Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

SOBRE A AUSTERIDADE

 

Já mais de uma vez expandi minha estupefacção perante um fenómeno “tsunamesco” que tem vindo sistematicamente a derrubar a chamada economia ocidental

 

Todos os países devem biliões, triliões ou quatriliões, os bancos foram generosamente socorridos pelos governos falidos, os dias vão passando e ninguém enxerga – ninguém quer enxergar – o óbvio.

 

E o óbvio é que alguma coisa, ou a coisa toda está errada. Os únicos que estão certos são os bancos que sobem o custo dos empréstimos, e se estiverem em más condições os governos imprimem mais umas toneladas de notas – à sorrelfa – e entregam aos bancos para... para que mesmo?

 

A solução há muito que se apresenta clara: devo não nego, pagar não pago.

 

Zera tudo, repõem-se os salários dos pequenos, só dos pequenos, que foram cortados, reduzem-se os juros, estimula-se o investimento particular, e encara-se de frente a concorrência da Coreia, China, Marrocos, Etiópia e outros.

 

E os países, voltam a poder respirar, porque hoje estão afogados na estúpida e brutal “austeridade”, que continua a matar a classe produtiva em favor dos sanguessugas.

 

Felizmente que nem todo o mundo compactua com esta ladroagem de austeridade. Graças ao Bom Deus ainda há gente neste planeta que pensa, age e resolve.

 

Leiam o texto a seguir que, mesmo sem autorização se transcreve, e que foi hoje publicado no jornal “O Globo” por um professor da UFF (Universidade Federal Fluminense), com algumas passagens que merecem especial destaque:

 

- Saíram para as ruas batendo com colheres em panelas vazias (e olha que há países com muitos paneleiros),

- Cadeia para os responsáveis

- E fora com os partidos políticos.

 

A ilha da utopia

 

Era uma vez uma ilha, perdida nos mares do Grande Norte, si­tuada além do que a imagina­ção possa conceber. Era tão fria que a chamavam Iceland, terra do gelo. Em nossa língua, Islândia. Viviam nela cerca de 300 mil habitantes: um lugar próspero, rico para os padrões da épo­ca, uma gente bonita e saudável. Com um regime democrático estável, con­trolado pela população, dispunha de excelentes sistemas de saúde e de edu­cação, boa alimentação, baixa crimina­lidade, alta esperança de vida, desen­volvimento económico sustentável, re­gulado por diversas agências públicas.

Nada indicava que algo de mal pode­ria ocorrer naquela Terra da Promis­são. No entanto, trágicos fatos ali tive­ram lugar e sua recordação talvez possa ajudar a reflectir sobre a crise que an­gustia o mundo actual.

Quando e como exactamente esta his­tória aconteceu? Os arqueólogos mais reputados, com base em evidências e documentos, atestam que as coisas co­meçaram a degringolar na virada no século XX para o século XXI, há centenas de anos...

Disseminaram-se, então, pela ilha, trazidas por mercadores estrangeiros, fantásticas promessas. Baseavam-se em três palavras-chave: desregulamentar, privatizar, internacionalizar. Se fos­sem capazes de enveredar por este ca­minho, os ilhéus se tomariam muito ri­cos, e em pouco tempo.

Persuasivos eram aqueles mercado­res, e o povo resolveu segui-los. Os bancos públicos foram privatizados, e as empresas internacionais, autoriza­das a explorar os recursos naturais. As agências reguladoras, enfraquecidas, definharam. Os dinheiros agora circu­lavam em abundância, a Bolsa de Vai rés galopava e a construção civil alçai cava níveis frenéticos. Houve espantosos fenómenos, como o fato de os bancos privatizados contraírem empréstimos equivalentes a dez vezes ao que então se chamava o PNB, ou seja, a soma de todos os bens e serviços produzidos no país.

Vozes prudentes murmuravam: aquilo não podia dar certo.

E não deu.

Num belo dia, no ano de 2008, estourou a crise. Medonha. Os bancos faliram. A Bolsa despencou. Cessaram as actividades económicas. O desem­prego disparou. A ilha descobriu-se endividada até o último fio de cabelo.

Vieram então homens probos e pediram calma. Numa língua ininteligí­vel, explicaram tudo: os antecedentes e os consequentes. As coisas se resolveriam através de uma nova palavra mágica: austeridade. Instituições e bancos internacionais ajudariam. Os problemas seriam equacionados, embora fosse necessário apertar os cintos. Claro, muitos perderiam ca­sas, haveres, empregos, futuro e tudo o mais. As dívidas, porém, seriam pa­gas, e a honra, salva. O pacote, em­brulhado com laço de fita e aprovado pelo Parlamento, virou lei. Em 2009, a factura parecia liquidada.

Entretanto, as gentes não mais se deixaram persuadir.

Queriam entender melhor como pudera uma terra tão próspera tor­nar-se em menos de dez anos uma nação de mendigos. Não haveria responsáveis! Foram às ruas, com apitos e bum­bos, batendo talheres em panelas va­zias. Pulando e gritando, cercaram o Parlamento, atirando ovos e tomates nos representantes. Não houve polícia capaz de segurar aquela ira. Corria o ano de 2010 quando a pressão das multidões organizadas impôs um referendo. A Lei do Parlamento foi recusada por 93% dos votos. A dí­vida, contraída por alguns, não seria paga por todos. Era preciso zerá-la e recomeçar.

E teve início a investigação sobre as responsabilidades. Altos executivos e gerentes dos bancos foram para a ca­deia. Os banqueiros que puderam, fu­giram, como ratos de um barco à deri­va. Ao mesmo tempo, decidiu-se redi­gir uma nova Constituição, capaz de proteger a nação de outros aventurei­ros. Por toda parte, organizavam-se as gentes. Em cada distrito, uma assem­bleia. Participativa e consciente de que aCoisa Pública deveria ser trata­da com atenção e cuidado. Entre pou­co mais de 500 candidatos, sem pré­via filiação partidária (os antigos par­tidos tornaram-se suspeitos), elege­ram-se 25 representantes. Foram eles que, ouvindo as assembleias locais, autónomas em relação ao Estado e aos partidos, construíram uma nova Carta Magna, a ser aprovada em outro referendo popular. Regulação e controle, palavras esquecidas, retorna­ram, devidamente valorizadas. A primeira consequência foi a renacionalização dos bancos, baseada no con­ceito de que o dinheiro de todos é muito importante para ser deixado em mãos de poucos.

Aquele povo mostrou que, por ve­zes, como dizia E. Morin, o imprová­vel acontece. Demitiu-se um governo. Refez-se o Parlamento. Exercitou-se a autonomia. Foi escrita uma nova Constituição, preocupada com as pessoas e não com os dinheiros. E a prosperidade voltou, atestada por bons resultados em 2011 e 2012.

Uma revolução. Pacífica e democrá­tica.

Mas realizada há tantos séculos e numa terra tão longínqua... Talvez por isso se fale tão pouco dela e dos maravilhosos eventos que acontece­ram na bela Islândia. Uma ilha da “utopia.”

  Daniel Aarão Reis

Professor de História Contemporânea da Universidade Federal Fluminense

 

Rio de Janeiro, 20/11/2012

 

 Francisco Gomes de Amorim

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D