Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

NA TERRA DOS IRLANDESES SELVAGENS

 

ONDE O REI O’NEILL REINA SUPREMO

 

Uma pequena lenda irlandesa! É sabido que foi Saint Patrick quem cristianizou a Irlanda, onde terá chegado em meados do século V. Diz a lenda que um dia St. Patrick chegou ao Lough (Lago) Dergh (há dois lagos com o mesmo nome e este fica bem no noroeste da ilha, hoje no Condado de Donegal), e aí encontrou um poço onde terá tido uma visão do inferno: gente sendo torturada, queimada, etc., lugar esse que ficou conhecido como o St. Patrick’s Purgatory.

 

Em 1386, o Príncipe João de Aragão escreveu ao seu amigo, Ramon, Visconde de Perellós e de Rueda na Catalunha:

 

Pedimos que você nos envie, por escrito, toda a história de um cavaleiro que você disse que entrou no Purgatório, St Patrick e o que viu e o que aconteceu com ele nesse Purgatório; porque desejamos sinceramente saber dele.

 

No decorrer do tempo, o Príncipe tornou-se rei, João I de Aragão, e escolheu Ramon como seu camareiro, enviando-o em várias missões ao estrangeiro. Em seguida, em 19 de Maio de 1396, foi o desastre. O rei estava fora caçando sozinho, morreu repentinamente, quando “assustado pela visão de uma enorme loba”, caiu do cavalo.

 

Ramon aflito, imediatamente temeu que a alma do seu mestre real teria castigo no inferno, porque o rei D. João tinha morrido sem confissão ou nos ritos da Igreja. O Visconde declarou sua intenção de viajar para Lough (Lago) Derg no interior remoto do noroeste da Irlanda, a que o falecido rei anteriormente tinha manifestado interesse. Ali, havia ele lido, uma alma seria poupada das dores do inferno se o peregrino pudesse sobreviver aos perigos do Purgatório de St Patrick, localizado numa pequena ilha no lago. E meteu-se a caminho.

 

Em Avignon, a audiência com o Papa Bento XIII não foi animadora.

 

Ele aconselhou-me fortemente contra a minha intenção e assustando-me muito, avisou-me que eu não deveria fazê-lo por motivo algum. Além do que ele próprio me disse, tinha alguns dos cardeais mais próximos dele para falarem comigo... Eles contiveram-me com tal força que mal consegui ficar longe deles.

 

Ramon, no entanto, recebeu uma bênção papal e seguiu a caminho de Paris para obter cartas de recomendação do rei Charles VI de França. A seguir, Richard II de Inglaterra recebeu-o muito bem e depois de passar dez dias com ele, o Visconde fretou um navio em Chester e cruzou o mar da Irlanda.

 

Então, cheguei à Irlanda e alguns dias depois aterrei em Dublin, que é uma cidade grande. Lá encontrei-me com o Conde de March, que me recebeu muito bem por causa das cartas de recomendação do rei, para o governo da ilha que estava a seu cargo. Eu disse-lhe da viagem que pretendia fazer. Este senhor me aconselhou fortemente contra essa ideia...

 

Eu teria que percorrer uma grande distância e passar por terras de povos selvagens, desgovernadas, onde não se pode confiar em ninguém. A outra razão foi que o Purgatório era uma coisa muito perigosa e muitos bons cavaleiros tinham sido lá perdidos, para nunca mais voltarem. Quando viu que eu ainda assim não desistia, deu-me cavalos e jóias e também dois escudeiros.

 

Os homens do Conde levariam o visitante catalão não mais do que até Dundalk, onde o entregariam a John Colton, arcebispo de Armagh. O arcebispo disse, sinceramente: a menos que queira deliberadamente perder a vida, não deveria em circunstância alguma tentar ir para lá. Ele então fez-me entrar na sacristia da igreja onde me admoestou fortemente. Implorou-me para não entrar no Purgatório e disse-me dos muitos perigos e coisas horríveis que tinham acontecido a vários outros homens que lá se haviam perdido...

 

Quando viu que não poderia mudar a minha mente, ouviu a minha confissão e em grande segredo recebi Nosso Senhor da sua mão...

 

Ele enviou uma mensagem ao rei O’Neill, que estava na cidade de Armagh.

 

Por quase dois séculos, John Colton foi o único arcebispo inglês nascido em Armagh a ser suficientemente corajoso para visitar as áreas célticas da sua Província eclesiástica. Certamente, conheceu Niall Mór O’Neill, o governante de Tír Eóghain, mas não arriscou: ele deu a Ramon uma escolta de cem homens.

 

Eu fui para a terra dos irlandeses selvagens, onde o rei O’Neill reinava supremo. Quando eu tinha montado algumas cinco léguas, as centenas de homens armados não ousaram avançar mais. Assim, permaneceram numa colina, despedi-me deles e continuei sozinho.

 

O'Neill deu-lhe as boas-vindas e a sua primeira prova de oatcakes (bolo da aveia) de Ulster. Ramon prosseguiu para Termon Magrath, as terras eclesiásticas que incluíam Lough Derg. O terreno era tão macio que ele teve que ir a pé pelo Baixo Lough Eme e sobre Lough Derg.

