Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

LASCIATE OGNI SPERANZA…

 

 

Publicou o Dr. Salles um texto intitulado “A Parametrização social” apoiado na seguinte observação colhida num livro de D. Manuel Clemente:

 

A ultrapassagem do metafísico pelo positivo só se sustentou enquanto este último viveu da herança dos estádios anteriores (teológico e metafísico). Porém, o sucessivo afastamento e descuido em relação àquelas fontes deixou-o animicamente esvaído e eticamente desamparado.

 

A síntese do Dr. Salles, que com tanto gosto guardo no meu blog (http://poramaisb.blogspot.pt/), afigura-se bastante pertinente, apontando dados precisos que, pondo a tónica na incurável iliteracia de que enfermou o povo português ao longo dos séculos, a sua formação para a cidadania dependendo não de valores éticos ou humanistas mas de ameaças punitivas do pecado, numa cultura por longos anos acanhadamente hierática e maniqueísta, o projectou numa incapacidade de evoluirmos num sentido de dignificação e ajustamento a outras formas de pensamento mais equiparáveis à de outros povos que estudam e trabalham e planeiam o futuro das gerações que se lhes seguirão.

 

A ele apus o comentário:

 

A cultura em Portugal fez-se sempre por processos elitistas, em fracturas estrondosas – entre a cidade e o campo, entre os ricos e os pobres, entre os nobres e a plebe. Nunca houve uma generalização cultural que impusesse o respeito humano sem ser sob o efeito da subserviência ou do favorecimento. Mesmo os méritos são avaliados segundo parâmetros de participação política. A democracia trouxe uma reviravolta que é só aparente, vazia e oca, o povo chamado a manifestar-se, a maioria das vezes não como seres conscientes, mas como rebanho indisciplinado, manipulado pelos condutores instigadores. A nobreza dos valores abstractos, como o sentido de pátria, foi riscada do mapa das consciências, cada um pugnando pelos seus direitos próprios, não pelo estudo e a reflexão, mas pela sensibilidade folclórica que o fado nos inspira.

 

Enquanto, para D. Manuel o espiritualismo, apoiado nos valores transcendentais, parece dever impor-se sobre os valores do materialismo, Salles da Fonseca põe a tónica na formação racionalista, como fundamental para a tomada de consciência e o reconhecimento dos limites da liberdade, ou da autenticidade do sentido de democracia.

 

O dia de hoje, 25 de Abril, mostrou em pleno Parlamento que tal sentido é inexistente para a maioria – nos discursos denegridores dos parlamentares da esquerda, na deselegante falta de aplauso e de respeito pelos discursos da maioria, e do Presidente da República visivelmente preocupados com o estado da Nação, nos comentários posteriores daqueles sobre o discurso do PR – que achei excelente – decididos a apear o Governo, “custe o que custar”, indiferentes ao custo e às consequências gravosas dessa acção. E logo a Opinião Pública no Canal 5 da SIC pôde dar largas a igual ódio “democrático”, que é feita de ódio a sua democracia, ódio orquestrado por toda essa “plebe” dos seus condutores de opinião. Ódio real pelos que defendem a honestidade, falsa solidariedade para com os espoliados dos seus direitos.

 

Pergunta Salles da Fonseca:

«Teremos entretanto conseguido fundamentar a liberdade de que queremos usufruir empreendendo uma síntese do que aprendemos entretanto para nos retomarmos como humanidade? Tenho esta como a questão portuguesa historicamente mais pertinente.»

 

É óbvio que não. Os componentes espirituais e racionais das elites vociferantes estão submersos sob a camada do sentimentalismo adiposo e chiante.

 

 Berta Brás

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D