Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

VIAGEM NA MINHA TERRA – 2

 

 

E se a viagem acabou pelas 4 da manhã com um regresso a Lisboa sem mais novidades do que os motivos para a risota, a leitura do livro mais citado, o dos três insubmissos suicidas, deu mais matéria que merece ser respigada. Sim, mas só a que a minha mãe e a minha sogra poderiam ter lido.

 

  Uma última frase de Cravan que inexplicavelmente tinha ficado para trás: Se a teoria das influências dos meios é verdadeira, espanto-me por o génio não ter cornos para se defender.

 

Mas será que não tem? Serão os geniais uns pacíficos que dão a outra face depois de esbofeteados? Duvido. Mas se Cravan se espantava, ele lá saberia com que génios se tinha alguma vez cruzado. Pelos vistos, tanto Wilde como Gide não eram génios. Eram outra coisa...

 

Rigaut

 

Seria este o rei do non-sense ou do humor negro? Não sei!

 

Francês, chamava-se Jacques, nasceu em 1889, teve uma vida igual à de milhões de outros franceses e deu um tiro no coração em finais de 1929 mas os seus papéis só foram publicados em 1934 e por isso ficaram conhecidos como Papiers Posthumes.

 

Na sua Agência Geral do Suicídio – de que parece ter sido o único cliente – anunciava corda para enforcamento a 20 Francos o metro e a 5 Francos por cada 10 centímetros suplementares. Garantia um serviço em total privacidade não permitindo a presença de mirones até porque ele próprio considerava que a morte é a única fraqueza que não permite desculpas.

 

Para além da conveniência de receber algum pecúlio para a satisfação das necessidades básicas, argumentava num pedido de emprego com uma fundamentação notável: Há pessoas que fazem fortuna, outras depressões, outras filhos. Há as que fazem humor, há as que fazem amor e as que fazem dó. Há muito tempo que eu procuro fazer qualquer coisa! Não há nada a fazer: não há nada a fazer.

 

A propósito de não haver nada a fazer, nada consta sobre se conseguiu que alguém o empregasse mas duma coisa ninguém o poderia acusar: inveja.

 

Dizia ele: Suporto mais facilmente a minha miséria quando penso que há pessoas ricas. O dinheiro dos outros ajuda-me a viver, (...) Em vez de saudarem os carros funerários, as pessoas fariam melhor em saudar os Rolls-Royce.

 

E, apesar do desenlace final, ele achava que só temos dado tanta importância ao amor porque ele ultrapassa em utilidade o resto.

 

 Vaché

 

Sobre este, o terceiro da tríade, digo apenas que também se chamava Jacques o que, só por si, já dá para acertar com muita probabilidade na nacionalidade. Mas mais não digo pois acho que agora deve ser o Leitor a descobrir sur le papier.

 

Boa leitura!

 

Lisboa, Outubro de 2012

 

 Henrique Salles da Fonseca

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2004
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D