Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Diálogos platónicos – 7ª parte

Resumo da 6ª parte: Devem cessar de imediato os benefícios fiscais encapotados à prática do dumping interno; na agricultura, era preferível poder produzir do que receber subsídios para estar parado; para Portugal, o interesse da Presidência da CE por Durão Barroso será apenas marginal; na acepção ocidental, o comunismo não é democrático. Discípulo: - Íamos começar a falar sobre o leque português das opções políticas. Mestre: - Português e europeu, “grosso modo”. Discípulo: - Estava a dizer que os comunistas não são democráticos . . . Mestre: - Estava a dizer isso e confirmo. Quem é comunista não é democrático; quem é democrático não é comunista. Essa incompatibilidade tem a ver com a teoria marxista da ditadura do proletariado. Não está em causa o modo de tomada de decisões dentro de um determinado grupo social onde a democracia pode ou não funcionar. Se na tomada de decisões não estiverem envolvidos todos os grupos sociais, então a democracia não existe. Havendo o domínio de um grupo sobre os outros, estamos a tratar de uma ditadura e não de uma democracia. Portanto, ou se é democrata ou se é comunista. A ambivalência é incompatível. Discípulo: - Então porque é que a democracia engloba os não democratas? Mestre: - Porque se o não fizesse deixava de ser democracia e passava a ser uma ditadura de uns quantos que se incluíam contra outros que eram excluídos. Discípulo: - Então a democracia devia incluir os fascistas. Mestre: - Se o não fizer, não é democracia. Discípulo: - Então, para si, no leque político português, quem é democrata? Mestre: - Referindo-me a quem tem representação parlamentar, os partidos democráticos são o PS, o PPD/PSD e o CDS-PP que são adversários entre si. Discípulo: - E os outros? Mestre: - Não são democráticos. Discípulo: - O Bloco de Esquerda e o PCP não pertencem à democracia? Mestre: - É claro que pertencem à democracia como qualquer partido da direita não democrática que pudesse existir. Discípulo: - O Integralismo Lusitano? Mestre: - Sei lá. Talvez esse ou outro qualquer. Mas isso são tudo pesadelos que exigem à democracia que se aprimore de modo a que essas tentações totalitárias não passem de minoritárias e que nem cheguem a ter expressão suficiente na sociedade para que possam sonhar em chegar ao Parlamento. É que se, por ironia do destino e para desgraça nacional, no Parlamento passasse a haver uma franja esquerda não democrática como a actual e outra de direita que também quisesse manipular a opinião de todos, então a confusão seria grande e o regime correria perigo. Discípulo: - Mas temos conseguido afastar esses perigos e a maioria absoluta é democrática. Mestre: - Felizmente essa é a realidade e creio que os eleitores portugueses dispõem hoje de um leque suficientemente variado de opções para que não seja necessário inventar mais partidos. Discípulo: - Então, como classifica essa variedade? Mestre: - Classifico-a com uma certa cautela na separação dos matizes. Discípulo: - Matizes? Mestre: - Sim, a maioria absoluta do nosso Parlamento tem origem filosófica marxista. Discípulo: - Como assim? Mestre: -O único partido que actualmente tem assento parlamentar e não tem qualquer origem filosófica marxista é o CDS-PP. Todos os outros, desde o Bloco de Esquerda ao PPD/PSD, são descendentes de Marx. Discípulo: - Pode explicar? Mestre: - Claro que posso e agradeço que não tenha dito “Pode-se explicar”. A corrente dominante nasceu no século XIX com Karl Marx que, na sequência da Revolução Industrial Inglesa, escreveu uma série de livros sobre a reorganização das relações laborais e do que resultou a reunião em 1872, na Haia, da I Internacional Socialista. A depuração começou logo aqui com a expulsão dos anarquistas, representados por Mikhaïl Bakunin. Mas em 1869 já havia sido constituído por três discípulos de Marx – Lasalle, Liebknecht e Bebel – o Partido Social-democrata dos Trabalhadores da Alemanha. A II Internacional Socialista reuniu em Paris no ano de 1889 mas não teve consensos suficientes e surgiram fracturas significativas entre as três correntes que se tinham reunido: os comunistas, os socialistas e os social-democratas. A III Internacional Socialista foi apenas comunista e reuniu em 1919 em Moscovo; a partir daí, os comunistas ficaram isolados mas ainda tiveram tempo de expulsar