Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

MAIS DO MESMO

 

 

O meu filho Ricardo manda-me às vezes, por mail, textos da sua e da nossa revolta, sobre as contrariedades da existência, causadas por tantos desmandos quantos os implicados neste contínuo “Inverno do nosso descontentamento”, dificilmente “convertido em Verão” já que nos falta o “Sol de York” e que “as nuvens que ameaçavam a nossa casa” se desencadeiam “do mais interno fundo do oceano”, prestes a subverter-nos, com o auxílio poderoso de todos nós, que nos deixamos manipular por quem, isento das responsabilidades de gerir, se entretém a açular, fingindo defender quando está apenas a destruir, numa estranha manigância de ambição pelo poder e de ódio pelos que o detêm.

 

O Ricardo – o primeiro dos meus cinco filhos, não o terceiro da peça de Shakespeare - faz hoje anos, e dificilmente apreciará a referência, onde estão implícitos os desejos de sempre, de uma bênção sobre as suas vidas, mas um blogue serve também para deixar impresso o mundo que se construiu, e os filhos foram - creio que são sempre – o fenómeno mais extraordinário que um deus de bondade, desconhecido ou menos, permitiu que as suas criaturas vivessem, elas próprias criadoras e continuadoras numa incompreensível e estranha obra que vai rolando indefinidamente, mau grado a pavorosa consumação dos tempos que alguns auguram, por mórbida deformação das mentes.

 

Veturia aos pés de Coriolano

 

 

Para o Ricardo resolvi traduzir uns excertos da tragédia “Coriolano” de Shakespeare, como forma de felicitação e agradecimento pelos mails que me envia, uns sérios outros cheios de graça dos seus intercâmbios informáticos.

 

É sobre o tema da eterna questão da divisão da sociedade em classes e consequentes diferenças de tratamento económico e cultural, que provocaram ao longo da história dos homens inúmeras lutas, pretensamente coroadas de êxito na Revolução Francesa, a qual impôs a sua abolição - (com a arrogante e falsa asserção da igualdade entre os homens) - mas, naturalmente, pela inversão dos dados – os grandes descendo, os pequenos subindo – o que igualmente não resultará, pelas naturais diferenças a todos os níveis, que faz que a sorte, as ambições, a esperteza, a falta de escrúpulos também, sejam factores importantes nos desníveis e diferenciações sociais. O nosso Luís de Camões bem o sentiu, e muito antes dele, na nossa literatura, um tal Pero Mafaldo escreveu que “vej’eu ir melhor ao mentireiro / que ao que diz verdade ao seu amigo”, o que significa que desde sempre tudo anda às avessas - segundo a velha convenção de que o direito são os velhos conceitos de verdade, bondade, já pregados por Cristo, e muito antes dele, detectados nas filosofias de tantos construtores do pensamento, princípios, aliás, rejeitados pelos da vertente mais céptica.

 

O drama de Shakespeare “Coriolano” dá-nos retratos de extraordinário conhecimento humano sobre a sociedade segundo o ponto de vista das classes, que nos mostram como pouco ou nada se evoluiu em termos de comportamento social, nos dualismos pobre-rico ou governante-governado, os primeiros impondo-se pela arrogância de uma condição que os superioriza, os segundos, quando não amordaçados pelo medo, e hábeis já, em defesa dos seus direitos, manifestando-se pela violência das palavras e dos actos.

 

Vejamos, por exemplo, o retrato traçado pelo Primeiro Cidadão, numa rua de Roma, quando todos se preparam para matar o patrício romano Caio Márcio Coriolano, como inimigo público que os reduziu à miséria:

 

Chamam-nos pobres cidadãos: não há dignidade senão para os patrícios. O supérfluo dos nossos governantes bastaria para nos satisfazer. Se ao menos nos cedessem apenas restos sãos, poderíamos julgar que eles nos socorrem por humanidade; mas eles acham-nos demasiado caros. A magreza que nos aflige, por efeito da nossa miséria, é como um inventário detalhado da sua opulência; a nossa miséria é o seu proveito. Vinguemo-nos a golpes de lança, antes de nos convertermos em esqueletos. Porque, os Deuses sabem-no, o que me faz falar, é a fome de pão e não a sede de vingança.

Segundo Cidadão: Você pretende agir especialmente contra Caio Márcio?

Primeiro Cidadão: Contra ele, primeiro: é o carrasco do povo.

Segundo Cidadão: Mas tem em conta os serviços que ele prestou ao país?

