Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A bem da Nação

Conversa fiada – 10ª parte



Resumo da 9ª parte: A apreciação parcial das GOP’s para 2005 é positiva apesar da nota negativa às da Justiça e de na Defesa e nos Negócios Estrangeiros se fazer a política que a UE nos permite em vez da que deveríamos fazer; as oposições políticas não discutem os assuntos pois apenas se interessam pelo mediatismo; na Administração Interna perspectiva-se uma política razoável mas mantendo uma estrutura institucional que não faz sentido; o IEFP devia dedicar-se à reinserção social dos presos; a instrução da condução automóvel é anacrónica.


Jornalista – Cá estamos novamente, sãos e salvos, sobrevivos a um passeio ao longo da Marginal em que não fomos atropelados.
Economista – Nós não fomos atropelados mas o Governo foi cilindrado.
Jornalista – Sim, parece que o Presidente da República decidiu iniciar o processo de dissolução da Assembleia da República.
Economista – Por muito importante que esse facto possa ser – e é, sem dúvida – não passa, contudo, de um episódio normal em democracia. As consequências económicas é que podem ser mais ou menos gravosas conforme os cenários que se perspectivem.
Jornalista – E o que é que se perspectiva?
Economista – Não disponho de informação privilegiada, como imagina, pois tudo depende dos resultados das votações e esses dependem de muita manipulação da opinião pública, como é uso e costume em campanhas eleitorais em que se fala sobretudo de minudências e se omitem por norma as grandes questões nacionais.
Jornalista – E fora das campanhas, fala-se de coisas importantes?
Economista – Raramente. Repare bem que nestes dias que temos atravessado durante a nossa conversa fiada, só se fala de falsas celebridades e de escândalos sexuais; poucas referências ao Orçamento para 2005, nenhumas às GOP’s e uma pergunta escandalosa a referendar a Constituição europeia.
Jornalista – Parece que toda a gente está contra o Orçamento, desde a esquerda à direita.
Economista – Sim, é o bombo da festa. Mas também lhe digo que não deve ser fácil ser-se Prior desta freguesia com uns a acharem que se gasta de mais e outros a quererem que se gaste ainda mais.
Jornalista – Será possível conciliar o inconciliável?
Economista – Será possível chegar a um acordo de concertação social quando as partes puxam a corda até a partirem? Nunca há só um teimoso: tem que haver, pelo menos, dois e neste caso há muitos mais com cada um na sua sem querer ceder em nada. Os parceiros sociais estão a prestar muito mau serviço ao país pois cada um só está interessado em fazer espectáculo para a respectiva plateia e parece não pretenderem chegar a acordos parcelares de modo a irem abrindo perspectivas. E repare que não é necessário ir fazendo acordos parcelares em que todos os parceiros alinhem: bastaria que se fosse fazendo acordos parcelares entre alguns parceiros, dois a dois, três a três, sei lá, em geometrias variáveis . . . um a dois, etc.
Jornalista – E isso conduziria a algum lado?
Economista – E acha que a situação actual conduz a algum lado?
Jornalista – Estamos num beco sem saída?
Economista – Eu acho que o ideal seria que houvesse um acordo de concertação social como plataforma da sociedade civil para a construção dos cenários da política de rendimentos e de todas as prospectivas daí decorrentes tais como as dos agregados macroeconómicos, as GOP’s e os Orçamentos do Estado. Mas eu sei que os modelos macroeconómicos que parece servirem de base à elaboração das prospectivas nos têm conduzido a resultados perfeitamente aberrantes quando as comparamos com os resultados finais, que as GOP’s não aparecem devidamente quantificadas para que as possamos integrar numa análise numérica, nomeadamente financeira e que ninguém conhece a relação causa-efeito entre as GOP’s e o Orçamento do Estado. Ou seja, o acordo de concertação social é perfeitamente incapaz de servir de base a um edifício que afinal não existe e, portanto, eu quase diria que tudo continua a ser feito à matroca com ou sem o tal acordo que é tão difícil de alcançar. Se fosse fácil e não servisse para nada, tudo bem; sendo difícil e continuando a não servir para nada, então o melhor é esquecê-lo. Mas é pena ter que concluir desta forma.
Jornalista – Mas o que sucede se não houver um acordo que defina uma política de rendimentos?
Economista – Haverá acordos sectoriais, haverá acordos de empresa e, sobretudo, haverá o Estado a dar o mote através dos aumentos à Função Pública.
