Guerra Colonial ou do Ultramar.

Em Abril de 74 a revolução é anti-colonial e a guerra de 13 anos termina.

Adopta-se um processo de descolonização que configura traição à Pátria e aos povos descolonizados. Os seus autores chamaram-lhe "descolonização exemplar".Como não tivesse sido passaram a denominá-la como "descolonização possível" para finalmente ter sido uma "tragédia" como a definiu Melo Antunes, quase à hora da morte.

O processo de descolonização cingiu-se a passar o poder de Portugal para movimentos comunistas, como o PAIGC, o MDLSTP, o MPLA, a FRELIMO e a FRETILIN, desprezando-se outros movimentos como a UNITA e FNLA, a RENAMO ou a UDT e APODETI.

A guerra continuou em Angola, em Moçambique e em Timor e na Guiné têm-se sucedido golpes de estado.

Amputar o espaço geográfico e económico num ano criou a indigência de Portugal e situações ditatoriais nos descolonizados.

Terminou, da pior maneira, o DESIGNIO NACIONAL" e a guerra de 13 anos não estava de molde a fazer-se o entreguismo miserável que se praticou. Havia dificuldades ainda na Guiné, porque perdêramos o controlo do ar, mas em Angola a guerra estava ganha e Moçambique para lá se caminhava.

O DESIGNIO NACIONAL hoje é a UE. Enquanto foi fornecedora de dinheiro a UE foi o tesouro de Ali Babá. Hoje apenas restam os ladrões e os portugueses que aplaudiram o fim da Guerra do Ultramar atiram-se ferozmente a quem nos quer impor uma disciplina orçamental para evitar que continuemos a ser apenas dissipadores.

Mas quem é que quer fazer sacrifícios nos tempos que decorrem, quando habituaram os portugueses à riqueza virtual???

 

 Isaías Afonso

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D