Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

O MEU AVÔ E SALAZAR – 9

 

Beatriz Costa, a menina da franja

 

 

Mas nem só os prevaricadores e opositores lhe tornavam difícil o exercício do cargo. A direita ideológica não desarmava. Enquanto a esquerda planeava sublevações, a direita socorria-se da intriga. Os ataques ao Governo sucediam-se. O tenente Carvalho Nunes, que reunia a dupla qualidade de ajudante de campo do Presidente da República e membro destacado do movimento nacional-sindicalista, andava de quartel em quartel, passando mensagens, que nunca se sabia se provinham de Belém ou de Elvas[1]. As referências que fazia à orientação política do governo nada tinham de lisonjeiro, o que alguns tomavam como sinal de desentendimento grave entre a Presidência da República e o Chefe do Governo[2]. O ataque que Domingos de Oliveira menos esperaria, a avaliar pelos termos a que ele se refere, partiu de Farinha Beirão, comandante da GNR e velho companheiro da Cruzada Nuno Álvares. Beirão apresentou um memorando no qual apontava os “17 males” que o governo não tinha debelado e propunha soluções. As soluções eram de enunciado simples: demissão de grande número de funcionários tidos por negligentes ou por desafectos e de alguns gestores acusados de depredação de dinheiros públicos. Farinha Beirão era particularmente crítico em relação ao Ministério dos Negócios Estrangeiros, cujo secretário-geral acusava de “incompetente”. Domingos de Oliveira deu-se ao trabalho de responder ponto por ponto, ou mal por mal, ao arrazoado do seu camarada de armas. Quanto a Teixeira de Sampaio foi categórico: “o Secretário-Geral do Ministério dos Negócios Estrangeiros não é incompetente. A afirmação é imbecil e mete nojo”. Domingos de Oliveira provou, na circunstância, que sabia reconhecer mérito a quem o tinha.

 

E, no calor do estio de 1931, Domingos de Oliveira sentiu a sua reserva de paciência prestes a esgotar-se. Enviou um telegrama a um amigo que residia em Paris e pediu-lhe para reservar alojamento num hotel em nome de Dr. Costa Oliveira. Instalado no tradicional e modesto Peyris, manteve-se incógnito durante dez dias, que aproveitou para rever Paris longe do bulício e das pressões do quadro político lisboeta. Tempo para pensar e para tentar resolver o conflito cada vez mais agudo entre a sua autenticidade e o papel ingrato que a “forquilha” Carmona-Salazar lhe impunha. Que fazer: teimar na sua linha consensual, sair, zangar-se? O “Dr. Costa Oliveira” que, na companhia do seu amigo, deambulava pela Cidade das Luzes não era apenas um chefe de governo incógnito; mais do que isso, era uma nova reencarnação de Hamlet.

 

Entretanto, de Lisboa chega um telegrama, informando o “Dr. Costa Oliveira”, que Pais de Sousa, concunhado de Salazar, aceitava a pasta do Interior, desde que ficasse a seu cargo a censura à Imprensa. A máscara do “técnico de contas”, cai para revelar o verdadeiro rosto dominado pela ambição de poder. Com o domínio do Interior e do Orçamento, o governo seria cada vez mais de Salazar e cada vez menos dos militares. Qualquer tentativa de retrocesso nesta matéria por parte de Domingos de Oliveira levaria a um choque com Carmona, a quem se sentia ligado pela lealdade da Cavalaria e por uma amizade que vinha da Escola do Exército. Só havia um caminho: o “fiat”. Ali, em Paris, decidiu-se pois o futuro da Pátria para os quarenta anos seguintes. 

 

Carmona festejou o regresso de Domingos de Oliveira como se do filho pródigo se tratasse. E para assinalar publicamente o seu apreço pelo Chefe do Governo foram os dois juntos ao teatro de revista no Parque Mayer, ver, ao vivo, a famosa Beatriz Costa. Houve festa no Maria Vitória; choveram as graças dos compères; Beatriz cantou e encantou melhor do que nunca e, no dia seguinte, toda a gente sabia, dentro e fora dos quartéis, que Carvalho Nunes  só servia mesmo para abrir e fechar portas.

 

Domingos de Oliveira guardaria o programa do espectáculo com anotações sobre as graças que os compères lhe dirigiram.

 

(continua)

 

 Luís Soares de Oliveira.jpg Luís Soares de Oliveira



[1]
         [1] Residência de A. Sardinha

 

[2]
            [2]O zelo de Carvalho Nunes deu origem a uma versalhada que corria em paralelo pelos quartéis e que infelizmente não podemos reproduzir por falta do original. Lembramos de cor a primeira quadra a qual rezava assim. “Foi em Tânger ou em Tunes/ que tu, oh Carvalho Nunes/ ganhaste as medalhas que no peito comportas?/ Não, Foi a abrir e a fechar portas.”

 

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D