Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

LIDO COM INTERESSE – 56

 

 

 

Título: CAMINHADA

Autor: Henry David Thoreau

Tradutor: Maria Afonso

Editora: ANTÍGONA, Lisboa

Edição: 1ª, Setembro de 2012

 

 

Caminhada, derradeira exposição das principais ideias do autor sobre a Natureza, é um dos seus trabalhos seminais e o seu impacto é indissociável da sua enorme característica visionária. Nos primórdios da industrialização americana, Thoreau antevia o declínio civilizacional e os perigos da sociedade materialista: a distorção das necessidades básicas do homem e o alheamento do mundo natural e da sua espiritualidade. O percurso físico que advoga é uma viagem rumo a uma existência reduzida ao essencial e em liberdade para que o homem se mantenha dono e senhor de si, alheado das leis arbitrárias que o subjugam às «verdades» da maioria.

 

Extractos que me seduziram:

 

As mãos calejadas do homem do campo conhecem, melhor do que os dedos lânguidos de um ocioso, os requintados tecidos do amor-próprio e do heroísmo cujo toque arrebata o coração. É mero sentimentalismo o de quem dorme de dia e se pensa alvo e puro, avesso à experiência que tisna e caleja. (pág. 24)

 

Todos os crepúsculos que contemplo me inspiram o desejo de rumar para um oeste tão longínquo e resplandecente como aquele em que o Sol mergulha. (pág. 37)

 

A mitologia é a colheita do Novo Mundo antes de se ter exaurido o seu solo, antes de a fantasia e a imaginação serem afectadas por pragas (...); é a decadência de outras literaturas que forma o solo em que a literatura floresce. (...) Talvez, quando, no decurso das eras, a liberdade americana se tornar uma invenção do passado – tal como é de certa forma uma ficção do presente –, os poetas do mundo se inspirem na mitologia americana. (pág. 58 e seg.)

 

A perdiz adora ervilhas mas não aquelas com que há-de ir parar ao prato. (pág. 61)

 

(...) um índio não tem nome próprio, antes o ganha e o seu nome é a sua reputação. (...) É lamentável que um homem tenha um nome apenas por conveniência e não por o ter conquistado. (pág. 65)

 

Após longos anos de aturadas diligências e de leitura de jornais – porque o que são as bibliotecas científicas senão compilações de jornais? -, um homem reúne uma miríade de factos, arruma-os na memória e, depois, em alguma Primavera da sua vida, deambula pelos Grandes Campos do conhecimento, ou seja, começa a pastar como um cavalo e liberta-se de todos os arreios que repousam no estábulo. Daria por vezes o seguinte conselho à Sociedade para a Difusão do Conhecimento Útil: «Ide pastar na relva. Já comeram palha que bastasse». (pág. 69)

 

Há algo servil no hábito de invocar uma lei a que devemos obedecer. (...) uma vida proveitosa não conhece leis. (...) Vivei em liberdade, filhos da névoa – e no que diz respeito ao conhecimento, nós somos todos filhos da bruma. (pág. 71)

 

(...) não podemos dar-nos ao luxo de não viver no presente. (...) Há algo que sugere um testamento mais novo – o evangelho segundo o momento presente. (pág. 79 e seg.)

 

 Henry David Thoreau (1817 — 1862) nasceu e morreu em Concord, Massachussets, foi escritor, poeta, naturalista, activista anti-impostos, crítico da ideia de desenvolvimento, historiador e filósofo, ficou conhecido sobretudo pela sua reflexão sobre a vida simples cercada pela natureza e pela defesa da desobediência civil individual como forma de oposição legítima frente a um Estado injusto. É por vezes citado como anarquista individualista: "O melhor governo é aquele que não governa”.

 

Os livros, ensaios, artigos, jornais e poesias de Thoreau ultrapassam os 20 volumes sobre história natural e filosofia onde antecipou os métodos e preocupações da ecologia e do ambientalismo. O seu estilo literário intercala observações naturais, experiência pessoal e dados históricos evidenciando grande sensibilidade poética, austeridade e uma paixão pelo detalhe prático. Profundamente interessado na ideia de sobrevivência face a contextos hostis, mudança histórica e decadência natural, buscava abandonar o desperdício e a ilusão de forma a descobrir as verdadeiras necessidades essenciais da vida.

 

Abolicionista, realizou leituras públicas atacando as leis contra a fuga de escravos. A filosofia de Thoreau da desobediência civil influenciou o pensamento político e acções de personalidades notáveis que vieram depois dele, filósofos e activistas, tais como Tolstói, Gandhi e Luther King.

 

Outubro de 2012

 

 Henrique Salles da Fonseca

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D