Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

UMA OBRA DE AMOR

 

 

 

 

Tal é “Exsurge, Deus” de Henrique Salles da Fonseca.

 

Na escolha do tema, no avultado da pesquisa e recolha de dados, na originalidade da exposição, na leveza, por vezes, do discurso subjectivo, onde o humor e a ironia perpassam, com claro sentido de paralelismo com uma actualidade que talvez necessite de manter resquícios de crenças ou de esperanças messiânicas…

 

A originalidade da sua exposição, com as divisórias modestas, como de guião apressado: nº 1 – “TEMAS CHAVE” («quem foi quem e o que foram as coisas»), tópicos orientadores ou definições, e fotografias acompanhando referências a pessoas ou locais ou insígnias - seguidas de «BIBLIOGRAFIA. Um discurso mais sequencial, vindo a seguir: no nº 2 – «NA POLÓNIA» («onde nasceram as Monita Secreta, livro que serviu para criar ódio à Companhia de Jesus»), no nº 3 - «NO MUNDO» («onde se trata da guerra que sempre existiu dentro da Igreja entre os conservadores beneditinos e dominicanos e os “progressistas” jesuítas») e se apontam os papas que tiveram influência sobre a vida de Vieira e dos reis portugueses – e espanhóis – durante a Restauração.

 

O nº 4 – «EM PORTUGAL», de texto em negrito («Onde se referem as circunstâncias políticas durante os reinados de Filipe III, D. João IV e D. Afonso VI que motivaram a ida do P. António Vieira a julgamento pela Inquisição)», que inclui a biografia de Vieira e excertos dos Sermões («Sermão pelo Bom Sucesso das Armas de Portugal contra as de Holanda», que fez de Vieira “o verdadeiro herói da restauração portuguesa no Brasil”) , Filipe III- Rei de Portugal, (1605-1665); D. João IV (oitavo duque de Bragança, nasceu em Vila Viçosa a 19 de Março de 1604 e morreu em Lisboa a 6 de Novembro de 1656), que chama Vieira para confessor e o nomeia embaixador de Portugal junto à Santa Sé, para advogar a causa da independência.

 

Vieira suscita invejas, pronuncia sermões de defesa dos cristãos novos e contra a escravatura, ataca a ignorância e o pedantismo oratório do clero no Sermão da Sexagésima, é diplomata na Holanda, na França, em Roma, defende a aceitação da independência portuguesa pelos estados europeus e a Santa Sé, a isso renitentes. Numa carta a um, “amigo e colega jesuíta – D. André Fernandes, então Confessor da Rainha viúva – D. Luísa Gusmão - e bispo eleito do Japão” defende a formação do Quinto Império do Mundo” sob a égide de D. João IV, (e na sucessão do “Assírio, do Persa, Do Grego e do Romano”), crente na ressurreição de D. João IV, segundo provara o sapateiro Bandarra, um verdadeiro profeta.

 

5: Seguem-se as Trovas do Bandarra e a brilhante descodificação e interpretação de Vieira, no sentido da demonstração do “Quinto Império”, de que não resisto a transcrever as quase finais estrofes comprovativas:

 

«Portugal tem a bandeira / Com cinco quinas no meio, / E segundo ouço e creio / Ele é a cabeceira; / Tem das chagas a cimeira / Que em Calvário lhe foi dada, / E será rei da manada / Que vem de longa carreira.»

 

“À vitória dos Turcos e redução dos Judeus se seguirá também a extirpação das heresias por meio deste glorioso príncipe. Bandarra nas trovas do fim:”

 

«Vejo erguer um grão rei / Todo bem-aventurado, / E será tão prosperado / Que defenderá a grei; /Este guardará a lei / De todas as heresias, / Derrubará as fantasias / Dos que guardam o que não sei.»

 

«Todos terão um amor, / Assim gentios pagãos / Como judeus e cristãos, / Sem jamais haver error. / Servirão a um só Senhor, / Jesus Cristo que nomeio; / Todos crerão que já veio / O ungido Salvador.»

 

Morre D. João IV, o seu protector, Vieira cai em desgraça, a ponto de ser preso pela Inquisição:

 

«Quando Vieira chega ao Reino encontra um ambiente que lhe é claramente hostil. Todos os seus inimigos são importantes. É abruptamente afastado e em 1662 enviado para o Porto de modo a não ter qualquer influência na Corte. E dá-se o grande absurdo de um português em bolandas pelo mundo em obra de engrandecimento da Fé e da Pátria se resguardar em Portugal julgando que chega a casa onde pode ficar tranquilo e ser afinal trucidado por uma máquina gigantesca… de mesquinhez.»

