Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

O ABRE-LATAS

 

 

Uma das muitas anedotas usadas para criticar os economistas diz que um deles se encontrou numa ilha deserta com um engenheiro e um químico, tendo apenas uma lata fechada com comida. O engenheiro sugere um sistema de pesos e roldanas para abrir a lata, enquanto o químico pensa nos reagentes que possam dissolver a tampa. O economista resolve o problema concebendo um modelo que começa assim: "suponhamos que temos um abre-latas!"

 

A maioria das afirmações que ouvimos acerca da situação económica portuguesa também assume a existência de um abre-latas que realmente ninguém tem. Quando se diz que basta de austeridade e que devemos mudar de política, supõe-se que a lata já está aberta, o que é evidentemente falso. Podem criticar-se os métodos que o Governo tem usado para o conseguir; o que não é possível é interromper o jejum e começar o almoço antes de abrir o malfadado recipiente.

Portugal tem uma enorme dívida, que acumulou ao longo dos últimos vinte anos. Mas esse não é o seu pior problema. A questão decisiva é que, ainda hoje, e apesar de todos os sacrifícios, o Estado continua a gastar mais do que recebe e a dívida continua a crescer. Os próprios protestos mostram isso, pois repetem à exaustão que não se podem aumentar mais os impostos e afirmam categoricamente que mais cortes nas despesas liquidarão saúde, educação, polícia, segurança social e inúmeras funções indispensáveis. No entanto, os impostos, apesar de esmagadores, continuam abaixo das despesas tão espremidas.

Isso constitui o famigerado défice orçamental, que teimosamente se mantém elevado. Este facto é tão evidente e incontornável quanto a lata que encerra a comida. Quem ignorar essa realidade pode estar cheio de razão na sua raiva e desapontamento, mas nada adianta para a solução do problema.

Aquilo que realmente fecha a lata não vem dos credores, mas dos muitos interesses instalados que bloqueiam o País. Bancos, sectores, serviços e profissões não querem perder rendas e benesses insustentáveis. Beliscá-los gera os urros que ouvimos a cada passo, pois eles controlam partidos e jornais.

De facto o nosso país tem de conseguir, não eliminar o défice, mas mostrar que ele está suficientemente controlado para que os credores internacionais voltem a ter confiança na nossa capacidade de honrar as responsabilidades. Entretanto a troika empresta muitos milhões, quase metade do nosso produto nacional, para irmos comendo enquanto abrimos a lata. Mas, como não há almoços grátis, isso vem com condições, a sempre criticada austeridade, que é apenas uma receita para levantar a tampa. Quando isso acontecer, que a troika continua a prever para 2014, o País regressa à normalidade e poderemos finalmente almoçar. Dada a dureza do jejum, são compreensíveis recriminações, queixas e desalentos. Mas não faz sentido abandonar o esforço de resolver o problema ou falar em políticas alternativas que não o enfrentam com clareza.

Os abre-latas sugeridos parecem atraentes, mas nenhum é realmente eficaz. Falar em promoção do crescimento económico num país estagnado há 13 anos, todos cheios de políticas de promoção de crescimento, só pode ser amarga ironia. O País há-de voltar ao progresso, não com políticas de promoção, mas com o recuo do Estado e a normalização dos canais económicos. Também o abandono do euro, a renegociação da dívida ou "um governo patriótico e de esquerda" não resolvem o problema de fundo: o Estado continua a gastar mais do que recebe, mesmo depois de cortar fundo nas despesas e subir escandalosamente os impostos.

Então qual a solução? Portugal mergulhou na crise passando 20 anos a fazer o contrário do que os economistas recomendam; não é provável que agora siga o que dizem. Mas se quiserem saber, a cura da crise é dieta no Estado e reestruturação da economia. A solução está em libertar as empresas e produção. Pode parecer estranho a quem só conhece anedotas, mas a boa teoria económica afirma que não há abre-latas fácil e a via para o progresso está na técnica, engenharia, química, etc.

 

15ABR13

 

 JOÃO CÉSAR DAS NEVES

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D