Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

Nicolau, Príncipe Esterházy

Quando o jovem Haydn foi convidado a ingressar na Corte de Paul Anton, Príncipe Esterházy, deve ter julgado que ia ter uma vida calma que lhe permitiria ir compondo e tocando ao longo daquilo que qualquer artista ainda hoje considera uma vida tranquilamente produtiva, ou seja, sem calendários nem grandes compromissos para além dos inerentes a algumas récitas na Corte. E, sobretudo, sem “stress”. Contudo, o patrão morre prematuramente e sucede-lhe o irmão, Nicolau, novo Príncipe Esterházy. Melómano, foi para este que Haydn compôs a maior parte da obra musical que lhe conhecemos mas, afinal, num regime de tempo mais que completo, submetido a um programa de dois concertos e duas récitas de ópera por semana, fora sessões extraordinárias como as que ocorriam sempre que havia uma reunião política em que a orquestra era chamada a amenizar o pesado ambiente que por certo envolvia as rebuscadas negociações no seio de Império sempre em convulsão como era aquele Austro-Húngaro. O ritmo era tal que os próprios instrumentistas faziam turnos de modo a que estivessem sempre cerca de 25 ao serviço, nomeadamente durante o ofício religioso de Domingo que era sempre musicado. O mesmo se passava com os cantores e só o maestro é que não tinha ninguém com quem alternar. Mais: tinha que se apresentar três vezes por dia ao Príncipe para receber ordens ou apenas para saber que não havia ordens a receber. A orquestra não podia estar sempre a tocar as mesmas peças pelo que as novas composições tinham que ser feitas e aquilo que começara como um agrupamento musical relativamente pequeno adstrito ao serviço da capela, foi-se transformando numa instituição que começou a ter vida própria em resultado das expectativas que à sua volta se iam criando. E essa relevância começou a pesar no bolso do Príncipe a ponto de que o prazer original se começou a transformar em preocupação chegando mesmo a provocar momentos de tensão na Corte que supostamente deveria descontrair. A hidra crescera e agora tinha que ser alimentada. Para que a pressão diminuísse na sua bolsa, Nicolau autorizou Haydn a compor para outros clientes mas finalmente acabou por ceder em toda a linha e teve mesmo que o deixar ir para a Corte de Londres por tempo indeterminado. O compositor voltou à Áustria alguns anos mais tarde e não há a certeza sobre se gostou sinceramente do monumento que o Príncipe entretanto lhe erigira. John Maynard Keynes convenceu o Presidente americano, Roosevelt, de que a crise que se estava a verificar pelo final dos anos 20 do século XX nos EUA deveria ser combatida com um vasto programa de obras públicas que relançasse o emprego e reanimasse as empresas de algum modo ligadas ao sector. A fundamentação prática da teoria do investimento fez escola e o instrumento das obras públicas passou a ser tocado com grande profusão atirando mesmo a análise da utilidade das obras para segundo plano. O argumento de que o “keynesianismo” é a forma de relançar a economia tem pesado o suficiente para que haja mesmo quem pense que a realização de muitas obras públicas é um índice de desenvolvimento quando, na génese, é o resultado da falta de genuíno progresso. Não é necessário recuarmos muito no tempo português para termos exemplos típicos deste tipo de políticas: as barragens hidroeléctricas, as auto-estradas, as grandes pontes, a política de habitação própria. Assim como no início não fiz juízos de valor sobre as composições de Haydn, também agora não teço comentários à utilidade das obras públicas exemplificadas. O que mais interessa é constatar que o “keynesianismo” deu azo à constituição de empresas de significativa dimensão que começaram por servir um Estado dinamizador de uma débil Economia mas que, entretanto, não tendo previsto a possibilidade de esse mesmo Estado se ver obrigado a reduzir despesas, consideram nacional uma crise sectorial e, mais concretamente, resultante da natural necessidade de redução de um défice público claramente excessivo. E o regresso ao “keynesianismo” numa fase em que a redução do défice público não está confirmada, significa que essas empresas deixaram claramente de servir o Estado para passarem a servir-se dele. Resta a esperança de que as obras a lançar sejam efectivamente úteis e que o investimento tenha algum retorno. A hidra cresceu e agora tem que ser alimentada. Assim como Haydn teria morrido à fome se não tivesse começado a compor para outros clientes e não tivesse mesmo acabado por ir para Londres, também as empresas portuguesas carentes da doutrina de Keynes deviam ter sido mais expeditas na busca de novos clientes dentro e fora de Portugal. Contudo, não seria justo que não lhes reconhecêssemos um mérito muito grande no combate que lideraram à popular mentalidade revolucionária dos anos 70 do século passado. Ao longo desta trintena de anos, a política de crédito à habitação por que tanto pugnaram, levada a cabo por sucessivos Governos, fez com tenhamos hoje uma das taxas europeias mais elevadas de habitação própria e já estamos mesmo a sobressair nas estatísticas de segunda casa. Como só é revolucionário quem nada tem a perder, quem tem casa própria deixa de embarcar em vanguardismos políticos que ponham a estabilidade patrimonial em causa. Não há dúvida de que se têm servido do Príncipe mas, afinal, também têm servido os súbditos de Sua Alteza. Mas isso não invalida a necessidade de redução do défice público e de lançamento do mercado de arrendamento de habitação. Lisboa, Abril de 2004 Publicado em 16 de Abril de 2004 no Suplemento de Economia de "O Independente"

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D