Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

«ISTO É QUE ESTÁ UMA CRISE!!!...» – 1

 

 

Frase popular mas muito falsa porque o povo nem sempre tem razão.

 

Platão imaginou aquilo a que hoje chamamos «Democracia platónica» em que só os ilustrados tinham direito a voto e a serem eleitos; Mao Tsé Tung pensava mais ou menos o mesmo a ponto de afirmar que «o povo é o estrume em que germina a revolução».

 

O patíbulo ou a polé seriam destinos bem prováveis para quem hoje promovesse tais ideias. E bem!

 

Se os amores platónicos continuam por aí, estranho é que ainda haja maoistas a perorar ideias desse algoz chinês a cujas mãos sucumbiram milhares e milhares de vítimas apodadas de inimigas da sua revolução, leia-se, da sua política, leia-se, da sua liderança. Esperemos que tenha sido o último dos grandes assassinos dessa escória a que também pertenceram Hitler e Staline.

 

Quanto a Platão, as suas ideias são suficientemente antigas para se poder sempre argumentar com «outros tempos» e continuar a considerá-lo um idealista que não matou ninguém nem sequer tentou prejudicar alguém. Criou, conjuntamente com Sócrates e Aristóteles, a base da filosofia ocidental, a nossa e por isso o estudamos.

 

Mas tanto Platão como Mao não tinham razão.

 

Hoje, a nossa razão aponta no sentido da DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM cujo artigo 1.º proclama que «Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos; dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade.»

 

Bill Clinton

E os dias rolavam com alguma tranquilidade entre Platão e Mao em direcção à Declaração Universal até que certa manhã Bill Clinton se lembrou de que todos os americanos tinham direito a casa própria e, portanto, deveriam poder aceder ao crédito necessário a tal desígnio. Mexidos os «cordelinhos» considerados convenientes, eis o sistema bancário americano a puxar pelos cordões à bolsa emprestando dinheiro a quem lhe batia à porta para comprar casa.

 

Análise de risco? CREDO!!! QUE IDEIA PERVERSA!!! Ordens do Presidente e represálias inenarráveis para quem as não cumprisse.

 

Mas era já então claríssimo que muitos desses novos clientes não mereciam o crédito que lhes estava a ser concedido pois não tinham rendimentos regulares que lhes permitissem servir a dívida que estavam a constituir. E como banqueiro pode ser sovina e até agiota mas estúpido é que não é, vá de “pôr as barbas de molho” alienando vastíssimas carteiras desse crédito mal cheiroso como se fossem fillet mignon. E houve quem enfiasse esses barretes pensando que ficaria bem na fotografia. Não contente com o mercado doméstico, eis como a América virou exportadora de barretes com destinos urbi et orbi. Ter créditos na América é coisa fina, digna do curriculum de qualquer gestor não americano.

 

Bastou chegar a data de vencimento desses créditos para se começar a perceber que o fillet migon, afinal, equivalia apenas ao conteúdo das tripas à moda do Porto antes de lavadas.

 

Içadas as mãos às cabeças airadas que compraram gato por lebre, zangaram-se as comadres e descobriram-se algumas verdades: o dolo de alguns foi uma das descobertas alcançadas.

 

Dolosos caídos em desgraça, vá de tentar salvar as vítimas papalvas pelo que o Tio Sam decidiu criar os fundos que lhe pareceram suficientes para evitar o colapso de algum do seu «state» em perigo de não mais ser de «wellfare».

 

Mas a política monetária americana é diferente das homólogas europeias – tanto as de intra como as de extra Eurolândia – pelo que do lado onde nasce o Sol não foi possível pôr as rotativas a trabalhar em horas extraordinárias sob a protecção de um Petroeuro inexistente havendo que deglutir o lixo americano que para cá fora vertido a somar àquele que por cá tinha sido criado como fazem os macacos de imitação.

 

Estávamos nós, europeus, em plena reciclagem (consolidação, reintegração, amortização, chame-se-lhe como quiserem) dessa primeira carrada de lixo quando constatámos que por cá havia outro tipo de porcaria (bem grande, aliás), o das dívidas públicas. Por cá, o wellfare americano chama-se Estado Social mas com uma diferença fundamental: os americanos habituaram-se a viver confortavelmente como consequência da sua própria iniciativa empresarial; os europeus habituaram-se a viver bem como consequência das benesses públicas distribuídas pelos políticos que assim compravam votos para se manterem no poder.

 

Dito mais prosaicamente: na América os gatunos foram os privados, na Europa não.

 

Até na gatunagem os americanos são mais liberais do que nós, europeus.

 

E em Portugal?

 

Ah! Isso fica para mais logo...

 

Lisboa, 10 de Junho de 2013

 

 Henrique Salles da Fonseca

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D