Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

ESTÃO A COMER OS “FILHOS DA PUTA”

 

 

Gerou-se agora, por todo o lado a psicose de que o povo andava a comer “gato por lebre”! Surgiu em França essa bronca, quando descobriram que a maioria das lasagnas e outros produtos prontos, congelados, embalados, que indicavam levar como ingrediente carne bovina, afinal essa carne era uma mistureba de animais, sobretudo de cavalo, mas que levaria também cabra e ovelha. Enfim uma vigarice.

 

Não que as carnes desses outros animais não seja comestível, e até saborosa, mas informar uma coisa e vender outra é coisa de fi... da... coisa.

 

Na África do Sul, onde quase não existe controle nos matadouros, desvendou-se agora (?!) que a carne enlatada, especificada como bovina, tinha uma mistura muito maior, de acordo com o que o dono do abatedouro ia comprando: elefante, búfalo, gazela, zebra, burro, porco, cavalo, e, pasmem, carne bovina também.

 

Desde há muitos anos o Brasil é exportador de carne de cavalo (só em 2012 de carne de equídeos que inclui cavalo, jumento e mula foram 2.375,9 toneladas), e nunca ninguém se queixou.

 

Não há dúvida que se o cão é o melhor amigo do homem, o cavalo não lhe fica muito atrás, e o jumento, o mais humilde, o mais trabalhador, e o que menos recebe de benefícios, são animais que, para a grande maioria das pessoas repugna saber que aquele que tanto nos ajudou, termina em hamburguers, lasagnas ou almôndegas!

 

Na China vão mais longe: comem cães e gatos, além daquela imensidão de insectos que nos parecem repugnáveis, mas que acabam por ser o melhor e mais barato alimento, riquíssimo em proteínas.

 

Já lá dizia Lavoisier que “na natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma”! E assim há animais carnívoros, herbívoros, insectívoros, frugívoros, detritívoros (aqueles que se nutrem ingerindo partes mortas de outros seres, como urubus, hienas e determinados moluscos) e ainda há os antropófagos, e os omnívoros. Tudo é uma questão de fome e oportunidade, senão vejamos:

O porco é um omnívoro, o que lhe derem ele traça, como os cães, gatos e ratos. Algumas espécies de macacos, basicamente herbívoros ou frugívoros, quando se aproxima a época do acasalamento, traçam os animais que puderem!

 

E o homem? Ah! Esse então nem se fala: come caranguejos que se alimentam de mééé..., come gato por lebre (quantas vezes?), cães, holotúrias, porcos, galinhas (que adoram comer baratas quando lhes passam ao alcance), jacaré (que tem consistência e sabe a frango sem tempero!), elefante, capim transformado em salada, e como se tem visto, cavalo, mula, jumentinho, etc. Até ninhos de andorinhas!

 

E se estiver mesmo a morrer de fome, ao lado de um companheiro que se tenha finado... também serve.

 

Mas o que haveria o homem de fazer quando um cavalo está velho e não pode mais trabalhar? Abrir uma cova imensa, chamar o bispo para benzer, e chorar de saudade? Aproveitar a carne possível e alimentar a família ou vender para o negociante mais próximo?

 

O que faria você que está a ler isto? Comia o cavalo ou enterrava, para o que seria necessária uma grande cova?

 

Parece que a carne de cavalo é mais clara que a bovina, mas esta também depende do que se alimenta, e há raças que dão carne mais escura do que outras. E os cavalos de corrida, que durante a sua vida foram submetidos a grandes esforços, o seu corpo obrigado a melhor irrigar toda a musculação, têm uma carne bem rosada.

 

E eu fico pensando no grande “Filho da Puta”, aquele cavalo inglês que ficou célebre por ter ganho nove grande prémios, imortalizado em tela pelo pintor John Frederick Herring (1795-1865) por volta de 1820. A bem da verdade o que imortalizou o cavalo foi o seu nome, hoje famoso, e tão famoso que o quadro valerá hoje à roda de £ 1.000.000! Só pelo nome!

 

 

Há pelo menos três versões sobre a origem desse nome. A que parece mais plausível dá conta que o embaixador português na Inglaterra*, à época, era apaixonado por turfe e também por uma viúva que ele comia nas horas extras. E era somente embaixador, porque se fosse como o rei de Espanha, Juan Carlos, que parece ter tido no seu cardápio mais de 1.500 mulheres que ele comeu. Esfomeado o tal castelhano! Pois bem, algum tempo antes da pintura do quadro, o embaixador arrematou num leilão de potros uma potranca a qual batizou de “Mrs. Barnett”, o nome da sua viúva. Mrs. Barnett (a égua), cumpriu campanha discreta nas pistas inglesas, sofreu uma lesão e não pôde mais correr. O intrépido português, então, deu-a de presente a um seu amigo da corte, que era também criador de cavalos. Passaram-se mais de 12 meses e neste período a viúva aplicou uma chifrada no pobre embaixador, mandando-se com um oficial da Armada, bem mais jovem. O embaixador, claro, não gostou da traição, mas recolheu sua dor.

 

Num fim-de-semana, ele foi convidado pela amigo criador para uma visita ao haras, visto que "Mrs. Barnett" estava para parir. Efectivamente, “Mrs. Barnett”, a égua, pariu um lindo potro e o embaixador foi levado a examiná-lo. Era de facto um belo espécime equino. Como homenagem ao amigo, o Lorde inglês pediu que ele baptizasse o potro com um nome típico de Portugal. O Embaixador, ainda engasgado com a perda de sua ex-amada, lascou-lhe o primeiro nome que lhe veio à mente ao ver o potrinho de pé: filho de Mrs. Barnett, só podia chama-ser Filho da Puta. E foi assim que o ganhador do St. Leger de 1815 passou para a posteridade. Não por ter sido um grande cavalo. Até que foi muito bom, mas sua pintura ganhou centenas de milhares de reproduções e hoje enfeita paredes em todos os países de língua latina. A gravura de Filho da Puta, em função de seu nome bizarro, transformou-se no maior best seller do turfe mundial.

 

Como é evidente um bom cavalo deixa sempre descendentes. Por isso os franceses e, quem sabe os ingleses, estão a comer os “Filhos da Puta”.

 

* (O embaixador era Dom Domingos de Sousa Coutinho, o 1º Conde de Funchal, solteiro, que morreu em Londres em 1833).

 

Rio de Janeiro, 1/04/2013

 

  Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D