 

«Mérito seja entretanto reconhecido a Castelo Melhor que se tornara o verdadeiro governante, pois reorganizou as finanças e praticamente completou a obra da Restauração vencendo os espanhóis no Ameixial em 1659, em Castelo Rodrigo em 1664 e em Montes Claros em 1665.»

 

          O capítulo 6 contém as referências às andanças de Vieira, liberto das garras da Inquisição, em Roma, na busca do “reconhecimento da soberania portuguesa (só obtido em 1669, pelo papa Clemente IX) e de um salvo-conduto que o tornasse a ele próprio imune à famigerada Inquisição”, referências à amizade com Cristina da Suécia, ao confronto entre o universo cultural de modernização e progresso no estrangeiro e o universo português tacanho, dogmático e cada vez mais envilecido e distanciado daquele, referência aos muitos sofrimentos de Vieira no Brasil, à sua morte, em 18 de Julho de 1697.

 

Termina o livro com a frase “EXSURGE DEUS, JUDICA CAUSAM TUAM”, «inscrição latina no lintel da porta principal do Tribunal do Santo Ofício da Inquisição de Évora, que em português comum significa: LEVANTA-TE DEUS , JULGA A TUA CAUSA»

 

Depreende-se que, na opinião de Salles da Fonseca, o julgamento de Deus será bem positivo, pois só uma admiração grande por uma figura tão extraordinária possibilitaria um tão árduo trabalho, com a transcrição do emaranhado das trovas do Bandarra e a densa argumentação de Vieira comprovativa das profecias daquele.

 

Vários excertos apetecia citar da obra “EXSURGE, DEUS”, título com o seu quê de irónico, de quem não receia o julgamento. Transcrevo o seguinte passo tão expressivo da argúcia narrativa e argumentativa de Salles da Fonseca:

 

«Pregação da Palavra ou doutrinação política? Divinização do poder régio? Houve quem gostasse de ouvir, a começar pelo próprio Rei; houve quem não ouvisse bem o que foi dito pois estaria mais interessado em ser visto na Capela Real como membro da Corte do que prestar atenção a um sermão tão comprido . . . mal disfarçando um ou outro bocejo; houve quem não entendesse nada do que foi dito por estar munido de capito diminutia e as rendas e bordados serem o motivo do raciocínio mais elaborado que alcançaria; mas também houve quem entendesse muito bem o que ouviu e não gostasse da teologia da profecia. Julgar-se-ia o novo Pregador oficial da Corte um par de Nostradamus? Disparate; não passava de um bandarreiro qualquer vindo lá dos sertões (alusão pejorativa a Gonçalo Eanes, o Bandarra, sapateiro de Trancoso, trovador, profeta: 1500? -1556) dos brasis falando guaranis e sem hábitos de convivência com pessoas civilizadas. Então o Rei não tinha cá Padres capazes de servirem na Corte? Logo tinha que dar o cargo a um índio cheio de sotaques!

 

«As críticas motivadas pela inveja podem ser infundadas e, portanto, injustas mas produzem resultados habitualmente funestos. É típico de Portugal apear qualquer um que se distinga em vez de o aplaudir. Não se trata de uma questão teológica ou sequer biológica mas apenas de um tique de mediocridade. Não será esta uma das causas principais do nosso atávico subdesenvolvimento? E há quem diga que Portugal é um País muito católico…a inveja é pecado e, afinal, é por cá tão costumeira. Grandes católicos ou ignaros e mesquinhos? Se a isso juntarmos a coragem dos que rompem com a mediocridade e mesquinhez e emigram, dá para crer que os que ficam são precisamente os que não têm coragem e se conformam com essas mesmas mediocridade e mesquinhez. Portanto, os que ficam é porque têm de seu ou porque são medíocres e mesquinhos. Ah! Também há os herdados que não prestam e com alguma presteza “distribuem” a herança por credores e gatunos. Terá sido exactamente por esse tipo de razões que D. João chamou António Vieira para junto de si: ele não emigrara deliberadamente pois que era então uma criança e se limitara a acompanhar os pais mas vira entretanto muitos outros horizontes, tinha uma grande experiência de vida, experimentara a força da natureza em naufrágios e nas florestas amazónicas, era um grande pregador e sobretudo já era um herói da restauração portuguesa no Brasil. Bastaria esta última referência para que D. João entendesse como sendo da mais elementar justiça dar a António Vieira uma recompensa. E que melhor estatuto do que a de amigo do Rei e seu embaixador especial? Mas, para além da recompensa, estava em causa o interesse do então periclitante reino e esse, mais do que nunca, necessitava de homens inteligentes, cultos, experientes e corajosos. Se a essas características se juntasse a facilidade da palavra, tinha-se António Vieira em pessoa a ajudar o seu Rei e amigo.»