Jornalista – Mas isso acaba por condicionar tudo à contenção do défice das contas públicas.
Economista – Mas é o melhor que se arranja se as outras partes não se quiserem entender.
Jornalista – Então, para que é que temos estado aqui a perder tempo com as GOP’s?
Economista – Para o mesmo com que os outros têm estado a perder tempo para não chegarem a acordo no âmbito da concertação social, para o mesmo com que outros ainda têm estado a perder tempo com a apreciação do Orçamento. Nós, ao menos, estivemos a ler uma carta de intenções que nos dava uma ideia sobre o que o Governo dizia que faria no ano seguinte. E estávamos a fazer os nossos juízos de valor sobre essas ideias. Até que o PSD decidiu fazer haraquiri.
Jornalista – O PSD e o CDS.
Economista – O CDS? Não. Eu acho que o CDS foi o elemento estável neste Governo. O Primeiro Ministro é que não está a ser aceite pelo seu próprio Partido e, portanto, tudo passa por uma questão interna do PSD e só dele.
Jornalista – Então e agora?
Economista – Agora, o Presidente da República quer que o Orçamento para 2005 seja votado. Admito que a actual maioria parlamentar o aprove mas não sei o que vai suceder às autorizações legislativas que nele ficam implícitas. Quem vai governar depois de eleições? O PS? Com maioria absoluta, com maioria simples ou em coligação? E nesta última hipótese: coligar-se-á com o PCP ou com o CDS? Mas também pode suceder que o PSD consiga encontrar a tempo um novo líder credível que convença o eleitorado a manter a cor política do Governo.
Jornalista – Acha isso plausível?
Economista – Não sei que cartas alguém tenha na manga mas temo que não estejamos em época de “salvadores da Pátria” disponíveis para o horrível sacrifício da governação, sempre a serem alvo das maiores afrontas e ignomínias. Temo que os mais capazes não estejam disponíveis, apesar de andarem para aí a dizer coisas no sentido de que se deve fazer assim e assado mas avisando logo à partida que não contem com eles. Não deixa de ser um pouco estranho, essa de fazerem de ponto como no teatro. Sempre nos saíram uns grandes pontos.
Jornalista – Mas não acredita que haja alguém que poderia ser considerado indispensável para presidir ao novo Governo?
Economista – O Professor Adriano Moreira costuma dizer que “de pessoas indispensáveis estão os cemitérios cheios” mas parece-me necessário encontrar alguém que, pelo menos, tenha “postura de Estado”. Já não peço muito mais . . .
Jornalista – Não quer avançar nomes que lhe agradassem?
Economista – Não falo de pessoas; interesso-me pelas políticas.
Jornalista – Então, que políticas acha que deviam ser seguidas?
Economista – É disso que temos tratado desde os “Diálogos platónicos” e que nos preparávamos para levar por diante até ao final das GOP’s para 2005 mas acho que nos cortaram o pio. Ficámo-nos pela primeira GOP e ficam as outras três por analisar porque me parece inútil continuar em algo que não poderá passar de um simples exercício académico.
Jornalista – Então, do que vamos falar daqui para a frente?
Economista – Logo se verá mas, para já, vou comemorar o 1º de Dezembro e a Restauração da soberania de Portugal.
Jornalista – Vai aos Restauradores?
Economista – Vou todos os anos e olhe que cada vez mais é necessário afirmar que Portugal é um Estado soberano pois há muitos que o querem diluir como uma região europeia. Esses, que tanto falam do iberismo mais não fazem do que copiar o Cristóvão de Moura e o Miguel de Vasconcelos, pessoas que passaram à História como autênticos traidores.
Jornalista – E no que pensa quando vai a essas comemorações?
Economista – No definhamento que desejo aos traidores.
Jornalista – Sabe a letra do Hino Nacional?
Economista – Claro que sei mas canto-o com dificuldade porque me emociono e embarga-se-me a voz.
Jornalista – Tem esperança de que Olivença volte a ser portuguesa?
Economista – Olivença é portuguesa mas está a ser administrada por Espanha. Creio que esse litígio fronteiriço vai ter que ser dirimido nalgum fórum internacional apesar de o Governo português dar sucessivas provas de ter medo de tratar do assunto mas há outras formas de tratar do caso.
Jornalista – Militarmente?
Economista – Seria ridículo.
Jornalista – Quer explicar?
Economista – Acho que podemos abordar essa questão numa conversa futura.
Jornalista – Fica prometido?
Economista – Fica prometido. Até à próxima; tenho que chegar a horas aos Restauradores antes que comecem as cerimónias.

Lisboa, 1 de Dezembro de 2004

Henrique Salles da Fonseca

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D