Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

LÁGRIMAS INÚTEIS – 2

 

A ritalina é uma pílula contra uma doença inventada, contra uma doença, ser um jovem “difícil”, lê-se no Deutscher Apotheker Zeitung (publicação dirigida às farmácias – NT). E o inventor da TDAH, o várias vezes condecorado neurologista norte-americano Eisenberg, declarou consternado no fim da vida: “A pré-disposição genética para TDAH é completamente superestimada”. Ao contrário disso, os psiquiatras infantis deveriam pesquisar com muito mais carinho os motivos psicossociais, que podem levar a desvios de comportamento, declarou Eisenberg ao jornalista científico e autor de livros, Jörg Blech, conhecido pela sua ampla crítica à indústria farmacêutica e seu livro Die Krankheitserfinder (Os inventores de doença – NT). Reconhecimento tardio, muito tarde, mais do que tarde!

 

Arrependido, Eisenberg afirmou antes de morrer onde poderiam ser encontradas as causas, e elas deveriam ser examinadas com maior afinco ao invés de se lançar mão logo de imediato do remédio: há disputas entre os pais, mãe e pai moram juntos, existem problemas na família? Estas perguntas são importantes, mas elas tomam muito tempo, citando Eisenberg, o qual, suspirando, acrescentaria: “Um remédio é indicado rapidamente.”

 

“Nossos sistemas estão se tornando desagradáveis aos jovens”, afirma também o professor para pesquisa de abastecimento farmacêutico da Universidade de Bremen, Gerd Glaeske. Jovens querem viver com mais riscos e experimentar. Mas lhes falta o necessário espaço livre. Jovens tentam ultrapassar os limites, isso chama a atenção em nosso sistema. “Quando alguém diz que os jovens atrapalham, também devemos conversar sobre aqueles que se sentem incomodados”, declarou o professor.

 

O FAZ escreveu a 12 de fevereiro de 2012 que o diagnóstico TDAH aumentará diante da declaração do fracasso escolar e, mundo afora, apenas a Novartis faturará 464 milhões de dólares com o comprimido, que torna o jovem “liso, sociável e quieto”. Há 20 anos, 34 quilos de metilfenidato foram prescritos pelos médicos – hoje são 1,8 toneladas. Em todo o mundo, cerca de dez milhões de crianças devem receber a prescrição para tomar ritalina, na Alemanha devem ser cerca de 700.000.

 

A comissão ética da Suíça na área de medicina humana, NEK, desferiu uma nota bastante crítica em novembro de 2011 diante o uso do medicamento ritalina usado contra TDAH: o comportamento da criança é influenciado através da química, sem que seja necessário qualquer esforço próprio.

 

Isso é uma agressão à liberdade e personalidade da criança, pois compostos químicos causam certas mudanças comportamentais, mas que as crianças não aprendem sob a ação de drogas químicas, como poderiam mudar de hábito por si próprias. Com isso lhes é subtraída uma importante experiência de aprendizado para atuação com responsabilidade própria e respeito alheio, “a liberdade da criança é sensivelmente reduzida e limita-se o desenvolvimento de sua personalidade”, critica o NEK. Sobre as consequências para a saúde através da ingestão de psicofármacos, nada é declarado.

 

Peter Riedesser alerta: “Hiperatividade não é necessariamente um sinal de perturbação profunda, como uma depressão, que deve ser tratada com outra coisa diferente de ritalina”.

 

Eva Herman, A famosa apresentadora do “Jornal Nacional” alemão despertou diante das (in)coerências do sistema

 

O renomado cientista e professor para neurobiologia, Gerald Hüther, alerta há muito tempo sobre o risco do uso de medicamentos ultra-potentes em crianças pequenas, assim como sobre o pressuposto de que a TDAH tenha a ver com uma verdadeira doença de origem biológica ou genética. Em uma entrevista, quando o quadro clínico fora definido há décadas, o cientista afirmou que se desconhecia como o cérebro infantil é moldável, como as estruturas cerebrais se formam a partir das experiências feitas na infância. “Naquela época partia-se do pressuposto de que só algum programa genético defeituoso é que podia levar às disfunções”, disse Hüther. “Esta concepção foi vantajosa em várias situações. Ela não responsabilizou quem quer que seja e retirou um peso não apenas dos pais, mas também dos educadores e professores. E isso se ajustou ao viés reparatório daquela época: se algo não funcionava direito, bastava então ingerir um comprimido.”

 

Os pais atingidos não deveriam se sentir atingidos quando educadores ou professores acreditam que seus filhos tenham TDAH. Eles devem ouvir primeiramente com tranquilidade e conversar com outras pessoas que conheçam seu filho e também gostem dele. “Talvez algum deles tenha uma ideia como ele poderia ser ajudado em casa, na escola e principalmente no convívio com os amigos.”

 

O neurobiólogo foi um dos primeiros críticos da “doença” e dos medicamentos relacionados a ela, e foi o estopim de uma picante discussão técnica há alguns anos. Hüther foi um dos poucos cientistas que se colocou como advogado das crianças: “Os adultos devem decidir por si mesmo, se através da ajuda de psicoestimulantes eles podem se ajustar melhor na absurda exigência de desempenho de nossa sociedade atual. Mas as crianças ainda não podem decidir sobre isso, esta decisão deve ser tomada pelos pais como adultos cientes de suas responsabilidades.” Quase todo o restante do mundo profissional se fechou em um decente silêncio sobre este gravíssimo tema.

 

O descobridor da TDAH, o então neurologista norte-americano Leon Eisenberg, que ocupou posteriormente a direção da psiquiatria do renomado Massachussets General Hospital, em Boston, e se tornou um dos mais conhecidos neurologistas do mundo, se engajou em 1967 juntamente com seu colega Mike Rutter em um seminário da Organização Mundial de Saúde, com todos suas forças e contra a imensa resistência dos profissionais psiquiatras, para que a suposta disfunção cerebral figurasse no mundialmente difundido catálogo de disfunções psiquiatras da WHO. Apesar do forte vento contrário – seja qual for a origem – ele conseguiu ter “sucesso”. O psiquiatra lançou ao mundo um perigoso e maligno espírito, o qual, à vista do experimentado lucro bilionário da indústria farmacêutica, não vai desaparecer facilmente. Até hoje a suposta doença psíquica tem seu lugar no Manual de Diagnósticos e Estatísticas, até hoje existem milhões de pais que acreditam ter filhos doentes, e até hoje em dia circulam milhões de meninos e meninas que acreditam ter um “tique grave”.

 

Tudo isso incomoda muito pouco a indústria farmacêutica e, entrementes, apenas na Alemanha, seis empresas oferecem o medicamento sob diversos nomes. Os polvos continuam a apanhar tranquilamente seus bilhões, indiferentes a possíveis danos no corpo e na alma das crianças, indiferentes também quanto à pressão sobre as jovens gerações, que devem apenas funcionar, mesmo sobre o efeito de drogas, e indiferentes ao mundo. Eles não precisam mais perguntar sobre as causa e motivos naturais, mas apenas inventar, sem escrúpulo algum, moléstias artificiais para com isso faturar p´ra valer. Bem vindo ao maravilhoso mundo novo!

 

Eva Herman

 

Kopp-verlag, 02/04/2012.

 

(continua)

 

  Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D