Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

HISTÓRIAS DA MINHA MÃE GANSA

 La sortie du bestiaire Ma mère l’oie

«O castelo de cartas»

 

É um conto de Florian que me deu no goto

Por o achar um tanto roto

Não só porque já nem se encontram famílias assim,

Amantes de um viver tão feito de elevação sem fim,

Como se lia nas histórias infantis de antigamente,

Mas porque há nele um ponto de discordância fulcral

No entendimento da gente,

Embora não geral:

 

Um marido excelente, sua mulher e os dois lindos filhos

Passavam em paz os seus dias, numa modesta casinha,

Onde tinham vivido os pais, tal como eles,

Em harmonia.

Os esposos, partilhando os arranjos da casinha,

Cultivavam a sua horta, faziam a ceifa,

Com valentia,

E à noite, no verão, comendo sob a parreira,

No inverno, frente à lareira,

Ensinavam aos filhos a virtude, a sabedoria,

Falavam-lhes da felicidade que sempre se obtém

Com o Bem:

O pai, com um conto, alegrava os seus dizeres,

A mãe, numa carícia, os seus olhares.

O filho mais velho, de feitio sério, aplicado

Lia e meditava sem cessar;

O mais novo vivo, gentil, um pouco estouvado,

Saltava, ria, só feliz nos seus jogos, a brincar.

Uma noite, segundo o costume, ao lado do pai,

Sentado a uma mesa onde se apoiava a mãe,

O mais velho lia Rollin, o mais novo, pouco interessado

Em aprender os altos feitos dos romanos ou dos partas,

Empregava a sua arte, a sua concentração,

A erguer, a unir pelos quatro lados,

Um frágil castelo de cartas.

Ele mal respirava, no seu medo, na sua preocupação

De o castelo de cartas destruir.

De repente, eis o mano leitor

Que se interrompe: “papá, diz-me cá:

Porque é que certos guerreiros se chamam conquistadores

E outros fundadores de impérios?

Estes nomes são assim tão diferentes?”

O pai, mente aberta,

Meditava uma resposta certa,

Quando o filho mais novo, radiante de alegria

Por ter conseguido depois de tanta canseira

Colocar no seu castelo o segundo andar,

Exclamou: Acabou!,

E o irmão, resmungando, se zangara,

E de um só golpe a sua obra destruíra,

E o mais novo chorara.

“Meu filho, o pai então respondeu.

O teu irmão é o fundador,

Tu, o conquistador.”

 

Não sei se a resposta do pai estava certa

Pois que a história antiga e a moderna

Informa que muitas vezes os fundadores

Se confundem com os conquistadores.

O próprio Cristo conquistou as almas

Embora com outras armas

Sendo um extraordinário Fundador.

Sempre os impérios se fundaram

Por conta dos que os conquistaram.

Ou vice-versa, embora os destruidores

Também sejam considerados fundadores

De outros manes e de outros lares,

Juntamente com os seus pares.

Veja-se a quantidade de fundadores

De Fundações não dependentes

De conquistadores de coisa alguma,

Mas de angariadores de bens próprios

Por aproveitadores que se lançaram

Na derrocada do império

Que os antepassados conquistaram

E fundaram!

Fundação, a grande conquista da nação,

Após a sua destruição,

Sem que ninguém lhes venha à mão

Por especial consideração

Que, em minha opinião,

Não tem razão.

Nem perdão.

 

 Berta Brás

 

Ravel - «Ma mère l'oie»: http://www.youtube.com/watch?v=gzJ_-6I5JgY

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D