Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

MILÚ

 

 

Era a nossa Rita Hayworth, a nossa Elisabeth Taylor, a nossa Marilyn Monroe, a nossa Brigitte Bardot, a sex symbol à nossa medida lusa - a ousadia langorosa, comedida e doce, a voz do seu canto, de modulação discreta, numa letra popular aconchegada ao lar português, de atávica modéstia. Era a nossa Vénus bem comportada, por vezes mais ambiciosa ou mais caprichosa, nada, em todo o caso, que os sensatos pais de família não pudessem revelar às suas filhas nos cinemas de sábado à noite. Uma mulher bela, a nossa Milú, que os filmes de Arthur Duarte revelaram em casto mas gentil enredo, que a graça irresistível de António Silva salvaria da banalidade.

 

Outros filmes fez, fez teatro, obteve medalhas, no final da vida, em simpáticas homenagens provando que a sua aura se mantinha nos nossos corações, numa altura em que já não fazia sombra a ninguém e que era preciso que embarcasse para o além contente connosco.

 

Como se fez a tantos dos nossos artistas à beira da morte. Entretanto, dos artistas que fizeram o nosso encanto, no humor ou na seriedade dos seus papéis, poucos são os que se mantêm no palco das nossas referências televisivas, a época pertence à juventude radiosa na graça do seu brilho, que terá que se precaver por seu turno, contra a efémera passagem.

 

 

Milú manteve a sua elegância, vimo-la nos anos oitenta, num dos excelentes espectáculos de “E o Resto são Cantigas” de Carlos Cruz, Fialho e Solnado, recordámo-la recentemente , nesse espectáculo reposto no Canal Memória.

 

Morreu em 2008, com 82 anos. Discretamente. O Estado que a agraciou ainda em vida, abandonou-a na morte. Não, nem todos são Amália, a merecerem, muito justamente, a eternidade do seu Panteão.

 

Mas Milú está nos nossos corações, várias vezes é recordada nos filmes repostos, merecia algo mais que a campa rasa, onde um particular generoso colocou a moldura com a sua foto da escolha da filha, que não tem possibilidades materiais para lhe cobrir a campa com o mármore da sua e da nossa veneração, arriscando-se a ter que enfiar os ossos da mãe, dentro de um ano, num soturno gavetão da nossa feroz e mesquinha indiferença ou ingratidão.

 

Milú merecia que os seus ossos permanecessem no seu lugar distinto, em campa de mármore bela, como homenagem à personagem distinta que figurou para nós, e permanecerá ao longo dos tempos, para as gerações que lhe sentirão a magia, apesar das transformações que a arte cinéfila vai sofrendo.

 

O Estado devia proteger a campa da nossa Milú, mandando construir marmórea lápide que lhe eternizasse a memória.

 

 Berta Brás

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D