Primeiro Cidadão: Certamente, e é com prazer que os lembraríamos, se ele não respondesse com um bruto orgulho. …

Chega Menénius Agrippa, amigo de Coriolano que se propõe defendê-lo:

- Amigos, crede em mim! Os patrícios têm por vós a mais caridosa solicitude. Pelas vossas necessidades, pelos vossos sofrimentos no meio desta miséria, tanto valeria bater no céu com as vossas lanças, como erguê-las contra o governo romano: ele prosseguirá a sua carreira, esmagando dez mil freios mais sólidos do que aqueles que vocês nunca poderão opor-lhe. Quanto à fome, não são os patrícios, são os deuses que a fazem; e diante deles, os vossos joelhos servir-vos-ão melhor que os vossos braços. Ai de mim! Vós sois arrastados pela calamidade a uma calamidade maior. Vós caluniais os barqueiros do Estado: eles velam sobre vós como pais, e vós amaldiçoai-los como inimigos!

Primeiro Cidadão: Eles, velarem sobre nós! Sim, com efeito!... Eles nunca velaram sobre nós. Eles deixam-nos morrer de fome, quando os seus armazéns estão atulhados de grão, fazem éditos em favor da usura para proteger os usurários, evocam todos os dias algum acto salutar estabelecido contra os ricos, e promulgam estatutos cada dia mais vexatórios para agrilhoar e oprimir o povo. Se as guerras não nos devorarem, serão eles. Eis o amor que nos têm!

 

E vem a história exemplificativa do ventre, contada por Ménénius, ventre preguiçoso, segundo as acusações dos diversos órgãos, limitando-se a receber o alimento, enquanto todos eles colaboravam na condução do corpo, ao que o ventre responde, calmamente: É bem verdade, meus caros confrades, que sou o primeiro a receber o alimento que vos faz viver; e é justo, pois que sou o celeiro e o armazém do corpo inteiro. Mas, se bem vos lembrais, eu tudo reenvio pelos rios do sangue, até ao palácio do coração, até ao trono da razão; e graças às condutas sinuosas do corpo humano, os nervos mais fortes e as mais pequenas veias recebem de mim esse simples necessário que o faz viver…. E eu posso provar-vos, rigorosamente, que vos transmito toda a farinha e para mim guardo o farelo.

 

E Menénio vá de desmontar a alegoria:

 

- O Senado de Roma é este excelente ventre e vós sois os membros revoltados. Porque, examinados os seus conselhos e as suas medidas, os negócios devidamente digeridos no interesse da coisa pública, reconhecereis que os benefícios gerais que recolheis procedem e vêm dele, e não de vós ...

Entra Caio Márcio:

 … De que se trata, vis facciosos, que, à força de coçardes a triste vaidade que vos arranha, fizestes de vós uns sarnosos?

Primeiro Cidadão: Nós nunca recebemos de vós uma palavra boa.

Marcius: Aquele que te concedesse uma palavra boa seria um insípido bajulador. De que precisais, insurrectos, a quem nem a paz nem a guerra convêm? Uma, assusta-vos, a outra torna-vos insolentes. Aquele que conta convosco, só encontra, chegado o momento, em vez de leões, lebres, em vez de raposas, gansos… Não, vós não sois mais confiáveis do que um tição ardente em cima de gelo, do que a saraiva ao sol. A vossa virtude consiste em exaltar aquele que os erros perderam e a maldizer a justiça que o abateu. Quem merece a glória merece o vosso ódio; e as vossas afeições são os apetites dum doente que deseja sobretudo aquilo que pode aumentar o seu mal. Apoiar-se sobre o vosso favor, é nadar com barbatanas de chumbo e querer abater um carvalho com uma cana. Confiar em vós? Vale mais enforcar-vos. De minuto a minuto mudais de ideias: Achais nobre quem odiastes há momentos, infame, aquele a quem coroáveis. O que é que há? Porquê, nos diversos bairros da cidade, gritais assim contra o nobre Senado que, sob a égide dos Deuses, nos mantém em respeito e impede que vos devoreis uns aos outros?

 

Um general romano conquistador mas demasiado duro com a plebe e por vingança contra o ódio desta que o baniu, se alia ao inimigo que conquistara – os Volscos, da cidade Corioli – para cercar Roma. A mãe de Coriolano fá-lo-á desistir do ataque a Roma, condenando o filho a ser assassinado pelos da cidade inimiga assim atraiçoados.

 

Trata-se assim, duma peça de teatro política, que, nos breves excertos transcritos, foca o problema que a cada passo o mundo vive, de lutas entre governantes e governados. O retrato que cada um traça do outro – o povo focando o desprezo e indiferença do chefe pelos problemas do povo, o chefe apontando a versatilidade e cobardia do povo facilmente “troca-tintas”… onde é que já se viu e ouviu isto?

 

 Berta Brás

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D