 

Finalizo com um conhecido excerto do “Sermão da Sexagésima”, desse autêntico virtuose da palavra, que foi o P. António Vieira, excerto bem comprovativo, (no brilho do seu discurso), de que mereceu inteiramente o entusiasmo e a dedicação de Salles da Fonseca no trabalho extraordinário de divulgação que dele fez:

 

«Fábula tem duas significações: quer dizer fingimento e quer dizer comédia; e tudo são muitas pregações deste tempo. São fingimento, porque são subtilezas e pensamentos aéreos, sem fundamento de verdade; são comédia, porque os ouvintes vêm à pregação como à comédia; e há pregadores que vêm ao púlpito como comediantes.

 

Uma das felicidades que se contava entre as do tempo presente era acabarem-se as comédias em Portugal; mas não foi assim. Não se acabaram, mudaram-se; passaram do teatro ao púlpito. Não cuideis que encareça em chamar comédias a muitas pregações das que hoje se usam. Tomara ter aqui as comédias de Plauto, de Terêncio, de Séneca, e veríeis se não acháveis nelas muitos desenganos da vida e vaidade do Mundo, muitos pontos de doutrina moral, muito mais verdadeiros e muito mais sólidos, do que hoje se ouvem nos púlpitos. Grande miséria por certo, que se achem maiores documentos para a vida nos versos de um poeta profano e gentio, que nas pregações de um orador cristão, e muitas vezes, sobre cristão, religioso! Pouco disse S. Paulo em lhe chamar comédia, porque muitos sermões há que não são comédia, são farsa.

 

Sobe talvez ao púlpito um pregador dos que professam ser mortos ao Mundo, vestido ou amortalhado em um hábito de penitência (que todos, mais ou menos ásperos, são de penitência; e todos, desde o dia que os professamos, mortalhas); a vista é de horror, o nome de reverência, a matéria de compunção, a dignidade de oráculo, o lugar e a expectação de silêncio; e quando este se rompeu, que é o que se ouve? Se neste auditório estivesse um estrangeiro que nos não conhecesse e visse entrar este homem a falar em público naqueles trajos e em tal lugar, cuidaria que havia de ouvir uma trombeta do Céu; que cada palavra sua havia de ser um raio para os corações, que havia de pregar com o zelo e com o fervor de um Elias, que com a voz, com o gesto e com as acções havia de fazer em pó e em cinza os vícios. Isto havia de cuidar o estrangeiro. E nós que é o que vemos? – Vemos sair da boca daquele homem, assim naqueles trajos, uma voz muito afectada e muito polida, e logo começar com muito desgarro, a quê? – A motivar desvelos, a acreditar empenhos, a requintar finezas, a lisonjear precipícios, a brilhar auroras, a derreter cristais, a desmaiar jasmins, a toucar Primaveras, e outras mil indignidades destas.

 

Não é isto farsa mais digna de riso, se não fora tanto para chorar? Na comédia o rei veste como rei e fala como rei; o lacaio veste como lacaio e fala como lacaio; o rústico veste como rústico e fala como rústico; mas um pregador, vestir como religioso e falar como... não o quero dizer, por reverência do lugar. Já que o púlpito é teatro, e o sermão comédia se quer, não faremos bem a figura? Não dirão as palavras com o vestido e com o ofício? Assim pregava S. Paulo, assim pregavam aqueles patriarcas que se vestiram e nos vestiram destes hábitos? Não louvamos e não admiramos o seu pregar? Não nos prezamos de seus filhos? Pois porque não os imitamos? Porque não pregamos como eles pregavam? Neste mesmo púlpito pregou S. Francisco Xavier, neste mesmo púlpito pregou S. Francisco de Borja; e eu, que tenho o mesmo hábito, porque não pregarei a sua doutrina, já que me falta o seu espírito?»

 

JUDICA CAUSAM TUAM

 

Fevereiro de 2013

 

 Berta Brás

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D