Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

SER DE ESQUERDA EM PAISES DE REGIME CAPITALISTA



 

 

Fala-se hoje de novo em "rush migratório"como se, no passado, tal movimentação populacional não fizesse parte da estrutura económico-social portuguesa.

Lendo a tese de AS DUAS POLITICAS NACIONAIS, de António Sérgio, logo nos apercebemos desse fenómeno, pois o autor cita Duarte Ribeiro de Macedo, na sua obra Da Introdução das Artes Neste Reino, de 1647, em que sobre a Politica de Fixação afirma que "Nemo nos Conducit", isto é, ninguém nos conduz, ninguém emprega os nossos braços e daí a mórbida Emigração.

Compreende-se perfeitamente a razão pela qual prevaleceu a Politica de Circulação ou Transporte que nos levou à Epopeia dos Descobrimentos, que veio a constituir o nosso espaço económico-geográfico durante cerca de 500 anos.

O sacrifício para o manter foi obra dos portugueses do passado, mas o presente não sentiu essa vontade indómita e levado pelos apelidados "Ventos da História" cedeu essa nossa força no mundo, que metia inveja.

Quando o presente foi chamado a defender o sacrifício do passado, respondeu quase um milhão de jovens, enquanto outros preferiram a fuga ao compromisso e outros ainda quiseram engrossar o fenómeno do "rush" saindo do país para encontrar melhores meios de sobrevivência.

A década de sessenta do século passado marca mais uma vez que não era possível uma Politica de Fixação da nossa população e os dólares americanos para a ajuda à Europa aceleraram a partida para outras paragens.

A luta contra o regime de Salazar é assumido por aquilo a que se pode chamar a esquerda ideológica com ligações aos partidos socialista e comunista. Conquistadas melhores condições de vida, tal facto não invalida a preferência da simpatia pela esquerda.

Depois da Revolução Russa de 1917 poder-se-ia pensar que as diversas movimentações populacionais se dirigissem para o denominado "paraíso das amplas liberdades".

Mesmo no inicio do século e depois do primeiro conflito mundial, a nossa emigração nunca se fez em direcção aos países ditos socialistas, os quais apregoavam o pleno emprego e um nível de vida compatível com a dignidade humana.

O "rush migratório" mais curioso é o das décadas de sessenta e setenta e o actual, desde há uns dez anos a esta parte.

A propaganda em voga era a do comunismo e em menor escala a do socialismo democrático contra o regime autoritário e contra a Guerra dita Colonial, segundo a sua denominação, para impressionar os incautos e como forma de pressão que levaria a denegrir o conflito, mesmo se ele se apresentasse como defesa do património histórico.

Poderia então supor-se que os países sob regime comunista fossem o destino de preferência para o exercício do "métier" pois, assumindo-se os emigrantes como maioritariamente de esquerda, todos eles recusaram estabelecer-se nos países da sua ideologia preferencial.

A preferência foi, é e será os países de regime capitalista, como hoje se comprova.

Por isso, fazem-me rir aquelas e aqueles emigrantes que, nos países capitalistas, apelam a favor dum PCP estalinista ou do BE trotsquista, para que eles atinjam o poder em Portugal quando, em tempos, mau grado as dificuldades, quiseram permanecer nos países cujo regime combatiam.

Também é bem verdade que as cenas vistas durante a queda da ex-URSS e seus satélites, com as populações em manifestações de alegria saltando arames farpados e derrubando muros vergonhosos, serviu de vacina e de exemplo para evitar loucuras ou entusiasmos pela propaganda.

Mas é bom, é saudável, é moderno, é de bom-tom, ser de esquerda em países de regime capitalista.

 

20 de Maio de 2013

 

 Isaías Afonso

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D