Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

PRIMAVERAS

 

 

 

Quando Marcelo Caetano chegou ao poder e fez uma tentativa de "abertura de regime", chamou-se a esse período a "Primavera Marcelista". Foi de curta duração porque os ultras não permitiram largueza de horizontes políticos, talvez por recearem as consequências da abertura a uma esquerda esquizofrénica como aquela que temos nos nossos dias sem qualquer consideração pela situação do país.

Sabatino Moscati, na sua obra L'Orient avant les Grecs, chamou "Primavera dos Povos" às movimentações das populações na ocupação de melhores espaços para a sua sobrevivência, semelhante às migrações, cujas populações procuram melhores condições de vida para si e seus familiares.


 

Na antiga Checoslováquia de Alexandre Dubcek, também o governante tentou a sua "Primavera de Praga", procurando um "socialismo de rosto humano", o mesmo é dizer, fugir do comunismo puro e duro e encontrar um socialismo de cariz democrático. Foi Sol de pouca duração porque o Pacto de Varsóvia não permitiu veleidades e o Primeiro Ministro foi depressa transformado em jardineiro em Bratislava.

No norte de África sopraram os ventos da "Primavera Árabe", desde a Líbia à Tunísia e Egipto afastando ditadores os quais mantinham em respeito a infiltração islamita no poder. Realizada a abertura, depressa se esfumou a esperança e a "Primavera Árabe" parece ter-se transformado no "Inverno Árabe", com a continuação de revoltas e atentados a opositores ou a chegada ao poder de facções fundamentalistas religiosas.


A intervenção da França e da Inglaterra no caso líbio, com apoio na retaguarda dos americanos, haveria de ocasionar o caos no país permitindo que muçulmanos radicais se apoderassem de armamento e tecnologia militar sofisticadas, as quais puseram em perigo a segurança europeia dado que os "jihadistas" passaram a possuir e a dominar mísseis solo/ar portáteis Milão ou SAM7, lança-roquetes RPG, metralhadoras pesadas, etc.


Esta "Primavera Árabe" tem sido um pesadelo de tal forma que a França continua a intervir no Mali para evitar a criação dum Estado Terrorista Islamita, sob a direcção da AQMI, um dos braços da El Qaeda. Não evitou o assassinato do Embaixador americano na Líbia ou o ataque a um avião de passageiros israelita no Quénia com os mísseis referenciados, mas que o aparelho escapou por possuir tecnologia infravermelha que os detectou ou os casos de Toulouse do modelo de "célula terrorista adormecida" despertada para acção ou mais recentemente os casos de atentados em Londres e na Defense em Paris.


Parece então que as diferentes "Primaveras" nunca atingiram objectivos desejados e de acordo com a esperança que as envolveu. Em termos de tranquilidade e paz, têm sido um desastre, excepto para "terroristas encartados".


Em Portugal, nem a Primavera, enquanto estação do ano, nem enquanto politica fazem o seu reaparecimento. Baixas temperaturas, céu nublado, chuvas, ventos incómodos, fazem-na tardar e a Primavera Coelhista/Portista continua adiada, com os portugueses de novo embalados pelas promessas "Securitárias" dum (in)Seguro, que promete ser diferente para tudo ficar na mesma.

 

 Isaías Afonso

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D