Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

O PÃO E O CIRCO

A política do Pão e Circo 

 

 

Os antigos imperadores romanos usavam o pão e o circo para entreter os seus povos e os distrair das políticas que tantos danos lhes causavam. Ficou célebre a frase que chegou até nós nas “Sátiras” de Juvenal “panem et circenses”.

 

Os governos portugueses e muito particularmente desde 2005, quando se entrou em grande numa gestão extremamente danosa – crime previsto no Código Penal, Artigo 235º, salvo erro – que pôs o país à beira da bancarrota e levou o governo PS a submeter o país à extremamente humilhante e grandemente prejudicial situação de ter aqui banqueiros internacionais a governarem o país, usam uma regra ligeiramente diferente. Tiram aos cidadãos o pão e deixam-nos fazer o circo.

 

O sistema tem provado bem para os governantes. Os enormíssimos danos causados ao país em geral, colocando-o numa situação de mendicante; o espantoso corte no nível de vida da maior parte dos portugueses, que, tudo incluído, deve ser superior a 50%; tudo isto com as mais pavorosas consequências de falências, penhoras dos que, em consequência desses cortes, deixaram de poder satisfazer os encargos dos empréstimos (e não, como são acusados, por se endividarem “estouvadamente”); o desemprego, que atingiu níveis inconcebíveis e para atenuar o qual não querem aplicar nenhuma das duas sugestões que apresentei; uma recessão, causada pelos que prometiam crescimento económico, não levou ainda aos estados de desespero que tal situação deveria causar.

 

Os governantes estabeleceram desde cedo – após a ditadura comunista do PREC e com a aprovação sem referendo duma Constituição tremendamente antidemocrática – uma excelente válvula de escape: deixam que os cidadãos berrem e insultem à vontade. Isto, especialmente depois duma outra ditadura que não permitia a livre expressão, com uma censura (aliás bastante estúpida e ineficaz) que cortava parte do que os jornais queriam publicar, etc. dá aos cidadãos uma impressão de “democracia”. Mas o sistema, pela tal Constituição e especialmente os Artigos 149º e 151º, está muito bem blindado, de forma que só é eleito, para a Assembleia da República e, consequentemente, para a chefia do governo, quem meia dúzia de ditadores, chefes de partidos, deseja. Os ingénuos cidadãos nem reparam que têm toda a liberdade... de escolher alguns entre os que os ditadores nomearam candidatos. E até acham que têm eleições livres!

 

Assim, por muito que desejem derrubar um governo, mesmo sem qualquer esperança – como se tem visto – de que o próximo seja melhor, com essas aberrações de círculos plurinominais – para alguns círculos um grande número dos candidatos dos maiores partidos está eleito à partida, algo que não existe em democracia, salvo nos casos de candidato único – e de listas imutáveis e com ordem fixa, os ditadores têm a certeza de repartir entre eles a governação de Portugal.

 

Há apenas uma eleição democrática em Portugal: para o Presidente da República. Deve ter sido dada essa liberdade porque se trata dum cargo de grande projecção mas de escasso poder. Os que apelam  ao Presidente da República para que ele lhes resolva certos problemas, não sabem os poderes que a Constituição lhe atribui.

 

A “válvula de escape”, conjugada com o martelar de que isto é democracia (como se sabe, uma mentira repetida muitas vezes passa a parecer verdade) tem prolongado esta ditadura quase por quatro décadas.

 

Recentemente, surgiu uma nova ajuda ao sistema. Em vez de manifs com alguns protestos violentos, surge uma muito ordeira e a cantar “Grândola vila morena...” Como a insatisfação é enorme, teve grande adesão e bem se viu quem a organizou. A ajuda veio do dito popular “quem canta seus males espanta”. Certamente muitos, cansados de tanto cantar, foram para casa satisfeitos... porque puderam protestar. Não viram que, na realidade, além de muito espetáculo, nada conseguiram.

 

Até quando o sistema vai ser eficaz antes da explosão, é que é difícil de prever.

 

 Miguel Mota

 

Publicado no Linhas de Elvas de 11 de Abril de 2013

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D