Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

“A invenção da pólvora”

Está praticamente assente o princípio de que o nosso subdesenvolvimento é endémico como consequência do deficiente nível médio cultural dos portugueses mas há que reconhecer que o esforço do desenvolvimento educativo tem sido notável. Basta consultar algumas estatísticas credíveis para recordarmos que chegámos a 1974 com 25 por cento de adultos analfabetos e que em 2001 já só 9 por cento é que não sabia ler nem escrever. Claro que ainda é muito e todos devemos considerar essa realidade como um flagelo a combater com empenho uma vez que essa população completamente iletrada representa uma inércia formidável a qualquer esforço de desenvolvimento global. E, contudo, a grande redução daquele problema foi conseguida apesar de uma personalidade então relevante na estrutura educativa do nosso Estado se referir à alfabetização de adultos como uma actividade equiparável a arqueologia social. Talvez tenha sido por esse desprezo relativo que um antigo Ministro da Educação tenha atribuído a vitória no esforço de combate ao analfabetismo adulto em Portugal às agências funerárias. A explosão universitária foi a resposta natural à avidez da procura quando houve um despertar colectivo para a educação mas numa época como a actual em que o estreitamente da pirâmide etária se faz precisamente nas “idades universitárias”, a concorrência é sentida em benefício dos melhores cursos, com maiores saídas profissionais e propinas mais baixas. E aqui entra em acção o desvio da concorrência com as Universidades públicas a praticarem propinas em regime de “dumping”. É claramente desejável que o Orçamento do Estado deixe de subverter a concorrência inter-universitária e que esta passe a ser uma realidade que promova a qualidade para benefício do todo nacional. Convenhamos que o processo já se iniciou com a actualização progressiva das propinas públicas e que agora só falta é fechar mesmo por completo a torneira. Então e só então é que se verá quem tem mérito e sobrevive e quem não tem outra alternativa se não adaptar-se para não ter que fechar. O que já fechou mesmo por completo foi o tempo do “gato por lebre” em que se inventavam cursos públicos e privados mais para colocar professores amigos do que para criar profissionais de que o país necessitasse. Desse logro resultou o sofisma de que haja em Portugal licenciados a mais. Pelo contrário, há licenciados a menos; o que sobra é gente sem preparação para fazer coisas necessárias, tais como aquelas que as empresas procuram. A questão universitária está, pois, em andamento no sentido correcto mas ela, por si só, não resolve outros motivos de grande preocupação para quem se interessa pelos temas do desenvolvimento. Analisando as estatísticas internacionais, a nossa atenção é de imediato chamada para certas particularidades que não podem ser ignoradas: - na Áustria, há um relativamente pequeno número de licenciados pois os bacharelatos assumem uma relevância única em toda a Europa; - na Alemanha, as vias profissionalizantes absorvem mais de 70 por cento do ensino secundário sem, contudo, obstarem ao desenvolvimento dos “curricula” para o nível universitário; - em Portugal, a taxa de abandono escolar precoce bate todos os recordes nos velhos, novos e futuros membros da UE. A existência em Portugal de tão grande abandono escolar precoce faz com que tenhamos muito pouca gente com o secundário completo, com a agravante de que as nossas vias profissionalizantes têm uma expressão insignificante e que, desse modo, quem sai prematuramente não tem a mais pequena noção do que seja trabalhar. Estamos, pois, a criar um mar de gente incapaz e os relativamente poucos que entram nas Universidades correm o risco de fazer uma opção inútil para o mercado de trabalho. Mas se a questão universitária se vai resolvendo pela via da progressiva concorrência, já a nível do secundário há questões que merecem a nossa maior atenção. Serão os “curricula” que não motivam os estudantes? Será a envolvente familiar pouco indutora ou mesmo hostil a qualquer esforço cultural? Será o mercado de trabalho assim tão mais atractivo do que o estudo? E a nível do primário, serão os pais que necessitam dos parcos proveitos que os filhos consigam no mercado do trabalho infantil? Haverá alguma característica genética que nos provoca um movimento centrífugo em relação à escola? Ou serão os outros povos que têm um gene que inversamente lhes provoca um movimento centrípeto? Estas questões da genética podem por vezes parecer jocosas mas talvez seja prudente perguntarmo-nos que efeitos podem ter no cérebro humano as famosas “sopas de cavalo cansado” ainda hoje tão useiras em certas regiões de Portugal. Que disponibilidade intelectual pode ter uma criança que chega embriagada à escola? Por incrível que possa parecer a um citadino, estas questões são reais e vai demorar tempo até que se consiga criar o ambiente necessário para que as crianças deixem de ser adormecidas com um pouco de bagaço e parem rapidamente de chorar. Não vai ser necessário que o Professor António Damásio venha de propósito a Portugal explicar-nos que esses usos provocam danos graves no cérebro. Temos aqui uma explicação apenas parcial para a elevadíssima taxa de abandono escolar precoce mas se aquelas anormalidades ocorrem em certas regiões do país, como explicar o mesmo abandono nas outras regiões em que as crianças bebem leite ao pequeno-almoço? Podemos também admitir que um nível cultural familiar muito rudimentar explique parcialmente alguma hostilidade aos “livros” mas, então, que explicação temos para o tão frequente abandono do ensino secundário no seio das classes médias urbanas? A atracção exercida pelo mercado de trabalho só se pode aceitar em épocas de crescimento e pleno emprego mas quando chega a recessão o abandono escolar continua para glória da vadiagem. Creio que o problema está nos “curricula” e não quero discutir se o aparelho circulatório da mosca é muito ou pouco importante para a cultura científica da nossa juventude nem me vou interrogar se é ou não essencial que todos saibam utilizar uma tábua de logaritmos e interpretar os textos de Emmanuel Kant. O que não deixo de discutir é o resultado dramático a nível prático do tipo de coisas que querem meter na cabeça dos nossos jovens e que eles tão significativamente rejeitam. E quero acreditar que os nossos pedagogos já esgotaram o prazo de validade que a sociedade lhes concedeu para mostrarem o que valem. Com resultados tão maus só vejo uma solução: a europeização imediata dos “curricula” primários e secundários de modo a que toda a Europa eduque – ou deseduque – de um modo homogéneo. Claro está que preconizo que em cada país se ministre a língua, a História e a literatura nacionais integradas numa disciplina a que se chamaria Cultura Nacional acrescida de uma segunda língua à escolha mas em tudo o resto os programas deveriam ser europeus. Aí, então é que íamos mesmo averiguar os efeitos das “sopas de cavalo cansado” e parávamos esse esforço inglório dos nossos ilustres pedagogos que andam há décadas a inventar a pólvora. Em terminologia moderna, façamos o “benchmarking” aos professores europeus. Lisboa, Maio de 2004 Henrique Salles da Fonseca Publicado em 28 de Maio no Suplemento de Economia de "O Independente"

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D