Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Os bolinhos pequenos e o bolo grande

 forma para cortar bolo fatias oquecomerhoje Kit prático para cortar bolos em fatias para rechear

 

O governo anunciou que é necessário cortar 4 mil milhões de euros no orçamento do estado para 2013. Esses cortes teriam de incidir principalmente na saúde, na educação e na segurança social. Tem sido declarado que o chamado estado social é insustentável e que os cidadãos, para além dos impostos que pagam e que, alegam, são insuficientes para suportar tais encargos, terão de pagar mais a serviços do estado como saúde e propinas. E, mesmo pagando mais a esses serviços, o estado não tem capacidade orçamental suficiente e terão de recorrer a privados.

 

Nessa ordem de ideias, encerraram-se serviços, como Centros de Saúde e outros, extinguiu-se o Abono de Família e iniciou-se um intensa fúria de privatizações, algumas de grande importância para o estado, a que já vi ser dado o nome de privataria. E a culpa disso ser necessário é atribuída ao maldito “estado social”.

 

Como creio que um dos maiores pesos nos gastos da segurança social é o desemprego, já me atrevi a dar duas sugestões para reduzir enormemente esse encargo.

 

Para a segunda sugestão, terminava com a pergunta do que é que sucederia às nossas finanças e à nossa economia se tal se concretizasse. Não obtive qualquer resposta.

 

É costume ver apresentar certos indicadores da economia e das finanças, não com os seus valores absolutos, mas em percentagem do PIB. Tem lógica essa forma de apresentar valores porque a evolução do PIB, por exemplo, seja em crescimento positivo ou negativo, diz muito sobre a situação da economia, que também se vai refletir nas finanças. Para o caso em análise, vale a pena fazer uma outra relação, que se afigura muito mais reveladora da realidade. Vejamos qual é o peso daqueles três ministérios – Saúde, Educação e Segurança Social, os componentes do maldito “estado social” – em percentagem do total do orçamento.

 

A despesa total indicada no orçamento para 2013 é de

183 752 214 568 euros.

 

A despesa, em euros, de cada um dos três ministérios e a respectiva percentagem do orçamento é a seguinte:


SAÚDE                            7 873 010 760       4,285 %


EDUCAÇÃO E CIÊNCIA   7 030 690 262       3,826 %

 

SOLIDARIEDADE E DA

  SEGURANÇA SOCIAL    8 878 317 054       4,832 %


Verifica-se, portanto, que o conjunto dos três ministérios responsáveis pelo maldito “estado social” apenas consome 12,923 % do total da despesa orçamentada para 2013. Isto prova que não é verdade a incapacidade do estado para manter o estado social pois, como se verifica, ele é uma parcela pequena do total do orçamento e que, pelo contrário, o estado pode e deve investir mais nestes sectores que, aliás, até são bons investimentos. Pergunta-se: porque é que não vão cortar os 4 mil milhões nos restantes 87 %


Conclui-se que o governo quer cortar muito nos bolinhos pequenos e quase nada no bolo grande.

 

 Miguel Mota

Publicado no Público de 24 de Fevereiro de 2013

 

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D