Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

POSTAIS ILUSTRADOS LXV

 

A ECONOMIA DO FUTURO

PARTE III

 

 

 Eliana Cardoso, Economista Brasileira (1), sobre a Economia afirma que esta ensina-nos que os homens fazem escolhas, ao porem na balança os custos e os benefícios de suas acções, e tentam maximizar o proveito individual que eles tiram destas.

 

E reitera que é esse princípio que qualquer economista conhece e conclui que é incrível que, como algo tão trivial, pode dar aso à criação de uma ciência que tem tanto poder (a Economia), tal como para explicar as coisas que nós observamos, ou, tal como para elaborar predições e prescrever políticas. Penso ter traduzido o pensamento desta brilhante Economista, pensamento no qual me revejo e que abordarei em próximos textos.

 

Esta conclusão já eu tirei no texto anterior, (2), ao afirmar, por outras palavras, que a Economia é uma “ciência de contrários ideológicos e causalidades empíricas”.

 

Isto é, a Economia, como ciência, adquiriu poder, precisamente, por estar intimamente ligada ao factor humano e aos interesses individuais produzidos por este. Interesses que estão agarrados como um apêndice, indissociável do homem e que é o seu rico e estimado bolso.

 

Tenho um amigo meu que me contou que uma vez, em negociação com um banco para um empréstimo à sua empresa, comentou com o negociador, qualquer coisa deste género: “É pá! Vocês são uns gajos impagáveis! Quando está Sol abrem-nos um guarda-chuva! Quando chove, fecham-no!...”. Esclarecedor e irónico! E este meu Amigo, de certeza, não conhece Albert Otto Hirschman, (3) como eu não conheço, mas, li a citação, que dele fizeram e versa qualquer coisa parecida, diametralmente oposta, nestes termos, “A economia moderna imita o paraquedas: só funciona quando está aberta”.

 

Mas, passemos ao que aqui me trouxe.

 

Começando pelo fim a que quero chegar, não podemos esquecer que as palavras escritas acima se referem à Economia Tradicional, em que o processo económico está voltado para a preocupação exclusiva da acumulação de capital emergente do efeito marginal contabilístico da receita versus despesa, que resulta no superavitou no deficit.

 

Com superavit o sistema está feliz!

 

A Economia Tradicional vive da frieza contabilística ligada ao Lucro, não importando se o efeito marginal deste elemento diabólico, provoca desequilíbrios sociais que conduzem a injustiças e falta de equidade, e, até, à miséria, como escalão mais baixo da pobreza.

 

Porém, a Economia, cujos factores dependem da decisão humana, não é uma ciência estática e tende a progredir, como ciência da condição financeira no seio das sociedades e a comportar-se modernamente como esta, ou seja, a reagir dinamicamente, como a Sociedade, em módulos sectoriais de reformulação e processos de reorganização mais amplos, até à Globalização.

 

Esta é a Economia Moderna a posicionar-se para o futuro, para a compreensão de um mundo melhor que só será possível quando as gritantes desigualdades financeiras entre os ricos e os pobres evoluir substancial e gradualmente, para o equilíbrio “mágico”, acreditando eu, que isto seja possível, na posteridade, lá para o Séc XXX!

 

Até lá muita água vai correr debaixo das pontes e muito sofrimento se espalhará neste longo caminho.

 

Quando isto suceder, o Mundo reconhecerá a Segunda Parusia.

 

Esperança há…

 

Para tanto, o Economista do Futuro deverá encontrar soluções, sem ambiguidades, para que o Homem Social esteja acima do individualismo do Homem Económico.

Fico-me com este texto do Professor Agostinho da Silva, sob o tema, “Combater a Opressãoe que dirijo aos Economistas do Futuro: “É certamente admirável o homem que se opõe a todas as espécies de opressão, porque sente que só assim se conseguirá realizar a sua vida, só assim ela estará de acordo com o espírito do mundo; constitui-lhe suficiente imperativo para que arrisque a tranquilidade e bordeje a própria morte o pensamento de que os espíritos nasceram para ser livres e que a liberdade se confunde, na sua forma mais perfeita, com a razão e a justiça, com o bem; a existência passou a ser para ele o meio que um deus benevolente colocou ao seu dispor para conseguir, pelo que lhe toca, deixar uma centelha onde até aí apenas a treva se cerrara; é um esforço de indivíduo que reconheceu o caminho a seguir e que deliberadamente por ele marcha sem que o esmoreçam obstáculos ou o intimide a ameaça; afinal o poderíamos ver como a alma que busca, após uma luta de que a não interessam nem dificuldades nem extensão. (4)



 

 Luís Santiago

 

(1) Eliana Cardoso, Economista

Brasileira, Formada em Economia pela PUC – Rio de Janeiro (1972); Doutorada em economia no MIT; Professora Catedrática, trabalhou como Economista-Chefe no Banco Mundial e como Conselheira do Departamento de Pesquisa no FMI

 

(2) Postais Ilustrados LXIV – Economia do Futuro;

(3) Albert Otto Hirschman. Economista Alemão - (1915)

 

(4) Agostinho da Silva, in 'Considerações' - Fonte“Citador”

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D