Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

A CANALHA

 

 

Estou a ouvi-lo. Distraidamente. A voz ulula, impregnada de ferocidade, para defesa da classe docente. É o dirigente sindical da Fenprof, Mário Nogueira, que já ouvi noutras ocasiões e me pareceu então mais cordato. O discurso do comparsa da CGTP-Intersindical, Arménio Carlos, nem o ouvi, ciente do disco rachado das acusações repetitivas de uma esquerda incapaz de outro. Disco, que, para o efeito, é sinónimo de discurso, que também é rachado.

 

Imagens de docentes vão passando nas avenidas, intercaladas com o discurso, na reivindicação de direitos que lhes vão ser sonegados, segundo as ameaças governativas. Mas Mário Nogueira nada mais faz que utilizar uma linguagem obscena, imprópria de quem frequentou um curso superior e que deveria pensar no efeito antipedagógico do seu espectáculo de desbragamento verbal, mais atribuível a um carroceiro debitando alarvidades dos tempos da revolução em que as classes trabalhadoras tiveram o seu momento de glória e espalhafato vocabular e gestual: “Canalha!”,bandidos”!, “vigaristas!”, “desqualificados!”, captei da voz ululante, referindo-se aos governantes.

 

Concluí que o discurso era idêntico ao do comparsa da CGTP e aos deputados da esquerda afanosa , PS incluído, que se preparam para deitar abaixo o Governo. Com efeito, não houve propostas construtivas, mas puramente acusatórias, não houve reconhecimento de quaisquer melhorias actuais na profissão docente, pelo menos relativamente ao bombardeamento documental megalómano e inútil dos tempos de Sócrates, exigido por uma tal Maria de Lurdes Rodrigues, houve apenas o propósito de linchamento em praça pública, pelos dois dirigentes sindicais, dos que têm actualmente em mãos os destinos da nação.

 

Transcrevo da Internet:

 

De Mário Nogueira: 13 é número de azar, mas os portugueses já têm azar que chegue: governantes que, com propaganda enganosa, chegaram ao poder, aí desenvolvem políticas que estão a destruir o país, arruinando os cidadãos, destruindo os seus serviços públicos e outras construções democráticas e entregando a estrangeiros as jóias da coroa.(...)

 

De Arménio Carlos: “secretário-geral da CGTP-Intersindical, Arménio Carlos, afirmou que está na altura de explorar as “fracturas” que vão surgindo na base de apoio social deste governo.” “Conseguimos destrui-las com outros governos que também tinham maioria absoluta”, indicou.”

 

Dir-se-á que são discursos vazios. Mas não o são os excessos vocabulares, que escutámos. Como se pode exigir que uma nação progrida, na sua juventude, se lhe oferecemos figuras deste calibre grotesco, de carrascão, a comandar uma classe que é chamada de educadora?

 

Como é que essa classe admite tais representantes sem protestar? Será que alguma vez estes ensinaram? Ou limitaram as suas vidas a cargos de ambição e catapulta?

 

Se assim foi, Vae victis! Poveri noi!

 

 Berta Brás

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D