Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

A DRENAGEM

 

 

Este ano de 2013 tem sido um ano chuvoso o que tem algumas vantagens mas também alguns problemas. O enriquecimento dos aquíferos e uma razoável distribuição das chuvas foram, duma maneira geral, benéficos para a agricultura. O enchimento das barragens – que estiveram algo desfalcadas nos últimos anos – é importante para o abastecimento de água às populações, para os regadios e para a produção de electricidade barata.

 

As cheias que ocorreram nalgumas zonas causaram prejuízos embora, nalgumas áreas de várzea também tenham tido a vantagem de depositar uma camada de bons elementos de solo, trazidos das zonas mais altas. Nas terras mal drenadas causaram encharcamento dos solos, geralmente prejudicial.

 

Ao longo de muitos anos e baseado nos estudos do saudoso Eng.º Agrónomo Sardinha de Oliveira, tenho chamado a atenção para a necessidade de drenar o solo, importante em toda a parte mas particularmente importante no Alentejo.

 

O Eng.º Sardinha de Oliveira mostrou que a produção cerealífera no Alentejo sofria mais nos anos muito chuvosos do que nos anos de média ou até baixa pluviosidade. O problema é grave nesta província porque aqui a Primavera é geralmente muito curta e passa-se rapidamente da estação fria e chuvosa para a estação quente e seca. Num solo mal drenado os cereais sofrem uma asfixia nas raízes, que as impede de crescer em profundidade e, quando vem o calor e a seca, não conseguem defender-se e a produção é escassa. Se o Inverno for pouco chuvoso ou se o solo estiver bem drenado, de forma a fazer sair a água em excesso, as raízes desenvolvem-se em profundidade, o que lhes permite aproveitar a água que existe nessa parte do solo e defender-se muito melhor quando chega o tempo quente e seco. Os estudos do Eng.º Sardinha de Oliveira foram amplamente confirmados, ao logo de vários anos depois do seu falecimento, como relatei em diferentes escritos.

 

Por estas razões, é importante aplicar o sistema de drenagem mais apropriado para cada caso. Acredito que quando o Alentejo drenar convenientemente as terras para não haver os casos – que ainda são relativamente frequentes - de searas em solos alagados, a média de produção de trigo subirá significativamente. Quando se puder resolver um outro problema em que tenho insistido, de encontrar melhores rotações de culturas – os meritórios estudos que existem são insuficientes – talvez o Alentejo volte a ser o celeiro de Portugal.

 

  Miguel Mota

 

Publicado no Linhas de Elvas de 24 de Abril de 2013

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D