Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

QUANDO AS AMIGAS CONVERSAM...

 

OS OBREIROS DO FUTURO

 

Eu acabava de contar à minha amiga a seguinte conversa com a minha mãe, pelas quatro ou cinco da madrugada, depois de bastas vezes ter sido por ela acordada, nessa noite para esquecer, nos seus pânicos e inseguranças sobre a hora da partida, com as minhas prontas e quantas vezes iradas mostras de cansaço e sono:

 

- Tu assim não duras muitos anos. A esse ritmo. Vai dormir!

- Só se tu me deixares. Não me acordes.

- Só se for por uma coisa boa.

 

A minha amiga riu e admirou a pronta resposta da minha mãe, o que eu não deixei de corroborar, apesar de notar a serena perfidiazinha do discurso materno penalizado, distanciando-se da sua inteira responsabilidade no meu fim à vista.

 

Chegou a minha filha Paula que trouxe a notícia do grave escândalo, que a minha amiga também escutara na TVI na reportagem de Ana Leal.

 

Ao que parece, o grupo de colégios privados GPS, ligados ao poder político, recebera dos cofres estatais 81 milhões de euros nos últimos dois anos e meio. E enquanto as escolas públicas tinham um número diminuto de turmas, que por isso eram superlotadas, dadas as aulas nas condições mais ineficazes, o Orçamento do Estado preparando-se para cortar na Educação, na Saúde, etc., favorecera inexplicavelmente os tais colégios GPS – 26, surgidos de governos anteriores – com verbas desconformes, que a corajosa reportagem de Ana Leal denunciara, entrevistando responsáveis, daqueles que se foram enchendo nos escândalos sucessivos de governações endividantes, num país impunemente a saque.

 

A minha filha insurgia-se, acompanhada na ladainha da indignação pela minha amiga, uma vez mais nos debruçámos sobre os cortes nos vencimentos e subsídios favorecedores das trafulhices com raízes fundas nos diversos governos de uma democracia criada exprès para esses e seus acólitos.

 

Realmente, não temos escapatória, os escândalos brotam continuamente, como tortulhos em dias de invernia, e não há segadora que ceife o mal pela raiz, que as raízes se vão espetando mais e mais profundamente nos terrenos, numa época em que a inocência parece extinguir-se, sem retorno.

 

A inocência que transparece nos últimos versos de que tomei nota já há uns tempos, nas diversões solitárias da minha mãe:

 

Meu filho, respeita os ninhos!

Pensa na pena que tem

A pobrezita da mãe,

Quando se vê sem filhinhos.

 

“Respeita os ninhos”: fórmula educativa ligada a sentimentalismos ultrapassados. Há muito já que acordámos para “uma coisa boa”, não a subentendida no sagaz dito da minha mãe, envolvendo qualquer nova feliz, mas a onomatopeia “Tlim! Papo!” dos versos de João de Deus, responsável pela marcha do nosso progresso em desordem.

 

 Berta Brás

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D