Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

LOURENÇO MARQUES

Do seu estabelecimento

 

A baía que começou por ser chamada de Baía da Lagoa, aparece já nos mapas de Cantino de 1502, o que garante que terá sido visitada logo a seguir à viagem de Vasco da Gama. Alguns anos mais tarde um comerciante português, Lourenço Marques, em 1544, terá sido o primeiro europeu a estabelecer algum contacto com os naturais daquela região.

 

Logo que D. João III tomou disto conhecimento mandou reconhecer os rios que ali desaguam e assentar na margem direita do Rio do Espírito Santo, uma feitoria e fortificação.

 

Assim começa a exploração do comércio daquela região, com o próprio Lourenço Marques e António Caldeira como os primeiros europeus ali assentes, e com estabelecimentos ainda nas ilhas da Inhaca e dos Elefantes. Todos eles foram de pequena duração. No entanto todos os anos ali aportavam naus, unicamente para o resgate de marfim, e a região ficava entregue a si própria, levantando a cobiça de ingleses e até de austríacos, que lá se fixaram.

 

Portugal entendeu que aquele território lhe pertencia e tratou de correr com os “intrusos”, e foi só em 1781 que se fundou uma feitoria que veio dar lugar à mais tarde cidade de Lourenço Marques, hoje Maputo.

 

O contacto dos portugueses com os nativos, durante todo este tempo, tinha sido relegado para eventuais “resgates”, tendo os régulos feito tratos com os ingleses, oferecendo-lhes terras e garantindo os necessários fornecimentos.

 

Com a chegada de Joaquim de Araújo, ouve que restabelecer esses contactos, indispensáveis para o comércio e convivência pacífica. Eram vários os régulos da região: Mafumo, Capela, Matola, a quem se dava o título de reis.

 

Com o fim da “ocupação inglesa/austríaca”, houve que refazer os contactos com essas autoridades. Curioso verificar como esses tratados eram celebrados. Transcreve-se, a seguir, o relato da visita do régulo da Matola à fragata portuguesa. (Outros se seguirão)

 

 

Em o dia 21 fiz expedir pessoas com aquelles saguates2 do costume, a dizer ao rei Capella, e ao rei Matolla, que lhe pretendia fallar,e que es­perava que determinassem o dia em que queriam vir a bordo da fragata de Sua Majestade Fidelíssima, para os mandar buscar no escaler; a pes­soa que foi ao rei Matolla recolheu no dia 3, dizendo que vinha o dito rei Matolla. Em o dia 4 muito cedo appareceu o rei Matolla na praia, que sendo visto da fragata, se lhe mandou escaler para o conduzir, o que fez trazendo em sua companhia três mulheres suas, e um grande numero de cafres que o acompanhavam; chegaram á fragata onde foi recebido e conduzido à camara do commandante com parte da sua comitiva, aonde depois de muitos cumprimentos, e demonstrações de amizade que queria tratar com os portuguezes, que bem conhecia terem sido os primeiros que conquistaram aquellas terras; mas que os mesmos portuguezes as tinham abandonado, não indo ali ha tantos tempos a commerciar, nem a le­varem-lhe aquelles géneros de que elle precisa e a sua gente, e que por este esquecimento em que os tínhamos posto, fazia com que tivessem trato com os imperiaes3; mas que tornando nós com trato antigo, e ami­zade, que elle inviolavelmente queria tratar com os portuguezes, pois elle era irmão de Sua Magestade, á saúde de quem bebia com toda a vene­ração e respeito; a esta saúde salvou a fragata com vinte e um tiros, o que o rei gostou, e a sua comitiva toda; depois tivemos varias conferen­cias, em que o dito rei deu bastantes provas de não ser muito selvagem, a tudo se lhe respondeu, e foi-lhe assegurado que d'aqui por diante ha­viam de vir muitas embarcações cheias de géneros e roupas de seu uso, e que elle tivesse o maior cuidado em que se respeitasse n/aquelles logares a bandeira portugueza, e que nenhuma consentisse arvorar n'aquelles territórios por serem pertencentes á coroa de Portugal; a tudo res­pondeu que sim, e que não queria senão aos portuguezes, porque todos eram irmãos, e eram os seus primeiros paes. Entraram a comer e a be­ber muito demasiadamente, e depois de serem bem satisfeitos, o não fi­caram com os pannos que se lhe deram de saguate por serem poucos, e muito grossos, e respondeu o rei, que aquelle saguate não era próprio para elle, nem parecia ser dadiva de uns homens tão grandes como os portuguezes; que elle esperava lhe fosse dado um presente, que podesse mostrar á sua gente toda, que aliás elle não poderia dizer que tinha vindo de uma fragata de guerra portugueza; a isto respondeu o tenente coronel que as fragatas de guerra não faziam saguates por obrigação, que tudo aquíllo que se lhe oferecia eram demonstrações de amizade e ob­séquio, e que não devia pretender dos portuguezes o mesmo que estava recebendo d'aquelles individuamente que vinham ali commerciar; que se contentasse com o que lhe era dado, e que devia receber tudo com muita satisfação e gosto; esteve o rei attento ouvindo tudo e respondeu, que elle queria que o tenente coronel fosse a sua casa visita-lo, para lhe dar um saguate como devia; escusou-se o tenente coronel, o rei aceitou os pannos, e repartiu-os pela sua gente, e depois d'isto ter feito, entrou a pedir copos, facas, garfos e tudo quanto viu, por ultimo deu-lhe o tenente co­ronel e o commandante da fragata algum fato, com que o rei satisfeito, se despediu, promettendo ordenar, para virem todos os viveres preci­sos para a fragata, e do mais que fosse preciso das suas terras estava prompto para mandar, e que esperava não fizessem violência á sua gente; o dito rei mandou três vaccas de presente, a fragata ao retirar-se o rei se lhe deram cinco tiros de bombarda, e se foi muito satisfeito; tudo isto se passou presentes os officiaes que se achavam a bordo, e por verdade o escrevi, e me assinei.

= António Joaquim Pinto Collares, escrivão.

 

1.- 2 de Abril de 1781

2.- Presentes, ofertas

3.- Austríacos

 

Rio de Janeiro, 17/07/2012

 

 Francisco Gomes de Amorim

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D