 

Há tanta água em todos os lugares que um homem mal pode atravessar até às montanhas mais altas sem se afundar até à cintura... Eu fui através do Lago num barco de madeira oco, pois não havia nenhuns outros barcos... Então eles pediram-me fortemente não para ir para o Purgatório... Quando viram que eu estava muito determinado, o prior e todos os clérigos cantaram a Missa de Requiem na madrugada... Todos eles fizeram isso por mim porque queriam fazer tudo o que pudessem.

 

Depois de muitas aventuras, Ramon entrou no Purgatório St Patrick em busca da alma do seu mestre morto, Rei João, que queria salvar com esta peregrinação. Lá, ele diz que estava suando e esgotado... Havia muitos tipos de sepulturas e lamentáveis tipos de tortura e um número incontável de pessoas... e lá eu vi o rei, Dom João de Aragão, que pela graça de Deus, estava no caminho para a salvação.

 

A descrição de Ramon do Purgatório pode ser lida com um olhar céptico, mas o que o torna diferente de outros peregrinos estrangeiros a Lough Derg é que só ele nos deixou descrições do gaélico irlandês.

 

Depois de deixar o Lough Derg, Ramon foi recebido pelo governante de Tír Eóghain, Niall Mór O’Neill.

 

Fomos muito bem recebidos, com muita alegria e prazer e passei a festa de Natal com ele. Ele realizou uma grande corte ao seu estilo, que nos parece muito estranho para alguém de seu status... Sua mesa era de juncos espalhados no chão, enquanto nas proximidades colocaram erva delicada para ele limpar a boca. Eles costumavam levar-lhe a carne em varas.

 

Ramon diz-nos que quando ele chegou pela primeira vez ao território O’Neills, o rei lhe enviou um boi e o seu cozinheiro para o preparar. Em toda a sua corte, não havia nenhum leite para beber, nem pão, nem vinho mas, como grande presente, ele enviou também dois bolos finos como bolachas e tão maleáveis como massa de pão crua. Feitos de aveia e de terra eram tão pretos como carvão, mas muito saborosos.

 

Eles estão entre os mais belos homens e mulheres que eu já vi em qualquer lugar do mundo. Não semeiam milho, nem eles têm qualquer vinho. Apenas a sua carne é carne de boi. Os grandes lords bebem leite e, outros, caldo de carne e o povo comum bebe água. Mas eles têm muita manteiga, bois e vacas que fornecem toda a carne.

 

Ramon estava enganado na sua crença de que o povo irlandês aqui não plantava milho — nessa época do ano os campos de restolho eram deixados ao gado. Com relação às suas condições de vida e estilo de vida semi-nómada, ele comentou:

 

As suas habitações são comuns, a maioria delas é criada perto dos bois e eles movem-se com as pastagens, como os formigueiros da Barbaria na terra do sultão.

 

Ele descreveu o vestido dos irlandeses, o que conheceu como segue:

 

Os grandes senhores usam túnicas sem forro, atingindo até o joelho, corte muito baixo no pescoço, quase no estilo das mulheres e usam capuzes grandes que penduram para baixo da cintura, que terminam num ponto que é estreito como um dedo. Eles não usam meias nem sapatos, nem calças curtas e usam as esporas nos calcanhares descalços. O rei estava assim vestido no dia de Natal e assim todos os oficiais e cavaleiros e mesmo os bispos e abades e os grandes senhores.

 

Os pobres usam capas, boas ou ruins. A rainha estava descalça e suas serventes, vinte em número, estavam vestidas mostrando suas partes vergonhosas. E você deve saber que todas as pessoas não tinham mais vergonha do que de mostrar seus rostos.

 

Ao nobre catalão foi dito para esperar encontrar um povo selvagem, desgovernado, mas foi agradavelmente surpreendido ao descobrir que ele poderia discutir assuntos internacionais com O’Neill e seus cortesãos, em latim. O rei falou longamente, perguntando-me sobre os reis cristãos, especialmente os reis de França, Aragão e Castela, e sobre os costumes e a maneira como eles viviam... Eles consideram seus próprios costumes mais vantajosos do que qualquer outro no mundo inteiro.

 

Ramon ficou impressionado com o número de cavalos finos e pelos guerreiros que formavam a comitiva de O’Neill. Montam sem sela sobre um coxim e cada um usa um manto de acordo com a sua categoria. E estão armados com cotas de malha e redondos capacetes de ferro como os mouros e sarracenos. Têm espadas e facas muito longas e longas lanças, duas braças de comprimento. Suas espadas são como as de sarracenos... As facas são longas, estreitas e finas como um dedo mindinho, e muito afiadas... Alguns usam arcos, que não são muito longos, apenas metade do tamanho dos arcos ingleses, mas seu alcance é muito bom. O seu modo de combate é como o dos Sarracenos, que gritam da mesma maneira. São muito corajosos. Estão ainda em guerra com o inglês e tem sido por muito tempo.

 

O prémio de pôr fim a essa guerra foi para iludir o rei inglês, Richard II.

 

N.- Título e texto de “A History of Ireland in 250 episodes” de Jonathan Bardon.

- Lough Derg continua a ser um lugar de peregrinação. Mas com características bem específicas. No entanto, recebe de cada vez um máximo de 20.000 peregrinos e todos obrigatoriamente com mais de 14 anos.

 

A ilha do “Purgatório”, hoje!

 

Rio de Janeiro, 20/04/2013

 

 Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D