Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A bem da Nação

QUANDO AS AMIGAS CONVERSAM...

 

OS OBREIROS DO FUTURO

 

Eu acabava de contar à minha amiga a seguinte conversa com a minha mãe, pelas quatro ou cinco da madrugada, depois de bastas vezes ter sido por ela acordada, nessa noite para esquecer, nos seus pânicos e inseguranças sobre a hora da partida, com as minhas prontas e quantas vezes iradas mostras de cansaço e sono:

 

- Tu assim não duras muitos anos. A esse ritmo. Vai dormir!

- Só se tu me deixares. Não me acordes.

- Só se for por uma coisa boa.

 

A minha amiga riu e admirou a pronta resposta da minha mãe, o que eu não deixei de corroborar, apesar de notar a serena perfidiazinha do discurso materno penalizado, distanciando-se da sua inteira responsabilidade no meu fim à vista.

 

Chegou a minha filha Paula que trouxe a notícia do grave escândalo, que a minha amiga também escutara na TVI na reportagem de Ana Leal.

 

Ao que parece, o grupo de colégios privados GPS, ligados ao poder político, recebera dos cofres estatais 81 milhões de euros nos últimos dois anos e meio. E enquanto as escolas públicas tinham um número diminuto de turmas, que por isso eram superlotadas, dadas as aulas nas condições mais ineficazes, o Orçamento do Estado preparando-se para cortar na Educação, na Saúde, etc., favorecera inexplicavelmente os tais colégios GPS – 26, surgidos de governos anteriores – com verbas desconformes, que a corajosa reportagem de Ana Leal denunciara, entrevistando responsáveis, daqueles que se foram enchendo nos escândalos sucessivos de governações endividantes, num país impunemente a saque.

 

A minha filha insurgia-se, acompanhada na ladainha da indignação pela minha amiga, uma vez mais nos debruçámos sobre os cortes nos vencimentos e subsídios favorecedores das trafulhices com raízes fundas nos diversos governos de uma democracia criada exprès para esses e seus acólitos.

 

Realmente, não temos escapatória, os escândalos brotam continuamente, como tortulhos em dias de invernia, e não há segadora que ceife o mal pela raiz, que as raízes se vão espetando mais e mais profundamente nos terrenos, numa época em que a inocência parece extinguir-se, sem retorno.

 

A inocência que transparece nos últimos versos de que tomei nota já há uns tempos, nas diversões solitárias da minha mãe:

 

Meu filho, respeita os ninhos!

Pensa na pena que tem

A pobrezita da mãe,

Quando se vê sem filhinhos.

 

“Respeita os ninhos”: fórmula educativa ligada a sentimentalismos ultrapassados. Há muito já que acordámos para “uma coisa boa”, não a subentendida no sagaz dito da minha mãe, envolvendo qualquer nova feliz, mas a onomatopeia “Tlim! Papo!” dos versos de João de Deus, responsável pela marcha do nosso progresso em desordem.

 

 Berta Brás

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D