Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

LIDO COM INTERESSE – 56

 

 

 

Título: CAMINHADA

Autor: Henry David Thoreau

Tradutor: Maria Afonso

Editora: ANTÍGONA, Lisboa

Edição: 1ª, Setembro de 2012

 

 

Caminhada, derradeira exposição das principais ideias do autor sobre a Natureza, é um dos seus trabalhos seminais e o seu impacto é indissociável da sua enorme característica visionária. Nos primórdios da industrialização americana, Thoreau antevia o declínio civilizacional e os perigos da sociedade materialista: a distorção das necessidades básicas do homem e o alheamento do mundo natural e da sua espiritualidade. O percurso físico que advoga é uma viagem rumo a uma existência reduzida ao essencial e em liberdade para que o homem se mantenha dono e senhor de si, alheado das leis arbitrárias que o subjugam às «verdades» da maioria.

 

Extractos que me seduziram:

 

As mãos calejadas do homem do campo conhecem, melhor do que os dedos lânguidos de um ocioso, os requintados tecidos do amor-próprio e do heroísmo cujo toque arrebata o coração. É mero sentimentalismo o de quem dorme de dia e se pensa alvo e puro, avesso à experiência que tisna e caleja. (pág. 24)

 

Todos os crepúsculos que contemplo me inspiram o desejo de rumar para um oeste tão longínquo e resplandecente como aquele em que o Sol mergulha. (pág. 37)

 

A mitologia é a colheita do Novo Mundo antes de se ter exaurido o seu solo, antes de a fantasia e a imaginação serem afectadas por pragas (...); é a decadência de outras literaturas que forma o solo em que a literatura floresce. (...) Talvez, quando, no decurso das eras, a liberdade americana se tornar uma invenção do passado – tal como é de certa forma uma ficção do presente –, os poetas do mundo se inspirem na mitologia americana. (pág. 58 e seg.)

 

A perdiz adora ervilhas mas não aquelas com que há-de ir parar ao prato. (pág. 61)

 

(...) um índio não tem nome próprio, antes o ganha e o seu nome é a sua reputação. (...) É lamentável que um homem tenha um nome apenas por conveniência e não por o ter conquistado. (pág. 65)

 

Após longos anos de aturadas diligências e de leitura de jornais – porque o que são as bibliotecas científicas senão compilações de jornais? -, um homem reúne uma miríade de factos, arruma-os na memória e, depois, em alguma Primavera da sua vida, deambula pelos Grandes Campos do conhecimento, ou seja, começa a pastar como um cavalo e liberta-se de todos os arreios que repousam no estábulo. Daria por vezes o seguinte conselho à Sociedade para a Difusão do Conhecimento Útil: «Ide pastar na relva. Já comeram palha que bastasse». (pág. 69)

 

Há algo servil no hábito de invocar uma lei a que devemos obedecer. (...) uma vida proveitosa não conhece leis. (...) Vivei em liberdade, filhos da névoa – e no que diz respeito ao conhecimento, nós somos todos filhos da bruma. (pág. 71)

 

(...) não podemos dar-nos ao luxo de não viver no presente. (...) Há algo que sugere um testamento mais novo – o evangelho segundo o momento presente. (pág. 79 e seg.)

 

 Henry David Thoreau (1817 — 1862) nasceu e morreu em Concord, Massachussets, foi escritor, poeta, naturalista, activista anti-impostos, crítico da ideia de desenvolvimento, historiador e filósofo, ficou conhecido sobretudo pela sua reflexão sobre a vida simples cercada pela natureza e pela defesa da desobediência civil individual como forma de oposição legítima frente a um Estado injusto. É por vezes citado como anarquista individualista: "O melhor governo é aquele que não governa”.

 

Os livros, ensaios, artigos, jornais e poesias de Thoreau ultrapassam os 20 volumes sobre história natural e filosofia onde antecipou os métodos e preocupações da ecologia e do ambientalismo. O seu estilo literário intercala observações naturais, experiência pessoal e dados históricos evidenciando grande sensibilidade poética, austeridade e uma paixão pelo detalhe prático. Profundamente interessado na ideia de sobrevivência face a contextos hostis, mudança histórica e decadência natural, buscava abandonar o desperdício e a ilusão de forma a descobrir as verdadeiras necessidades essenciais da vida.

 

Abolicionista, realizou leituras públicas atacando as leis contra a fuga de escravos. A filosofia de Thoreau da desobediência civil influenciou o pensamento político e acções de personalidades notáveis que vieram depois dele, filósofos e activistas, tais como Tolstói, Gandhi e Luther King.

 

Outubro de 2012

 

 Henrique Salles da Fonseca

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D