Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

VIVER BEM

 


Os portugueses sempre souberam viver bem. Neste tempo de crise é bom recordar isto. Temos um clima excepcional, paisagens deslumbrantes, a melhor culinária, fruta, queijos e vinhos únicos, bons divertimentos, fé sólida, hábitos afáveis e forte camaradagem, um povo sereno e esperançoso.

Mesmo quando éramos um país pobre e atrasado sabíamos viver bem e hoje que somos ricos e preocupados continuamos a saber viver. Por isso é tão triste que quase desapareça por cá um dos maiores prazeres da vida.

Há poucas coisas nesta Terra que sejam melhores do que ter um rancho de filhos à volta da mesa a rir. Quando vêem isso, um homem e uma mulher sentem algo indefinível, único, incomparável. Esta é uma das principais razões por que os portugueses vivem tão bem, pois até na choupana mais pobre se pode sentir este prazer sublime.

Hoje cada vez menos. Não se diga que a causa disso é a maldita austeridade, que apaga o riso ou força a ausência. A verdadeira razão veio da prosperidade balofa, que nos trouxe à crise, e desfez os casais, reduziu a prole, gerou a esterilidade e o aborto.

Quando a fartura regressar e nós voltarmos a viver, bem como sempre, mas de novo com facilidade, esse prazer particular não regressa. A mesa passará a ser farta, mas as cadeiras permanecem vazias.

A questão é importante, não apenas em si mesma, mas também pelos efeitos. É que as cadeiras vazias de filhos põem em risco a dimensão das futuras gerações e até a sobrevivência dos portugueses. O que seria uma pena para o mundo, porque eles sempre souberam viver bem.

 

  João César das Neves

 

DESTAK | 21 | 11 | 2012

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D