os trotskistas. Em 1923 constituiu-se a Internacional Trabalhista e Socialista; em 1951 reuniu em Frankfurt a IV Internacional Socialista em que se juntaram todos os que tinham origem marxista mas não pertenciam a nenhuma das facções entretanto autonomizadas. Discípulo: - E o que distingue essas correntes que se antagonizam tanto? Mestre: - No meio disto tudo há infantilidades tremendas do género do “tira-te tu para me pôr eu”. E tudo não passaria de antagonismos ridículos se por sua causa não tivessem morrido milhares e milhares de pessoas. A rivalidade entre Stalin e Trotsky foi meramente pessoal e os argumentos de que se fala não passam de simples tentativas de racionalização de atitudes canibalescas. Diz-se que Trotsky pretendia que a revolução comunista alastrasse de imediato a todo o mundo mas que Stalin queria uma primeira fase de consolidação da revolução na União Soviética; diz-se que Trotsky considerava o estalinismo um autêntico capitalismo de Estado servido por uma classe dirigente dispondo de inúmeros privilégios não extensíveis à classe operária. O método de organização do Estado Soviético e a oportunidade da abrangência da revolução não fazem doutrina. Entre Trotsky e Stalin não havia diferenças doutrinárias: eram comunistas e nada mais. As rivalidades resultaram apenas de a União Soviética ser pequena para duas pessoas que queriam desempenhar a mesma função. Trotsky conseguiu fugir para o México mas Stalin mandou matá-lo e fez dele um herói que ainda hoje tem seguidores. Discípulo: - Mas na perspectiva da doutrina económica, o que distingue os vários partidos com assento na Assembleia da República? Mestre: - Muito sinteticamente: o comunismo do PCP não autoriza a existência de propriedade privada, tudo é propriedade comum, ou seja, do Estado; no socialismo do PS, a propriedade dos meios de produção é pública; na social-democracia do PPD/PSD, a propriedade dos meios de produção pode ser privada mas submetida a uma forte carga fiscal. O Bloco de Esquerda não é um partido mas, como o próprio nome indica, um bloco pelo que lá dentro há várias perspectivas que não são exactamente iguais. No entanto, como são todos comunistas, não devem pactuar muito com a propriedade privada. Discípulo: - E o CDS-PP? Mestre: - A Democracia Cristã pretende que todos tenham de seu e não distingue a propriedade dos meios de produção da dos outros bens. O capitalismo popular, em que um mar de gente é accionista das grandes empresas com capital disperso em bolsa, é um modo de que a Democracia Cristã se serve para promover o bem-estar de uma parte significativa da população. Discípulo: - E é só isso que distingue os Partidos? Mestre: - Acha pouco? Há mais coisas, claro. Mas em síntese, é isto o essencial. Daqui resultam posicionamentos completamente diferentes, por exemplo, na esfera sindical, nas políticas de rendimentos e preços, nas de redistribuição do rendimento, na fiscalidade, etc. Tudo consequências de uma divisão inicial de perspectivas em relação à propriedade. Discípulo: - E nas outras políticas? Na Saúde, na Educação, etc.? Mestre: - Todos os partidos com assento parlamentar – e os outros, creio que também – se pronunciam sobre essas matérias numa base filosoficamente congruente e em que tudo tem a ver com a questão inicial. Desde os comunistas que entendem que o Estado deve fazer tudo até aos outros cada vez mais distantes em que cada um vai pedindo cada vez menos ao Estado. Discípulo: - Onde se enquadra a gestão privada dos hospitais? Mestre: - É uma solução que não põe em causa o Sistema Nacional de Saúde que é uma construção socialista. É apenas uma questão de gestão com o objectivo de melhorar a utilização dos recursos, de evitar aquilo a que eufemísticamente chamo desperdícios. Discípulo: - Que género de desperdícios? Mestre: - Falta de produtividade e filas de espera a perder vidas. Em segundo plano, desperdícios materiais por falta de controlo empresarial. Discípulo: - Mas acha que esta solução da gestão privada dos hospitais é suficiente para corrigir tanta coisa que se diz estar errada? Mestre: - Creio que é necessária mas duvido que seja suficiente Discípulo: - Quer explicar? Mestre: - Sim, quero mas teremos que fazer aqui um breve intervalo. Lisboa, Julho de 2004 Henrique Salles da Fonseca A 8ª parte será publicada brevemente.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D