Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

A DANÇA DOS NAVEGADORES

 

Que povo pode escrever na sua História, com letras de ouro, alguns dos primeiros, alegres e carinhosos encontros com novas gentes, como aconteceu com os portugueses?

 

Convidar um “selvagem” para ir comer a bordo, na mesa com o Capitão, deixá-los passar a noite a dormir a bordo, e no dia seguinte mandá-los de volta a terra, todos elegantemente vestidos e com presentes; quem mais fez isso?

 

E logo nos primeiros contactos saírem a terra e aos som de músicas nativas e portuguesas dançarem juntos?

 

Vasco da Gama e Pedro Álvares Cabral

As primeiras danças com nova gente

 

 

 Vasco da Gama *

 

À terça feira, (7 de Novembro, 1497) houvemos vista duma terra baixa e que tinha grande baía... à qual puseram o nome de Baía de Santa Helena. (Ainda hoje assim se chama e aí foi morto em 1510 D. Francisco de Almeida).

 

À quarta-feira lançámos âncora e estivémos oito dias limpando os navios, corrigindo velas e colhendo lenha.

 

Nesta terra há homens baços, que não comem senão lobos marinhos e baleias, e carne de gazelas e ervas, e andam cobertos com peles e trazem umas bainhas em suas naturas, e têm muitos cães como os de Portugal e assim ladram.

 

Ao outro dia que foi à quinta-feira saímos em terra com o capitão-mor e tomámos um homem daqueles, o qual era pequeno de corpo e se parecia com Sancho Mexia; e andava apanhando mel na charneca, porque as abelhas naquela terra o fazem ao pé das moitas, e levámo-lo à nau do capitão-mor, o qual o pôs con­sigo à mesa, e de tudo o que nós comíamos comia ele.

 

E ao outro dia (Novembro 10) o capitão-mor o vestiu muito bem e o mandou pôr em terra.

 

E ao outro dia seguinte vieram 14 ou 15 deles aqui onde tínhamos os navios. E o capitão-mor foi em terra, e mos­trou-lhes muitas mercadorias para saber se havia naquela terra alguma daquelas coisas. E as mercadorias eram canela, e cravo, e aljôfar, e ouro e assim outras coisas, e eles não entenderam em aquelas mercadorias nada, como homens que nunca as vi­ram; pelo qual o capitão-mor lhes deu cascavéis (guizos) e anéis de estanho. E isto foi à sexta-feira [Novembro 10] e isso mesmo ao sábado seguinte.

 

E ao domingo [Novembro 12) vieram obra de 40 ou 50 deles, e nós, depois que jantámos, saímos em terra e, com ceitis que levávamos, resgatámos conchas que eles traziam nas orelhas, que pareciam prateadas, e rabos de raposa, que tra­ziam metidos em uns paus, com que abanavam o rosto. Onde eu resgatei uma bainha, que um deles trazia em sua natura, por um ceitil; pelo qual nos parecia que eles prezavam o cobre, porque eles mesmos traziam umas continhas dele nas orelhas.

 

Nesse mesmo dia um Fernão Veloso, que ia com o capitão-mor, desejava muito ir com eles a suas casas, para saber de que maneira viviam e que comiam ou que vida era a sua. E pediu por mercê ao capitão-mor lhe desse licença para ir com eles a suas casas. E o capitão, vendo-se importunado dele, que o não deixava senão que lhe desse licença, o deixou ir com eles; e nós tornámos ao navio do capitão-mor a cear, e ele se foi com os ditos negros. E, tanto que eles de nós foram apartados, tomaram um lobo marinho e foram-se ao pé duma serra, em uma charneca, e assaram o lobo marinho; e deram dele ao Fernão Veloso, que ia com eles, e das raízes de ervas que eles comiam. E, acabado de comer, disseram-lhe que se viesse para os navios; e não quiseram que fosse com eles.

 

E o dito Femão Veloso, como veio em direito dos navios, começou logo de chamar e eles ficaram metidos pelo mato. E nós estávamos ainda ceando e, quando o ouvimos, deixaram logo os capitães de comer e nós outros com eles, e metemo-nos na barca à vela; e os negros começaram de correr ao longo da praia e foram tão prestes, com o dito Femão Veloso, como nós. Em nós o querendo recolher eles nos começaram a atirar com umas zagaias, que traziam, onde foi ferido o capitão-mor e 3 ou 4 homens.

 

E isto porque nós fiávamos deles, parecendo-nos que eram homens de pequeno coração e que não se atreveriam a come­ter o que depois fizeram, pelo qual íamos desapercebidos de armas. Então nos recolhemos aos navios.

 

E, tanto que tivemos os nossos navios aparelhados e lim­pos e lenha tomada, nós partimos desta terra...

 

Em 25 dias do mês de Dezembro, um sábado à tarde, dia de Santa Catarina. Entrámos na angra de São Brás (hoje Mossel Bay) onde estivemos treze dias, porque nesta angra desfizémos a nau que levava os mantimentos e os recolhemos aos navios.

