Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

CURTINHAS CX

 

Papel 3 - excel 0

 

v      Nenhuma economia de base contratual está livre de conflitos – e só não soçobrará se dispuser de esquemas que os resolvam com equidade e rapidez. O que é dizer, mesmo na era I a economia não dispensa uma dada organização política (“Estado de Direito”) com um Governo que forneça “bens públicos” - como sejam: justiça, ordem pública, regulação e supervisão.

 

v      Na era I o Governo é, afinal, a Empresa que detém o monopólio dos “bens públicos” (que também contam para o PIB real). E os impostos nada mais são que o preço pago por quem pode dispor desses “bens públicos”: as Famílias e as restantes Empresas. È um Governo à medida do “contrato social” - onde não há lugar para a intermediação fiscal que caracteriza a era II.

 

v      É claro que, ainda na era I, o Governo pode também lançar mão da intermediação fiscal, usando-a como aforro forçado para criar Empresas, investir, e, assim, aumentar o PIB real (desde que a economia não esteja em pleno emprego) – o que nos levaria a distinguir entre despesa e aforro (ou entre consumo e investimento). Como estou a descrever imagens soltas (as eras são uma representação estática da realidade), tal distinção é perfeitamente dispensável.

 

v      Na era II o Governo exerce a intermediação fiscal para transferir rendimentos das Empresas e das Famílias Activas com emprego para as restantes Famílias (rendimento de alguém, recordo, é a liquidez que a esse alguém aflui, por qualquer meio lícito, num dado período de tempo).

 

v      Com isso, o Governo não reduz o grau de dependência social, obviamente. Mas integra as Famílias Activas sem emprego e as Famílias Inactivas no processo de distribuição do rendimento – atenuando, dessa maneira, uma das causas que desencadeiam crises.

 

v      A intermediação fiscal, assim entendida:

(i) deixa praticamente intacto o PIB real, embora tenha influência na sua composição (por haver diferenças nas preferências individuais das Famílias) – e, consequentemente, no processo de produção (Empresas);

(ii) tende a ocupar o lugar de contratos que não envolvem qualquer espécie de intermediação, nem contam para o PIB real (como sejam: o arrendamento, o empréstimo, a participação no capital de Empresas, etc.).

 

v      Mas, ignoradas que sejam as diferenças nas preferências individuais e na propensão para aforrar, poucos efeitos terá no nível do emprego. É, apenas, uma maneira mais de a liquidez circular.

 

v      Dir-se-ia talvez que o Governo não tem como manipular e instrumentalizar o volume de mercadoria-dinheiro em circulação. Assim não é, porém. Se o Governo gerar excedentes orçamentais (por exemplo, não entrega às Famílias Activas sem emprego e à Famílias Inactivas a totalidade da liquidez que capta através da intermediação fiscal), o volume da mercadoria-dinheiro em circulação contrai-se em igual medida – e isso não deixará de afectar a procura interna, a actividade das Empresas e, por fim, o emprego.

 

v      Em sentido inverso, o Governo pode ter a tentação de aumentar o volume de mercadoria-dinheiro, adulterando-a (as célebres “quebras de moeda”, que tiveram em muitos dos nossos Reis exímios praticantes). Ao fazê-lo:

  • Aumenta a liquidez em circulação;
  • Apropria-se do correspondente rendimento (esta apropiação de rendimento que a liquidez adicional consubstancia designa-se por senhoriagem, termo com reminiscências medievais);
  • Expande a procura interna, mas não a oferta de bens e serviços;
  • Baralha a estrutura de preços que orienta as preferências individuais e a actividade das Empresas - o que terá efeitos visíveis no emprego (resta saber em que sentido).

v        Mas é na era III, com os Bancos, que a senhoriagem adquire grande protagonismo e surge:

  • Como um dos principais motores da actividade económica;
  • Como um factor determinante da distribuição do rendimento;
  • Como uma solução versátil para compatibilizar ciclos de tesouraria muito diferentes (das Famílias, das Empresas e do próprio Governo).

 

(cont.)

 A. Palhinha Machado

JUNHO de 2013

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D