Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

POSTAIS ILUSTRADOS LXV

 

A ECONOMIA DO FUTURO

PARTE III

 

 

 Eliana Cardoso, Economista Brasileira (1), sobre a Economia afirma que esta ensina-nos que os homens fazem escolhas, ao porem na balança os custos e os benefícios de suas acções, e tentam maximizar o proveito individual que eles tiram destas.

 

E reitera que é esse princípio que qualquer economista conhece e conclui que é incrível que, como algo tão trivial, pode dar aso à criação de uma ciência que tem tanto poder (a Economia), tal como para explicar as coisas que nós observamos, ou, tal como para elaborar predições e prescrever políticas. Penso ter traduzido o pensamento desta brilhante Economista, pensamento no qual me revejo e que abordarei em próximos textos.

 

Esta conclusão já eu tirei no texto anterior, (2), ao afirmar, por outras palavras, que a Economia é uma “ciência de contrários ideológicos e causalidades empíricas”.

 

Isto é, a Economia, como ciência, adquiriu poder, precisamente, por estar intimamente ligada ao factor humano e aos interesses individuais produzidos por este. Interesses que estão agarrados como um apêndice, indissociável do homem e que é o seu rico e estimado bolso.

 

Tenho um amigo meu que me contou que uma vez, em negociação com um banco para um empréstimo à sua empresa, comentou com o negociador, qualquer coisa deste género: “É pá! Vocês são uns gajos impagáveis! Quando está Sol abrem-nos um guarda-chuva! Quando chove, fecham-no!...”. Esclarecedor e irónico! E este meu Amigo, de certeza, não conhece Albert Otto Hirschman, (3) como eu não conheço, mas, li a citação, que dele fizeram e versa qualquer coisa parecida, diametralmente oposta, nestes termos, “A economia moderna imita o paraquedas: só funciona quando está aberta”.

 

Mas, passemos ao que aqui me trouxe.

 

Começando pelo fim a que quero chegar, não podemos esquecer que as palavras escritas acima se referem à Economia Tradicional, em que o processo económico está voltado para a preocupação exclusiva da acumulação de capital emergente do efeito marginal contabilístico da receita versus despesa, que resulta no superavitou no deficit.

 

Com superavit o sistema está feliz!

 

A Economia Tradicional vive da frieza contabilística ligada ao Lucro, não importando se o efeito marginal deste elemento diabólico, provoca desequilíbrios sociais que conduzem a injustiças e falta de equidade, e, até, à miséria, como escalão mais baixo da pobreza.

 

Porém, a Economia, cujos factores dependem da decisão humana, não é uma ciência estática e tende a progredir, como ciência da condição financeira no seio das sociedades e a comportar-se modernamente como esta, ou seja, a reagir dinamicamente, como a Sociedade, em módulos sectoriais de reformulação e processos de reorganização mais amplos, até à Globalização.

 

Esta é a Economia Moderna a posicionar-se para o futuro, para a compreensão de um mundo melhor que só será possível quando as gritantes desigualdades financeiras entre os ricos e os pobres evoluir substancial e gradualmente, para o equilíbrio “mágico”, acreditando eu, que isto seja possível, na posteridade, lá para o Séc XXX!

 

Até lá muita água vai correr debaixo das pontes e muito sofrimento se espalhará neste longo caminho.

 

Quando isto suceder, o Mundo reconhecerá a Segunda Parusia.

 

Esperança há…

 

Para tanto, o Economista do Futuro deverá encontrar soluções, sem ambiguidades, para que o Homem Social esteja acima do individualismo do Homem Económico.

Fico-me com este texto do Professor Agostinho da Silva, sob o tema, “Combater a Opressãoe que dirijo aos Economistas do Futuro: “É certamente admirável o homem que se opõe a todas as espécies de opressão, porque sente que só assim se conseguirá realizar a sua vida, só assim ela estará de acordo com o espírito do mundo; constitui-lhe suficiente imperativo para que arrisque a tranquilidade e bordeje a própria morte o pensamento de que os espíritos nasceram para ser livres e que a liberdade se confunde, na sua forma mais perfeita, com a razão e a justiça, com o bem; a existência passou a ser para ele o meio que um deus benevolente colocou ao seu dispor para conseguir, pelo que lhe toca, deixar uma centelha onde até aí apenas a treva se cerrara; é um esforço de indivíduo que reconheceu o caminho a seguir e que deliberadamente por ele marcha sem que o esmoreçam obstáculos ou o intimide a ameaça; afinal o poderíamos ver como a alma que busca, após uma luta de que a não interessam nem dificuldades nem extensão. (4)



 

 Luís Santiago

 

(1) Eliana Cardoso, Economista

Brasileira, Formada em Economia pela PUC – Rio de Janeiro (1972); Doutorada em economia no MIT; Professora Catedrática, trabalhou como Economista-Chefe no Banco Mundial e como Conselheira do Departamento de Pesquisa no FMI

 

(2) Postais Ilustrados LXIV – Economia do Futuro;

(3) Albert Otto Hirschman. Economista Alemão - (1915)

 

(4) Agostinho da Silva, in 'Considerações' - Fonte“Citador”

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D