Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

E se nós fizéssemos um clube?

 

 

        Intima-me o engenheiro António Félix da Cruz a enviar-lhe um artigo sobre o mesmo assunto de um que publiquei num dos últimos números da Gazeta das Aldeias: “Os clubes agrícolas para a juventude”.

 

Resolvi, então, dirigir estas palavras não a ele, nem aos agricultores, mas sim a todos os rapazes e raparigas que vivem no campo, principalmente aos que têm contacto com a lavoura e seja qual for a sua categoria social.

 

Vim aqui exactamente para lhes dizer:

 

E se nos fizéssemos um clube?. . .

 

Mas não se trata dum clube de futebol ou de outro género semelhante. Trata-se, muito simplesmente, disto: um clube agrícola.

 

Estou mesmo a ver que vocês já estão a pensar:

- Mas que diabo quer ele que a gente faça num clube desses? Que andemos a brincar aos lavradores?

Pois é exactamente isso, ou, pelo meno s, uma coisa semelhante.

 

Desde que haja uma dúzia de rapazes e raparigas que queiram fazer alguma coisa, o clube já tem possibilidades de vida. Imaginemos, pois, que estão ao pé de mim esses dez ou doze jovens e que lhes tenho que explicar o que é e como vai ser o nosso clube.

 

Como regra, é conveniente que não pertençam ao clube os homens já feitos, assim como não parece lógico que façam parte dele crianças de mama. Parece-me que dos 10 aos 20 anos é uma idade boa.

 

Vocês, no vosso clube, vão fazer coisas tal e qual como se fossem pequenos lavradores mas, lembrem-se! os trabalhos são para ser feitos pelas vossas próprias mãos.

 

Claro que têm que aprender, mas já tratamos disso.

 

A primeira coisa é arranjar onde exercer a “actividade”. De quase todos vocês o pai é lavrador. Não será fácil conseguir que ele lhes empreste um talhão para cultivarem? Pensará, naturalmente, que são uns metros quadrados de terreno deitados fora mas... talvez não. E os produtos que conseguirem colher nessa horta podem vendê-los... à própria família. O que pode suceder é o pai depois exigir o "aluguer” do terreno, mas uma “lavoura” tecnicamente bem montada deve dar para isso...

 

Para os outros, os que não têm à mão um terreno, é preciso arranjar qualquer coisa... Espera! Estou-me a lembrar agora daquele bocado de chão mesmo junto a escola, que pertence ao Joaquim da Silva. Ele nem cultiva aquilo, não lhe faz falta nenhuma, de forma que talvez não se importe de o emprestar dizendo-se para o que é. E até os miúdos da escola, nos intervalos, são capazes de dar uma ajuda.

 

As raparigas ? Pois claro que também! Um sacho e um ancinho não fazem mal a ninguém. Estragam o verniz das unhas ? Deixem lá isso! Lavrem-nas bem, depois do trabalho e digam-me se até não ficam mais bonitas. E que diriam a fazer também umas compotazinhas saborosas no tempo em que a fruta é barata? Hein? Já havia sobremesa para o jantar de confraternização dos sócios do clube...

 

Tu, que tens aquele quintalório junto à casa podes construir ali um cortelho higiénico (não és agora capaz de fazer de pedreiro!...) e criar um porquito.

 

Se o teu tio fosse capaz de nos emprestar aquele barracão onde não costuma ter nada, a gente fazia ali uma sede toda catita. Podíamos pôr lá um armário que seria o início da nossa biblioteca. Faziam-se ali as reuniões, discutiam-se os problemas, aprendiam-se as coisas necessárias para os trabalhos, guardavam-se os relatórios, etc. Vê lá se consegues isso... com um bocado de diplomacia...

 

Vocês já calcularam o que podem aperfeiçoar-se com uma coisa deste género? Pensem que uma geração tem o dever de ser sempre melhor que aquela que passou; só assim podemos, de facto, provar que somos diferentes dos outros animais.

 

Preparem-se para que, quando tomarem o vosso lugar ao leme deste grande barco que é a Agricultura, no render da guarda duma geração a outra, possam caminhar mais velozes e com maior segurança por terem mais conhecimentos que aqueles que vos precederam e que tão galharda e honradamente souberam cumprir o seu dever e que, se mais não conseguiram foi porque não lhes deram melhores oportunidades.

 

É verdade! E o ensino, a orientação para todos esses trabalhos? Já me ia esquecendo…

 

Olhem, como vocês são todos aí do concelho de Óbidos, vão ter com o engenheiro agrónomo António Félix da Cruz. Tenho a certeza de que ele lhes dará todas as indicações e terá muito orgulho em apresentar, dentro em pouco, o primeiro clube agrícola de Portugal.

 

 Miguel Mota

 

Nota do autor

– Este artigo foi publicado há 64 anos (“Óbidos Agrícola” nº 28, de 15 de Junho de 1948) mas, infelizmente, continua actual.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D