 

À sexta-feira seguinte [Dezembro 1], estando nós ainda na dita angra de São Braz, vieram obra de 90 homens baços, da arte daqueles da angra de Santa Helena; e andava (parte) deles ao longo da praia e [parte) deles ficava pelos outeiros. E nós estávamos todos, ou a maior parte de nós, a este tempo na nau do capitão-mor. E, como os vimos, fomos em terra em os batéis, os quais levávamos muito bem armados. E, como fomos junto com a terra, o capitão-mor lhes lançava cascavéis pela praia fora e eles os tomavam. E não somente tomavam os que lhe lançavam, mas vinham por eles a tomá-los da mão do capitão-mor. Do que nós ficámos muito maravilhados porque, quando Bartolomeu Dias aqui esteve, eles fugiam dele e não tomavam nenhuma coisa daquelas que lhes ele dava. Mas an­tes, um dia, em (que) ele tomava água em uma aguada, que aqui está muito boa à beira do mar, eles lha defenderam às pedradas de cima de um outeiro que está sobre esta aguada, e Bartolomeu Dias lhes atirou com uma besta e matou um deles. E, ao que supusemos, não fugirem de nós foi que nos pareceu que houveram novas dos da angra de Santa He­lena, onde nós primeiro estivemos, que são duma terra à outra 60 léguas por mar, como nós éramos homens que não fazíamos mal mas antes dávamos do nosso.

 

E o capitão-mor não quis sair em terra, porque esta, onde os negros estavam, (era) um mato grande, e mudou-lhe o posto. E fomos pousar a outro lugar descoberto e ali saiu; e acená­mos aos negros que fossem para onde nós íamos, e eles foram. E o capitão-mor com os outros capitães saíram em terra, com gente armada onde iam alguns com bestas. E o capitão-mor lhes mandou então que se apartassem e que viessem, um ou dois deles, e isto por acenos, E, àqueles que vieram, o capitão lhes deu cascavéis e barretes vermelhos, e eles nos davam ma­nilhas de marfim, que traziam nos braços, porque nesta terra, segundo nos parece, há muitos elefantes; e nós achávamos o estrabo (estábulo) deles bem a carão da aguada, onde eles vinham beber.

 

Ao sábado (Dezembro 2) vieram obra de 200 negros, entre grandes e pequenos, e traziam obra de doze reses, entre bois e vacas, e quatro ou cinco carneiros; e nós como os vimos, fomos logo em terra, E eles começaram logo de tanger qua­tro ou cinco flautas, e uns tangiam alto e outros baixo, em maneira que concertavam muito bem para negros de que se não espera música; e bailavam como negros. E o capitão-mor mandou tanger as trombetas e nós, em os batéis, bailávamos e o capitão-mor de volta connosco. E, depois de acabada a festa, nós fomos em terra onde (tínhamos ido) da outra vez, e ali resgatámos um boi negro por três manilhas, o qual jan­támos ao domingo; e era muito gordo, e a carne dele era sa­borosa como a de Portugal.

 

Ao domingo (Dezembro 3) vieram outros tantos, e tra­ziam as mulheres consigo e moços pequenos; e as mulheres estavam em cima de um alto, perto do mar, e traziam muitos bois e vacas. E puseram-se em dois lugares, ao longo do mar, e tangiam e bailavam como ao sábado. E o costume destes homens é os moços ficarem no mato com as armas. E os ho­mens vieram a falar connosco, e traziam uns paus curtos nas mãos e uns rabos de raposa, com os quais abanavam o rosto. E nós, estando assim à fala por acenos, vimos andar por entre o mato os moços, agachados e traziam armas nas mãos.

 

 

 Pedro Álvares Cabral **

 

E o Capitão mandou em terra a Nicolau Coelho para ver aquele rio. E tanto que ele começou a ir-se para lá, acudiram pela praia homens aos dois e aos três, de maneira que, quando o batel chegou à boca do rio, já lá estavam dezoito ou vinte.

 

Pardos, nus, sem coisa alguma que lhes cobrisse suas vergonhas. Traziam arcos nas mãos, e suas setas. Vinham todos rijamente em direcção ao batel. E Nicolau Coelho lhes fez sinal que pousassem os arcos. E eles os depuseram. Mas não pôde deles haver fala nem entendimento que aproveitasse, por o mar quebrar na costa. Somente arremessou-lhe um barrete vermelho e uma carapuça de linho que levava na cabeça, e um sombreiro preto. E um deles lhe arremessou um sombreiro de penas de ave, compridas, com uma copazinha de penas vermelhas e pardas, como de papagaio. E outro lhe deu um ramal grande de continhas brancas, miúdas que querem parecer de aljôfar, as quais peças creio que o Capitão manda a Vossa Alteza. E com isto se volveu às naus por ser tarde.

 

E estando Afonso Lopes, nosso piloto, em um daqueles navios pequenos, foi mandado do Capitão, por ser homem vivo e destro para isso, meter-se logo no esquife a sondar o porto dentro; e tomou dois daqueles homens da terra, mancebos e de bons corpos, que estavam numa almadia. Um deles trazia um arco e seis ou sete setas; e na praia andavam muitos com seus arcos e setas; mas de nada lhes serviram. Logo, já de noite, levou-os à Capitaina, onde foram recebidos com muito prazer e festa.

 

A feição deles é serem pardos, maneira de avermelhados, de bons rostos e bons narizes, bem-feitos. Andam nus, sem nenhuma cobertura. Nem estimam de cobrir ou de mostrar suas vergonhas; e nisso têm tanta inocência como em mostrar o rosto.

 

O Capitão, quando eles vieram, estava sentado em uma cadeira, bem vestido, com um colar de ouro mui grande ao pescoço, e aos pés uma alcatifa por estrado. Sancho de Tovar, Simão de Miranda, Nicolau Coelho, Aires Correia, e nós outros que aqui na nau com ele vamos, sentados no chão, pela alcatifa. Acenderam-se tochas. Entraram. Mas não fizeram sinal de cortesia, nem de falar ao Capitão nem a ninguém. Porém um deles pôs olho no colar do Capitão, e começou de acenar com a mão para a terra e depois para o colar, como que nos dizendo que ali havia ouro. Também olhou para um castiçal de prata e assim mesmo acenava para a terra e novamente para o castiçal como se lá também houvesse prata.

 

Mostraram-lhes um papagaio pardo que o Capitão traz consigo; tomaram-no logo na mão e acenaram para a terra, como quem diz que os havia ali. Mostraram-lhes um carneiro: não fizeram caso. Mostraram-lhes uma galinha, quase tiveram medo dela: não lhe queriam pôr a mão; e depois a tomaram como que espantados.

 

Deram-lhes ali de comer: pão e peixe cozido, confeitos, fartéis, mel e figos passados. Não quiseram comer quase nada daquilo; e, se alguma coisa provaram, logo a lançaram fora.

 

Trouxeram-lhes vinho numa taça; mal lhe puseram a boca; não gostaram nada, nem quiseram mais. Trouxeram-lhes a água em uma albarrada. Não beberam. Mal a tomaram na boca, que lavaram, e logo a lançaram fora.

 

Viu um deles umas contas de rosário, brancas; acenou que lhas dessem, folgou muito com elas, e lançou-as ao pescoço. Depois tirou-as e enrolou-as no braço e acenava para a terra e de novo para as contas e para o colar do Capitão, como dizendo que dariam ouro por aquilo.

 

Isto tomávamos nós assim por assim o desejarmos. Mas se ele queria dizer que levaria as contas e mais o colar, isto não o queríamos nós entender, porque não lho havíamos de dar. E depois tornou as contas a quem lhas dera.

 

Então estiraram-se de costas na alcatifa, a dormir, sem buscarem maneira de cobrirem suas vergonhas, as quais não eram fanadas; e as cabeleiras delas estavam bem rapadas e feitas. O Capitão lhes mandou pôr por baixo das cabeças seus coxins; e o da cabeleira esforçava-se por não a quebrar. E lançaram-lhes um manto por cima; e eles consentiram, quedaram-se e dormiram.

 

Ao sábado pela manhã mandou o Capitão fazer vela, e fomos demandar a entrada, a qual era mui larga e alta de seis a sete braças. E tanto que as naus quedaram ancoradas, todos os capitães vieram a esta nau do Capitão-mor. E daqui mandou o Capitão a Nicolau Coelho e Bartolomeu Dias que fossem em terra e levassem aqueles dois homens e os deixassem ir com seu arco e setas, e isto depois fez dar a cada um sua camisa nova, sua carapuça vermelha e um rosário de contas brancas de osso, que eles levaram nos braços, seus cascavéis e suas campainhas. E mandou com eles, para lá ficar, um mancebo degredado, criado de D. João Telo, a que chamam Afonso Ribeiro, para lá andar com eles e saber de seu viver e maneiras. E a mim mandou que fosse com Nicolau Coelho.

 

Fomos assim de frecha direitos à praia. Ali acudiram logo obra de duzentos homens, todos nus, e com arcos e setas nas mãos. Aqueles que nós levávamos acenaram-lhes que se afastassem e pousassem os arcos; e eles os pousaram, mas não se afastaram muito. E mal pousaram os arcos, logo saíram os que nós levávamos, e o mancebo degredado com eles.

 

Além do rio, andavam muitos deles dançando e folgando, uns diante dos outros, sem se tomarem pelas mãos. E faziam-no bem. Passou-se então além do rio Diogo Dias, almoxarife que foi de Sacavém, que é homem gracioso e de prazer; e levou consigo um gaiteiro nosso com sua gaita. E meteu-se com eles a dançar, tomando-os pelas mãos; e eles folgavam e riam, e andavam com ele muito bem ao som da gaita. Depois de dançarem, fez-lhes ali, andando no chão, muitas voltas ligeiras, e salto real, de que eles se espantavam e riam e folgavam muito. E conquanto com aquilo muito os segurou e afagou, tomavam logo uma esquiveza como de animais monteses, e foram-

se para cima.

 

* Roteiro da Primeira Viagem de Vasco da Gama, por Álvaro Velho

 

** Carta de Pêro Vaz de Caminha)

 

Rio de Janeiro, 5 Fev. 13

 

 Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D